Dourados – MS quarta, 12 de agosto de 2020
Dourados
29º max
18º min
Segurança e Saúde JBS
Prejuízo

Ataques de javalis geram perdas de 22% em lavouras de milho no Estado

21 Jul 2016 - 10h07
Armadilhas fotográficas registram animais - Crédito: Foto: EmbrapaArmadilhas fotográficas registram animais - Crédito: Foto: Embrapa
Os javalis têm causado prejuízos a produtores rurais da região sul do Estado. Em Rio Brilhante, distante 163 km de Campo Grande, 22% das lavouras de milho safrinha foram danificadas devido ao ataque de animais silvestres, conforme o boletim da Casa Rural da Famasul (Federação de Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul).

Segundo o pesquisador da Fundect (Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul) e da Embrapa Pantanal, Fernando Ibanez Martins, há três anos os ataques de javalis são estudados no Estado e não há um número certo de população, mas só em Rio Brilhante passa de mil de animais.

"Em 2005, os ataques eram notificados em sete municípios e em 2015, foram 46 cidades que relataram prejuízos com javalis, ou javaporcos", afirma o pesquisador sobre a expansão dos animais pelo Estado.

Martins explica que alguns animais são monitorados com coleira de GPS e há armadilhas fotográficas para avaliar o comportamento deles. "Acompanhamos quanto tempo os javalis permanecem nas lavouras, como andam no meio do mato e eles atacam todo o tipo de lavoura, milho, soja e cana-de-açúcar. Nas lavouras de milho, os estragos são maiores porque os pés são mais frágeis se comparado com a soja, então os produtores notam mais os ataques e conseguem contabilizar os prejuízos", explica.

Os monitoramentos começaram há três anos e há uma tendência no aumento da população desses animais. "Nas lavouras localizadas próximas de matas ciliares e rios, foi notado um prejuízo de 30% por causa desses animais em Rio Brilhante".

Ataques

Segundo o presidente do Sindicato Rural de Rio Brilhante, Luiz Otávio Britto Fernandes, há relatos de produtor no município que tem mil hectares de milho plantado e devido aos ataques de javalis, perdeu 50 hectares. "As perdas começam quando o milho é plantado e os animais fuçam a terra para comer a semente. Outra fase do grão que atrai os javalis é quando a planta começa a frutificar".

Com as armadilhas fotográficas, 80% dos animais registrados nas lavouras são javalis e javaporcos. "Não é só aqui que esses ataques acontecem, mas também em outras cidades, como em Ponta Porã, Maracaju, Dourados, Itaporã, entre outras", informa.

Fernandes explica ainda que para este ano, a colheita estimada de milho é de 70 sacas por hectare. "Com os ataques, os produtores perdem de R$ 100 a R$ 200 por hectare, cerca de trê ou quatro sacas por hectare, sem contar com a estiagem que prejudica também a produção do milho".

O cruzamento de javalis com porcos domésticos resultou nos javaporcos, que apresentam elevada capacidade reprodutiva, pois a genética do porco é selecionada para um alto desempenho reprodutivo. O cruzamento de javalis com porcos domésticos resultou nos javaporcos, que apresentam elevada capacidade reprodutiva, pois a genética do porco é selecionada para um alto desempenho reprodutivo.

Existência e cruzamento

Conforme o pesquisador, os javalis chegaram em Mato Grosso do Sul em 1990 trazidos do Uruguai, pelos homens e entraram pela região Sul do Estado. As matrizes trazidas para cá, cruzaram com porcos domésticos, gerando os javaporcos. Este cruzamento apresenta elevada capacidade reprodutiva, pois a genética do porco doméstico é selecionada para um alto desempenho reprodutivo.

Segundo Martins, não houve controle populacional destes animais e os prejuízos começaram a ficar críticos a partir de 2005. "Os relatos de produtores do Estado devido aos ataques de javalis vem piorando a cada ano, mas o problema cresceu mesmo de 2005 a 2010".

Abate

Devido aos problemas econômicos e ambientais causados pelos javalis e javaporcos, o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) expediu uma instrução normativa em 2013, regulamentando o abate destes animais para controle, em todo território nacional. "É importante mencionar que o abate não foi liberado, mas sim regulamentado, ou seja, existem normas que devem ser seguidas para realizar este procedimento", alega o pesquisador.

Em Rio Brilhante, o método usado para captura é gaiola. Segundo o presidente do Sindicato Rural, a ação é efetiva e menos agressiva. "No verão, capturamos e abatemos 20 javalis e javaporcos. Isso é feito antes da plantação do milho começar a ser feita, para ter um resultado eficaz", informa.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Dourados adquire 20 estufas para a agricultura familiar
Dourados

Dourados adquire 20 estufas para a agricultura familiar

11/08/2020 14:35
Dourados adquire 20 estufas para a agricultura familiar
Secretário de Agricultura Familiar discute as ações da Tecnofam 2021 com diretores da Embrapa
Dourados

Secretário de Agricultura Familiar discute as ações da Tecnofam 2021 com diretores da Embrapa

06/08/2020 18:37
Secretário de Agricultura Familiar discute as ações da Tecnofam 2021 com diretores da Embrapa
Leilão de bovinos realizado pela SAD supera meta e arrecada R$ 106 mil
Leilão

Leilão de bovinos realizado pela SAD supera meta e arrecada R$ 106 mil

06/08/2020 08:01
Leilão de bovinos realizado pela SAD supera meta e arrecada R$ 106 mil
MS quer ampliar vendas de grãos para o Irã
Exportação

MS quer ampliar vendas de grãos para o Irã

03/08/2020 15:01
MS quer ampliar vendas de grãos para o Irã
Governo amplia responsabilidades da Caixa na habitação rural
Habitação Rural

Governo amplia responsabilidades da Caixa na habitação rural

24/07/2020 19:33
Governo amplia responsabilidades da Caixa na habitação rural
Últimas Notícias