Dourados – MS quinta, 29 de outubro de 2020
Dourados
26º max
18º min
Influx
Política

Votação do salário mínimo será nesta quarta-feira

16 Fev 2011 - 00h27
Em meio aos protestos das centrais sindicais, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, defende salário minimo de R$ 545,00.
Foto: Agência Brasil - Em meio aos protestos das centrais sindicais, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, defende salário minimo de R$ 545,00. Foto: Agência Brasil -
BRASILIA - O governo da presidente Dilma Rousseff terá nesta quarta-feira seu primeiro grande teste político na Câmara com a votação do salário mínimo, marcada para às 13h (12h de MS). A aproximação da votação intensificou as conversas entre os partidos, o governo e as centrais sindicais ontem.

Para garantir a aprovação do seu projeto (PL 382/11), que prevê reajuste dos atuais R$ 540 para R$ 545, o governo mandou técnicos para conversar com os deputados, inclusive da oposição.

Em meio aos protestos das centrais sindicais, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, justificou o valor do salário mínimo de R$ 545 proposto pelo governo.

“Vim para defender a politica de valorização do salário mínimo que propõe o governo federal. Não temos condições, do ponto de vista fiscal, de aumentar a despesa em relação ao que ela é”, disse o ministro, em comissão geral convocada pelo presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS).

Na tentativa de convencer os parlamentares e os integrantes das centrais sindicais, presentes na sessão especial, Mantega explicou que cada R$ 1 acrescido no valor do mínimo representa um acréscimo de R$ 300 milhões nas contas do Estado.

“Temos limitação de ordem orçamentária e limitação com relação à confiança que a sociedade deposita nos acordos que fazemos e [a regra] deve ser cumprida. Não podemos descumprir uma regra negociada com governo e trabalhadores, não vamos abrir exceção. Queremos estabelecer confiança quanto aos compromissos e despesas do futuro”, justificou o ministro.

Para ele, é importante que o acordo feito com as centrais sindicais, no ano passado, seja mantido. “Queremos que a proposta seja colocada em prática, de 2011 a 2015. É bom para o governo porque teremos aumento de despesa, mas é aumento previsível. É mais importante ter regra previsível que seja cumprida por todos”, disse. Dessa forma, para 2012, haverá um aumento real de pelo menos 7,5% mais a inflação.

O acordo a que se referiu o ministro foi incorporado no projeto de lei de valorização do salário mínimo enviado na semana passada à Câmara dos Deputados. O projeto prevê o reajuste pela inflação do ano anterior e a variação do Produto Interno Bruto (PIB) dos dois anos anteriores.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRE inicia procedimento de inserção dos dados nas urnas eletrônicas
Mato Grosso do Sul

TRE inicia procedimento de inserção dos dados nas urnas eletrônicas

28/10/2020 07:45
TRE inicia procedimento de inserção dos dados nas urnas eletrônicas
Promotor Harfouche tem candidatura a prefeito  indeferida na Capital
Campo Grande

Promotor Harfouche tem candidatura a prefeito indeferida na Capital

27/10/2020 08:06
Promotor Harfouche tem candidatura a prefeito  indeferida na Capital
Governo fará nova redução em imposto sobre videogames
Desoneração

Governo fará nova redução em imposto sobre videogames

27/10/2020 07:43
Governo fará nova redução em imposto sobre videogames
Cresce 60% o número de cidades com mais eleitores que habitantes
Revisão

Cresce 60% o número de cidades com mais eleitores que habitantes

27/10/2020 07:20
Cresce 60% o número de cidades com mais eleitores que habitantes
Três projetos estão na pauta da Ordem do Dia desta terça-feira
ALEMS

Três projetos estão na pauta da Ordem do Dia desta terça-feira

27/10/2020 07:11
Três projetos estão na pauta da Ordem do Dia desta terça-feira
Últimas Notícias