Dourados – MS quarta, 29 de novembro de 2023
32º
Cassems
Política

Transparência na prefeitura precisa melhorar, diz líder de movimento

Farmacêutico Racib Harb, do Dourados Contra Corrupção, alega que dados disponíveis sãos precários

10 Abr 2021 - 13h01Por Flávio Verão
Vereadores vão apurar recurso da Covid utilizado na gestão da ex-prefeita Délia Razuk - Crédito: ArquivoVereadores vão apurar recurso da Covid utilizado na gestão da ex-prefeita Délia Razuk - Crédito: Arquivo

A omissão de dados no portal da Transparência da Prefeitura de Dourados foi um dos motivos para encorajar a Câmara Municipal a abrir, esta semana, uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar o uso dos R$ 54,9 milhões destinados pelo Governo Federal ao município para o combate do Coronavírus. Líder do movimento “Dourados contra corrupção”, o farmacêutico Racib Harb diz que a administração municipal precisa melhorar o Portal e dispor de mais informações para a sociedade.

“É muito precário. A Lei de Acesso à Informação dá mecanismos para que a população possa acompanhar os gastos públicos, porém a prefeitura [como é o caso] é falha e o cidadão fica refém, cabendo denunciar no Ministério Público Estadual ou Federal, à Polícia Federal, para que haja uma investigação e as informações sejam disponibilizadas”, questiona o farmacêutico. “O direito à informação pública está ligado diretamente à noção de democracia e isso é falho na prefeitura”, ressaltou.

A CPI instalada na Câmara irá investigar o período de março a dezembro do ano passado -  gestão da ex-prefeita Délia Razuk. Para Racib, como ficaram recursos de 2020 para o exercício 2021, da gestão do prefeito Alan Guedes, deveria incluir a atual gestão no processo. “A CPI deveria investigar independente de gestão, até porque há indícios de irregularidades. Mas pra isso [ter isenção no processo] a Câmara deveria contratar pessoas técnicas, como empresa especializada na área de advocacia e de contabilidade. O que precisamos é de isenção”, avaliou o representante do Dourados contra corrupção.

A CPI é composta por três vereadores: Fábio Luís (presidente), Sérgio Nogueira (relator) e Diogo Castilho (membro). Fábio foi o propositor da criação da CPI. Ao pedir a abertura da Comissão, ele apontou que “não se vislumbrava a aplicação eficiente e transparente” dos recursos. Também questionou as contratações realizadas no período sem licitação, além de pagamentos. Ainda citou a compra de cestas básicas no valor de R$ 711 mil em dezembro e a publicidade institucional dos atos no valor de R$ 347 mil.

Polêmica

A vereadora Liandra da Saúde estava no lugar de Sérgio Nogueira como relatora da CPI, função de extrema importância por apurar a investigação e narrar os fatos, direcionando à votação. No entanto, ela acabou desistindo da função, alegando “motivos de foro íntimo”. No entanto, houve pressão sobre a participação da vereadora na Comissão. Liandra sempre foi próxima de Délia Razuk e trabalhou nos quatro anos da administração da ex-prefeita. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Frente Parlamentar Invasão Zero é empossada com foco na paz no campo
ALEMS

Frente Parlamentar Invasão Zero é empossada com foco na paz no campo

há 27 minutos atrás
Frente Parlamentar Invasão Zero é empossada com foco na paz no campo
Embraer assina três acordos de investimentos na Arábia Saudita
Política

Embraer assina três acordos de investimentos na Arábia Saudita

há 42 minutos atrás
Embraer assina três acordos de investimentos na Arábia Saudita
Lula: não pode haver desoneração sem contrapartida a trabalhadores
Política

Lula: não pode haver desoneração sem contrapartida a trabalhadores

29/11/2023 14:30
Lula: não pode haver desoneração sem contrapartida a trabalhadores
Artigo

Um representante político no STF

29/11/2023 13:45
Lula destaca investimentos brasileiros em energia verde
Política

Lula destaca investimentos brasileiros em energia verde

29/11/2023 11:45
Lula destaca investimentos brasileiros em energia verde
Últimas Notícias