Dourados – MS quarta, 27 de janeiro de 2021
Dourados
31º max
22º min
Influx
rural

Câmara aprova criação do Fundo de Investimento para o Setor Agropecuário

27 Dez 2020 - 14h08Por Agência Câmara de Notícias
Projeto permite criação de instrumentos no mercado de capitais para financiar a produção agropecuária - Crédito: Jaelson Lucas/Agência de Notícias do ParanáProjeto permite criação de instrumentos no mercado de capitais para financiar a produção agropecuária - Crédito: Jaelson Lucas/Agência de Notícias do Paraná

A Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 5191/20, do deputado Arnaldo Jardim (Cidadania-SP), que cria o Fundo de Investimento para o Setor Agropecuário (Fiagro).

O texto foi aprovado na forma do substitutivo do deputado Christino Áureo (PP-RJ), relator da matéria, e agora destaques ao texto estão sendo votados.

Segundo Áureo, o objetivo da proposta é criar instrumentos no mercado de capitais para financiar a produção agropecuária, em vez de se recorrer ao Tesouro.

A ideia, conforme ele, é aproveitar instrumento que já existe - os fundos de investimentos imobiliários (instituídos pela Lei 8.668/93) - para captar recursos e fomentar o setor agropecuário.

O texto inclui os Fiagro nessa lei.

Ainda de acordo com o relator, o texto possibilita que pequenos investidores, inclusive estrangeiros, invistam no setor sem serem proprietários de terra. Porém, pela proposta, os Fiagro poderão arrendar ou alienar os imóveis rurais que venham a adquirir, prevalecendo na operação as condições livremente pactuadas no contrato.

"De forma semelhante aos fundos imobiliários, os Fiagro democratizarão o mercado fundiário, pois viabilizarão investimentos em terra, por nacionais e estrangeiros de qualquer porte, sem a efetiva posse ou domínio de propriedades rurais.

Para tanto, bastará a aquisição de cotas de fundo que invista na aquisição de estabelecimentos rurais", disse.

"Ainda que um investidor estrangeiro venha a ser cotista de um Fiagro que tem em seu patrimônio um imóvel rural, a propriedade não se comunica, em hipótese alguma, ao cotista estrangeiro", garantiu o relator.

Tratamento tributário

Áureo salienta ainda que é conferido a esse tipo de investimento o mesmo tratamento tributário dado pela lei ao fundos imobiliários.

Pelo texto aprovado, com emendas de Plenário, os rendimentos e ganhos de capital auferidos e distribuídos pelos Fiagro sujeitam-se à incidência do imposto sobre a renda na fonte, com alíquota de 20%.

A mesma alíquota será aplicada as ganhos de capital e rendimentos auferidos na alienação ou no resgate de cotas dos fundos.

Porém, não estarão sujeitas à incidência do IR na fonte as aplicações efetuadas pelos Fiagro.

Democratização de investimentos

Autor do projeto, Arnaldo Jardim destacou que a proposta possibilita a ampliação no número de investidores no setor, permitindo a participação tanto de investidores individuais - pessoas físicas -como investidores institucionais.

Para ele, haverá democratização de investimento no setor, lembrando que "hoje os fundos imobiliários têm cerca de 1 milhão de investidores".

Ele destacou ainda que que investidores individuais não poderão aferir mais de 10% da rentabilidade do fundo.

Participação de estrangeiros

Para a deputada Erika Kokay (PT-DF), a proposta ameaça a democratização da terra e a segurança alimentar.

Ela disse que a medida permite a compra de terras brasileiras por estrangeiro, burlando a legislação, já que o "fundo vai poder comprar terra e poderá ter participação de estrangeiros".

Além disso, na sua visão,  vai estimular o estoque especulativo da terra. "Nós queremos a terra para produzir, e a proposta vai na contramão do estímulo à agricultura familiar e da repartição da terra entre o povo brasileiro", afirmou.

O deputado Nilto Tatto (PT-SP) acredita que "estrangeiros vão dominar fundos e ditar o que produzir e como produzir", ferindo a soberania nacional.

Também contrária à proposta, a deputada Sâmia Bomfim (Psol-SP) disse que a proposta beneficia apenas grandes agricultores e não leva em conta os pequenos agricultores.

Ela lembrou do veto do governo, ainda não apreciado pelo Congresso, ao projeto de lei aprovado pelos parlamentares que previa o pagamento de um benefício especial aos agricultores familiares durante a pandemia (PL 735/20, transformado na Lei 14.048/20).

Aplicações

Conforme o texto aprovado, os Fiagro, serão destinados à aplicação, isolada ou em conjunto, em:

imóveis rurais;

participação em sociedades que explorem atividades integrantes da cadeia produtiva agroindustrial; ativos financeiros, títulos de crédito ou valores mobiliários emitidos por pessoas físicas e jurídicas que integrem a cadeia produtiva agroindustrial;

direitos creditórios do agronegócio e títulos de securitização emitidos com lastro em direitos creditórios do agronegócio;

direitos creditórios imobiliários relativos a imóveis rurais e títulos de securitização emitidos com lastro em tais direitos creditórios;

cotas de fundos de investimento que apliquem mais de 50% de seu patrimônio nesses ativos. Os Fiagro

serão constituídos sob a forma de condomínio aberto ou fechado com prazo de duração determinado ou indeterminado.

O projeto ainda precisa ser analisado pelo Senado.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Técnicos da Iagro monitoram focos de raiva em bovinos na região de Cassilândia
Rural

Técnicos da Iagro monitoram focos de raiva em bovinos na região de Cassilândia

22/01/2021 08:22
Técnicos da Iagro monitoram focos de raiva em bovinos na região de Cassilândia
Chuvas chegam no momento e quantidade certos e safra da soja deve superar 11,5 milhões de toneladas
campo

Chuvas chegam no momento e quantidade certos e safra da soja deve superar 11,5 milhões de toneladas

20/01/2021 14:35
Chuvas chegam no momento e quantidade certos e safra da soja deve superar 11,5 milhões de toneladas
Soja brasileira tem tecnologia para aumento de produção sem pressão por áreas de florestas
Agricultura

Soja brasileira tem tecnologia para aumento de produção sem pressão por áreas de florestas

18/01/2021 12:11
Soja brasileira tem tecnologia para aumento de produção sem pressão por áreas de florestas
MS anuncia R$ 56 milhões para combate permanente aos incêndios florestais
MEIO AMBIENTE

MS anuncia R$ 56 milhões para combate permanente aos incêndios florestais

04/01/2021 10:00
MS anuncia R$ 56 milhões para combate permanente aos incêndios florestais
Fundação Chapadão está autorizada a realizar a TecnoAgro 2021 com presença do público
MS

Fundação Chapadão está autorizada a realizar a TecnoAgro 2021 com presença do público

09/12/2020 15:28
Fundação Chapadão está autorizada a realizar a TecnoAgro 2021 com presença do público
Últimas Notícias