Dourados – MS domingo, 05 de dezembro de 2021
Dourados
36º max
23º min
Rural

Após seca severa, chuva deve recuperar pastagens no MS

Estiagem prolongada e geadas do inverno comprometeram o pasto, a principal fonte de alimentação dos animais; seca também afetou nascentes de água

17 Out 2021 - 11h00Por Ana Paula Amaral
Segundo a Acrissul, situação da pastagem é crítica em várias regiões do Estado; pasto é principal fonte de alimentação dos animais - Crédito: Rubens Moreira NetoSegundo a Acrissul, situação da pastagem é crítica em várias regiões do Estado; pasto é principal fonte de alimentação dos animais - Crédito: Rubens Moreira Neto

A chegada do ciclo de chuvas do mês de outubro trouxe muito otimismo e expectativa para os produtores rurais de Mato Grosso do Sul. Somente nos últimos dias, o volume de chuvas ultrapassou os 150 milímetros em quase todas as regiões do Estado, encerrando uma estiagem prolongada que castigou a produção agropecuária. Além de comprometer a produção de milho safrinha e atrasar o início do plantio da soja, a seca severa também comprometeu a produção na pecuária, trazendo prejuízos aos criadores. A falta de água, aliada às geadas do inverno, afetou as pastagens, reduzindo de forma drástica a alimentação e nutrição dos animais. A falta de chuvas também teve impacto nas nascentes, que em muitas propriedades são a principal fonte de água para o rebanho. Alguns produtores relataram mortes de animais e prejuízos por conta da seca.

Segundo o presidente da Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul), Jonatan Pereira Barbosa, embora tenha ocorrido com atraso, a chuva será importante para a recuperação das pastagens e também das nascentes, que servem como fonte de água para os animais. “A seca foi muito rigorosa, e a partir de agora esperamos que as chuvas se normalizem para haver um melhor equilíbrio na área rural”, afirmou o presidente ao O Progresso.

Segundo ele, a estiagem prolongada compromete as pastagens, afetando diretamente a nutrição dos animais. Para evitar perdas expressivas, o produtor precisa suplementar a alimentação do rebanho com ração à base de milho e farelo de soja – o que encarece a produção e, muitas vezes, torna-se inviável. “Hoje, o preço da ração é quase que proibitivo para o produtor. Por isso, precisamos das chuvas para regularizar o pasto e a alimentação dos animais”, acrescenta.

De acordo com a entidade, houve relatos de situação crítica em todo o Estado, até mesmo na região do Pantanal, em áreas tradicionalmente alagadas. “A seca foi muito intensa e, com isso, surge outro tormento que são as queimadas. Agora, nossa expectativa é muito positiva e esperamos que o ciclo de chuvas seja benéfico para a produção e também para o meio ambiente”, complementa.

Prejuízo e morte de animais
O engenheiro agrônomo e pecuarista Antônio Amaral, que tem propriedade na região de Itaporã, conta que este foi o ano de maior dificuldade desde 1987, quando adquiriu a área. Nas últimas semanas, ele perdeu 15 cabeças de gado, em consequência de uma série de fatores, entre eles a seca severa e a ocorrência de onze geadas intensas e repetidas – o que comprometeu a pastagem. “O pasto rebrotou por três vezes e queimou com as geadas, e com isso o rebanho ficou sem ter o que comer. Usamos ração, cana e sais minerais proteinados e mesmo assim não foi suficiente”, relata.

Nos últimos dias, o volume de chuvas na região passou de 150mm, o que certamente será favorável para recuperar a nutrição dos animais. “Agora a pastagem vai responder, porém ainda vai pelo menos 30 dias para haver uma sobra de pasto. O gado está com uma fome reprimida e vai querer saciar essa fome”, avalia o produtor. 

Avanço no plantio de soja 
Segundo o Sindicato Rural de Dourados, as chuvas ocorridas nas principais regiões produtores nos últimas dias também favorecem o plantio da soja, que ainda não havia sido semeada por falta de umidade no solo. O plantio começa a ser feito agora, um mês após o fim do vazio sanitário da soja. “A chuva foi muito positiva! Desde o feriado, as plantadeiras já estão nas lavouras para garantir a semeadura da soja e a partir de agora o plantio deve ser bem acelerado”, afirma o presidente da entidade, Ângelo Ximenes. O ruralista acredita que até a próxima semana, o Estado deverá ultrapassar os 50% de área plantada com soja. 

Segundo números da Aprosoja-MS (Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso do Sul), a previsão é plantar 3,777 milhões de hectares de soja no MS. Apesar do aumento na área, a produtividade deve ser menor em comparação ao ciclo passado, quando o Estado atingiu recorde na produção. A instabilidade do clima e a previsão de chuvas abaixo da média devem comprometer a produtividade, que foi reduzida em 10%, alcançando 56 sacas por hectare. Em Dourados, a previsão é plantar 225 mil hectares de soja na safra 2021/2022.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mato Grosso do Sul ganha revista especializada no agronegócio
Rural

Mato Grosso do Sul ganha revista especializada no agronegócio

04/12/2021 13:00
Mato Grosso do Sul ganha revista especializada no agronegócio
Agropecuária despenca 8% e puxa queda do PIB no 3º trimestre
Economia

Agropecuária despenca 8% e puxa queda do PIB no 3º trimestre

03/12/2021 08:07
Agropecuária despenca 8% e puxa queda do PIB no 3º trimestre
Produtores rurais de MS poderão participar de treinamento de boas práticas de pulverização agrícola
Rural

Produtores rurais de MS poderão participar de treinamento de boas práticas de pulverização agrícola

02/12/2021 17:00
Produtores rurais de MS poderão participar de treinamento de boas práticas de pulverização agrícola
Mapa cria grupo para monitoramento e assessoramento sobre fertilizantes
Rural

Mapa cria grupo para monitoramento e assessoramento sobre fertilizantes

30/11/2021 19:00
Mapa cria grupo para monitoramento e assessoramento sobre fertilizantes
Segunda etapa de vacinação contra a febre aftosa termina hoje para a Região do Planalto
Pecuária

Segunda etapa de vacinação contra a febre aftosa termina hoje para a Região do Planalto

30/11/2021 07:53
Segunda etapa de vacinação contra a febre aftosa termina hoje para a Região do Planalto
Últimas Notícias