Dourados – MS segunda, 28 de setembro de 2020
Dourados
32º max
21º min
STF

Supremo deve julgar hoje redução da dívida de MS com a União

27 Abr 2016 - 06h00
Governador Reinaldo Azambuja está otimista quanto à redução da dívida milionária. - Crédito: Foto: DivulgaçãoGovernador Reinaldo Azambuja está otimista quanto à redução da dívida milionária. - Crédito: Foto: Divulgação
O plenário do STF (Supremo Tribunal Federal) deve julgar nesta quarta-feira (27) o mérito das liminares que foram concedidas recentemente por ministros da Corte que alteram o cálculo dos juros sobre a dívida dos estados com a União, inclusive Mato Grosso do Sul.


Com pedido de juros simples, a dívida de Mato Grosso do Sul pode cair dos atuais R$ 7 bilhões para apenas R$ 1,6 bilhão, conforme cálculos da Sefaz (Secretaria de Estado de Fazenda).


O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) está otimista quanto à redução da dívida milionária, contraída em meados de 1998.


Na prática, o tucano deseja que os técnicos da área econômica do governo federal apliquem outra modalidade de cobrança de modo que não continuem comprometendo a receita do Estado em R$ 100 milhões mensais.
Mato Grosso do Sul pede que o saldo da dívida seja recalculado com juros simples, baseado na Selic (taxa básica) acumulada de 2013 para cá, uma vez que hoje o governo federal cobra juros compostos o que torna a dívida praticamente impagável.


"A diferença é brutal, passa de um estado devedor para um estado credor da União", afirmou o governador ao comentar, em entrevista na Capital, que a dívida já foi paga. "Só que nós já pagamos essa conta, essa foi à explicação que nós demos ao ministro (Luiz Edson) Fachin", emendou.

Liminares


Nas últimas semanas, os estados do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina e Minas Gerais ganharam no Supremo liminares que permitem o pagamento da dívida repactuada com a União com juros simples em vez de compostos (juros sobre juros).


No caso do Rio Grande do Sul, a liminar concedida pelo relator da ação, ministro Edson Fachin, autoriza o estado a pagar a dívida com a União calculada por juros não capitalizados e impede novas sanções por descumprimento de contrato, como o bloqueio das contas até o julgamento do conteúdo da ação.


A liminar para Santa Catarina, concedida na semana passada pelo plenário do Supremo, permite que o estado pague a dívida repactuada com a União usando também juros simples, e não compostos. Com a decisão, o estado pode pagar as parcelas da dívida em valores menores do que os exigidos pela União e sem sofrer sanções legais. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Eleições 2020 recebem mais de 540 mil candidatos e batem recorde
Brasil

Eleições 2020 recebem mais de 540 mil candidatos e batem recorde

27/09/2020 16:02
Eleições 2020 recebem mais de 540 mil candidatos e batem recorde
Eleições 2020: termina hoje prazo para pedir registro de candidatura
Política

Eleições 2020: termina hoje prazo para pedir registro de candidatura

26/09/2020 10:39
Eleições 2020: termina hoje prazo para pedir registro de candidatura
TRE do Rio torna prefeito Crivella inelegível até 2026 por abuso de poder político
Política

TRE do Rio torna prefeito Crivella inelegível até 2026 por abuso de poder político

24/09/2020 18:12
TRE do Rio torna prefeito Crivella inelegível até 2026 por abuso de poder político
Marçal destina R$ 1,1 milhão em emendas para saúde de 10 cidades de MS
recursos

Marçal destina R$ 1,1 milhão em emendas para saúde de 10 cidades de MS

24/09/2020 16:05
Marçal destina R$ 1,1 milhão em emendas para saúde de 10 cidades de MS
Alan Guedes registra candidatura à Prefeitura de Dourados
Eleições 2020

Alan Guedes registra candidatura à Prefeitura de Dourados

24/09/2020 12:03
Alan Guedes registra candidatura à Prefeitura de Dourados
Últimas Notícias