Dourados – MS domingo, 24 de janeiro de 2021
Dourados
32º max
22º min
Influx
Política

Operação Uragano resulta na primeira cassação de mandato

03 Mar 2011 - 22h10
Vereadores discutem a cassação de Marcelão
Foto: Hédio Fazan - Vereadores discutem a cassação de Marcelão Foto: Hédio Fazan -
A Câmara Municipal de Dourados cassou ontem a noite o mandato do
vereador afastado Claudio Marcelo Hall, o \"Marcelão\". Foram nove votos a favor contra três impedimentos. Assume no lugar do parlamentar, o vereador
Cemar Arnal (PR). Marcelão é o primeiro vereador afastado a perder o cargo, entre sete que ainda restavam para serem julgados pelas comissões processantes. Na semana passada, antes de ser julgado, o vereador Zezinho da Farmácia (PSDB) renunciou ao mandato.

A sessão extraordinária começou por volta das 18h30. O primeiro
secretário Gino Ferreira leu as denúncias protocoladas na Câmara
pelos cidadãos. As denúncias com base na Operação Uragano da Polícia
Federal, serviram para a formação da CP, formada pelos os vereadores
Walter Hora (presidente), Idenor Machado (relator) e Pedro Pepa
(membro).

Depois de 79 dias de investigação, um processo com 231 páginas foi
elaborado. Um resumo com 22 páginas foi lido ontem pelo primeiro
secretário da Mesa Diretora, o vereador Gino Ferreira (DEM).

A CP pediu a cassação do parlamentar alegando que suas ações feriram
os princípios da moralidade impessoalidade e decoro parlamentar. O
vereador foi acusado de recebimentos de vantagens indevidas. Segundo
a Comissão, ele não comprovou que não teve participação em atos
ilegais. Áudios e trechos de conversas foram lidos em plenária. As
gravações davam conta de suposta negociação entre o acusado e o
ex-secretário de governo Eleandro Passaia. Segundo a CP, o
parlamentar concordou, participou e não denunciou o esquema
criminoso, o que seria seu dever como vereador.

A defesa, representada pelo advogado Fabiano Rodeline Coquetti,
rebateu as acusações recorrendo ao artigo 5º da Constituição, que
trata sobre o princípio de presunção de inocência. “A ação na Justiça
ainda não foi julgada e se encontra em primeira instância”, disse. Ele
disse ainda que não havia provas concretas da participação de Marcelão
e que apenas com base em indícios não se condena alguém. Ele citou o
código penal alegando que todo o réu cuja as provas não forem
suficientes contra ele deve-ria ser absolvido.

Todos os argumentos não foram suficientes para convencer os
vereadores. Elias Ishy (PT), disse em tribuna que ao analisar todo o
processo se sentiu seguro em votar pela cassação. Walter Hora,
presidente da CP, resumiu o que aconteceu nos 79 dias de trabalho e
disse que o momento era de tristeza, por cassar um mandato popular,
que, segundo ele, deveria ter sido respeitado.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Segue para o Senado projeto da Lei de Eficiência Pública
política

Segue para o Senado projeto da Lei de Eficiência Pública

23/01/2021 16:08
Segue para o Senado projeto da Lei de Eficiência Pública
Senadores entram com representação no Ministério Público para investigar Aras
política

Senadores entram com representação no Ministério Público para investigar Aras

23/01/2021 15:36
Senadores entram com representação no Ministério Público para investigar Aras
Projeto cria Lei de Enfrentamento à Desinformação nas Eleições
política

Projeto cria Lei de Enfrentamento à Desinformação nas Eleições

23/01/2021 14:30
Projeto cria Lei de Enfrentamento à Desinformação nas Eleições
Projeto suspende reajuste tarifário da Centrais Elétricas do Pará
energia

Projeto suspende reajuste tarifário da Centrais Elétricas do Pará

23/01/2021 13:39
Projeto suspende reajuste tarifário da Centrais Elétricas do Pará
Alan Guedes toma posse como presidente na Junta Militar
dourados

Alan Guedes toma posse como presidente na Junta Militar

22/01/2021 11:06
Alan Guedes toma posse como presidente na Junta Militar
Últimas Notícias