Dourados – MS quarta, 18 de setembro de 2019
Política

MS protesta contra lei do abuso de autoridade

20 Ago 2019 - 15h42Por Valéria Araújo
Juízes, promotores e membros do COISED se manifestaram ontem em Dourados contra o projeto - Crédito: Hédio FazanJuízes, promotores e membros do COISED se manifestaram ontem em Dourados contra o projeto - Crédito: Hédio Fazan
O projeto de lei contra o abuso de autoridade sofreu protestos em pelo menos nove cidades de Mato Grosso do Sul durante o dia de ontem (19). Em Dourados, juízes, promotores, forças policiais e integrantes do Conselho Institucional de Segurança Pública (Coised) se manifestaram por meio de ato público em frente a sede do Ministério Público Estadual. Em nota de repúdio lida pelo promotor de Justiça João Linhares Júnior, as autoridades repeliram o projeto e manifestaram-se pelo veto integral do texto, que aguarda sanção ou veto do presidente  Jair Bolsonaro. 
 
De acordo com a nota, o projeto “traz em seu bojo disposições penais indeterminadas, ambíguas, demasiadamente abertas e fluídas, com  o objetivo primordial e implícito de gerar insegurança e perseguição a policiais, a membros do Ministério Público e a juízes, no exercício legítimo de suas funções”. O texto diz ainda que todos os cidadãos são contra a prática de abuso de autoridade, “todavia já existe no ordenamento judrídico brasileiro uma gama de leis que trata do assunto e permite a responsabilização adequada de quem incorre em tais ilícitos”. 
 
Em outro trecho a nota diz que o projeto é uma tentativa velada de calar e de tolher as instituições vocacionadas constitucionalmente a proteger a sociedadenum momento em que a população clama em sentido reverso, ou seja, pede que continuem as apurações e haja punições àqueles que saqueiam o erário público e ultrajam a lei, razão pela qual este Conselho repele veemente o mencionado projeto”. 
 
Segundo ainda nota, a rejeição total do projeto instrumento apto a assegurar o funcionamento e a eficiência do sistema de combate a corrupção, “já que a manutenção do texto vindo do Congresso Nacional ou apenas o veto parcial dele implicará, necessariamente, na fragilização e na inviabilização dos trabalhos eficazes de uma ou mais instituições (Polícia, Ministério Público e Judiciário) e, sem o funcionamento adequado de cada uma delas, com ausência de garantias para executar sua missão, o sistema de justiça e de Segurança Pública acabará sendo todo comprometido”. 
 
A nota termina fazendo os seguintes questionamentos: “por que a pauta dos projetos contra as organizações criminosas e contra os corruptos não avança no Congresso Nacional? Por que amordaçar quem vem atuando contra criminosos poderosos? A quem isso interessa?”. 
 
De acordo com o promotor de Justiça João Linhares Júnior, o texto da proposta é subjetivo e pode penalizar com multas e até prisão de 1 a quatro anos membros do MP  e judiciário. Segundo ele, isso  inibe as investigações devido as interpretações variantes que as situações normais de uma investigação pode gerar com o novo texto. 
 
O delegado regional da Polícia Civil Lupersio Degerone disse que além da inibição das investigações há situações em que se coloca em risco a vida dos policiais como o fato de ser vetado o uso de algemas. Para ele, o projeto é uma clara retaliação as operações policiais, em especial a Lava Jato. No mesmo sentido considerou o chefe da Polícia Rodoviária Federal, inspetor Waldir Brasil. que considerou a situação ainda mais grave para MS que é principal corredor do tráfico de drogas. 
 
Além de Dourados, realizaram o manifesto as cidades de Campo Grande, Corumbá, Amambaí, Paranaíba, Nova Andradina, Ponta Porã, Três Lagoas e Itaporã. 
 
Tramitação
 
O projeto foi enviado na sexta (16) pela Câmara para o presidente Jair Bolsonaro, a quem caberá a sanção do projeto, seja integralmente ou com vetos. Sem passar por comissões, o projeto foi para a pauta do plenário da Câmara na quarta-feira (14), sendo aprovado no mesmo dia. O presidente terá 15 dias para dar uma decisão. Se houver veto total ou parcial, o Congresso vai analisar a decisão do presidente, podendo manter ou derrubar os vetos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Pesquisa detalha distribuição dos subtipos do HIV no Brasil
Saúde

Pesquisa detalha distribuição dos subtipos do HIV no Brasil

16/09/2019 14:00
Pesquisa detalha distribuição dos subtipos do HIV no Brasil
Governo de MS convoca alunos do curso de formação da Agepen para aula final após oito meses
Concurso em MS

Governo de MS convoca alunos do curso de formação da Agepen para aula final após oito meses

13/09/2019 08:59
Governo de MS convoca alunos do curso de formação da Agepen para aula final após oito meses
Bancos aumentam projeção de déficit das contas públicas
Brasil

Bancos aumentam projeção de déficit das contas públicas

12/09/2019 16:52
Bancos aumentam projeção de déficit das contas públicas
Situação de emergência decretada pelo Estado abrange nove municípios atingidos pelas queimadas
Meio Ambiente

Situação de emergência decretada pelo Estado abrange nove municípios atingidos pelas queimadas

12/09/2019 08:32
Situação de emergência decretada pelo Estado abrange nove municípios atingidos pelas queimadas
Plano para Difusão do Manejo Integrado de Pragas de MS será lançado na quarta-feira
Rural

Plano para Difusão do Manejo Integrado de Pragas de MS será lançado na quarta-feira

09/09/2019 17:50
Plano para Difusão do Manejo Integrado de Pragas de MS será lançado na quarta-feira
Últimas Notícias