Dourados – MS quarta, 22 de setembro de 2021
Dourados
35º max
18º min
Institucional - Setembro
Política

Votação do salário mínimo será nesta quarta-feira

16 Fev 2011 - 00h27
Em meio aos protestos das centrais sindicais, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, defende salário minimo de R$ 545,00.
Foto: Agência Brasil - Em meio aos protestos das centrais sindicais, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, defende salário minimo de R$ 545,00. Foto: Agência Brasil -
BRASILIA - O governo da presidente Dilma Rousseff terá nesta quarta-feira seu primeiro grande teste político na Câmara com a votação do salário mínimo, marcada para às 13h (12h de MS). A aproximação da votação intensificou as conversas entre os partidos, o governo e as centrais sindicais ontem.

Para garantir a aprovação do seu projeto (PL 382/11), que prevê reajuste dos atuais R$ 540 para R$ 545, o governo mandou técnicos para conversar com os deputados, inclusive da oposição.

Em meio aos protestos das centrais sindicais, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, justificou o valor do salário mínimo de R$ 545 proposto pelo governo.

“Vim para defender a politica de valorização do salário mínimo que propõe o governo federal. Não temos condições, do ponto de vista fiscal, de aumentar a despesa em relação ao que ela é”, disse o ministro, em comissão geral convocada pelo presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS).

Na tentativa de convencer os parlamentares e os integrantes das centrais sindicais, presentes na sessão especial, Mantega explicou que cada R$ 1 acrescido no valor do mínimo representa um acréscimo de R$ 300 milhões nas contas do Estado.

“Temos limitação de ordem orçamentária e limitação com relação à confiança que a sociedade deposita nos acordos que fazemos e [a regra] deve ser cumprida. Não podemos descumprir uma regra negociada com governo e trabalhadores, não vamos abrir exceção. Queremos estabelecer confiança quanto aos compromissos e despesas do futuro”, justificou o ministro.

Para ele, é importante que o acordo feito com as centrais sindicais, no ano passado, seja mantido. “Queremos que a proposta seja colocada em prática, de 2011 a 2015. É bom para o governo porque teremos aumento de despesa, mas é aumento previsível. É mais importante ter regra previsível que seja cumprida por todos”, disse. Dessa forma, para 2012, haverá um aumento real de pelo menos 7,5% mais a inflação.

O acordo a que se referiu o ministro foi incorporado no projeto de lei de valorização do salário mínimo enviado na semana passada à Câmara dos Deputados. O projeto prevê o reajuste pela inflação do ano anterior e a variação do Produto Interno Bruto (PIB) dos dois anos anteriores.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Estudo aponta à Comissão da Covid-19 vulnerabilidades dos municípios na pandemia
Brasil

Estudo aponta à Comissão da Covid-19 vulnerabilidades dos municípios na pandemia

22/09/2021 16:45
Estudo aponta à Comissão da Covid-19 vulnerabilidades dos municípios na pandemia
Barbosinha destaca luta em prol das pessoas com deficiência
Política

Barbosinha destaca luta em prol das pessoas com deficiência

21/09/2021 16:30
Barbosinha destaca luta em prol das pessoas com deficiência
Vereadores aprovam programa de regularização de edificações
Dourados

Vereadores aprovam programa de regularização de edificações

21/09/2021 15:30
Vereadores aprovam programa de regularização de edificações
Governo quer transferir gestão de hospitais regionais para organizações sociais
Política

Governo quer transferir gestão de hospitais regionais para organizações sociais

19/09/2021 08:00
Governo quer transferir gestão de hospitais regionais para organizações sociais
Simone Tebet defende criminalização do lobby ilegítimo no Brasil
Política

Simone Tebet defende criminalização do lobby ilegítimo no Brasil

19/09/2021 07:00
Simone Tebet defende criminalização do lobby ilegítimo no Brasil
Últimas Notícias