Dourados – MS quinta, 17 de janeiro de 2019
Anuncie aqui
Anuncie aqui
ELEIÇÕES 2018

Odilon de Oliveira não tem mais direito à escolta da PF

O juiz aposentado ficou conhecido pelo combate ao crime organizado na região de fronteira com o Paraguai.

21 Ago 2018 - 14h14Por Felipe Pontes/Agência Brasil
Odilon de Oliveira não tem mais direito à escolta da PF -

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidiu hoje (21) que o juiz aposentado Odilon de Oliveira – candidato ao governo de Mato Grosso do Sul – não tem mais direito à escolta da Polícia Federal (PF). A proteção de 24 horas, porém, deve ser retirada de forma gradual.

Odilon de Oliveira ficou conhecido pelo combate ao crime organizado, em especial o narcotráfico na região de fronteira com o Paraguai, tendo recebido diversas ameaças de morte ao longo da carreira, motivo pelo qual desde 1998 é escoltado continuamente por agentes da PF fortemente armados.

O juiz federal se aposentou em setembro do ano passado e este ano foi registrado como candidato do PDT ao governo de Mato Grosso do Sul. Ao deixar a magistratura, ele pediu ao CNJ que fizesse uma consulta formal ao Ministério da Justiça, órgão ao qual a PF estava subordinada à época, sobre a possibilidade de manutenção e ampliação da escolta.

Nesta terça-feira (21), o relator do caso, conselheiro Marcio Schiefler, julgou improcedente o pedido do juiz, com base em relatório encaminhado pelo atual diretor-geral da PF, Rogério Galloro. O documento diz que os motivos para proteção permanente não estão mais presentes e, por isso, a escolta armada deve ser gradualmente descontinuada.

Schiefler ressaltou que, ao se candidatar, o juiz sabia que agravaria os riscos a sua segurança. O relator argumentou ainda que, se fosse mantida sua escolta 24 horas fornecida pela União, o juiz ficaria em situação de vantagem diante dos demais candidatos ao governo de MS, o que é proibido pela legislação eleitoral.

“Isso ofende a garantia básica de igual competitividade que deve sempre prevalecer nas disputas eleitorais”, disse Schiefler. Ele ponderou que a retirada da escolta deveria ser gradual, conforme recomendação da PF. O relator foi seguido por outros oito conselheiros, incluindo a presidente, ministra Cármen Lúcia.

O corregedor-nacional de Justiça, João Otávio de Noronha, discordou, ao afirmar que por ter se candidatado ao governo de MS, Odilon de Oliveira deveria passar a se responsabilizar pela própria segurança. Ele defendeu que a escolta da PF fosse retirada por completo de imediato.

“Houve opção política feita pelo ex-juiz. Então, está fora da nossa jurisdição”, disse Noronha. Cinco conselheiros acompanharam a divergência, mas acabaram vencidos na questão.

 

Eleições

Odilon foi multado em R$ 31,5 mil pelo uso indevido de outdoors para propaganda eleitoral antecipada. Alexandre Branco Pucci, juiz-auxiliar eleitoral, rejeitou os recursos propostos pelo PDT.

Foram utilizados 30 outdoors para divulgar o ato de filiação de Odilon ao PDT. Pucci avalia que a publicidade, além de configurar propaganda antecipada, ocorria por meios proibidos pela legislação, que veta aos candidatos o uso de outdoors.

A decisão foi tomada no domingo (19) e cabe recurso ao plenário da Corte.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Empossado para o segundo mandato, Reinaldo Azambuja aposta em alinhamento com Governo Federal
Governo de MS

Empossado para o segundo mandato, Reinaldo Azambuja aposta em alinhamento com Governo Federal

02/01/2019 08:00
Empossado para o segundo mandato, Reinaldo Azambuja aposta em alinhamento com Governo Federal
Ministério da Agricultura fica responsável por demarcar terra indígena
Questão Indígena

Ministério da Agricultura fica responsável por demarcar terra indígena

02/01/2019 07:56
Ministério da Agricultura fica responsável por demarcar terra indígena
Bolsonaro toma posse como presidente para mandato até 2022
Novo Governo

Bolsonaro toma posse como presidente para mandato até 2022

01/01/2019 15:15
Bolsonaro toma posse como presidente para mandato até 2022
Após 5 meses detidos, Puccinelli e filho são soltos pelo STJ
Soltos

Após 5 meses detidos, Puccinelli e filho são soltos pelo STJ

19/12/2018 14:58
Após 5 meses detidos, Puccinelli e filho são soltos pelo STJ
Marco Aurélio manda soltar condenados em segunda instância, inclusive Lula
FIm de Ano

Marco Aurélio manda soltar condenados em segunda instância, inclusive Lula

19/12/2018 13:40
Marco Aurélio manda soltar condenados em segunda instância, inclusive Lula
Últimas Notícias