Dourados – MS segunda, 26 de outubro de 2020
Dourados
28º max
20º min
Influx
Política

LDO conta com cinco emendas de Marçal

14 Jul 2011 - 08h03
BRASÍLIA - A Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização (CMO), da qual o deputado Marçal Filho (PMDB), é membro titular, concluiu na noite de terça-feira a votação do Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2012, que tem como relator o deputado Márcio Reinaldo Moreira (PP-MG). O texto acolheu 16 destaques, sendo 11 de forma integral e cinco parcialmente. Dos seis destaques apresentados pelo deputado sul-mato-grossense, um deles foi aprovado integralmente e outros quatro de forma parcial.

De Marçal Filho, a Comissão acatou de forma integral o destaque à Emenda de sua autoria, estabelecendo que o Poder Executivo Nacional desenvolva, até o fim do exercício de 2012, um banco informatizado de projetos de investimentos a ser utilizado para acompanhamento da execução dos projetos do Orçamento da União em andamento, bem como para maturação de novos planos a serem dotados.



“Esse banco vai evitar, por exemplo, que investimentos se tornem ineficientes, o que geram as famigeradas obras inacabadas. É fundamental que melhoremos a seleção estratégica de projetos prioritários e estruturantes, com a criação de um novo ciclo de maturação dos projetos de investimentos (banco de projetos), instrumentalizado pelas ferramentas de planejamento e mais transparente quanto aos seus critérios de seleção”, explicou o deputado.

Marçal Filho articulou com o Senador Paulo Paim (PT-RS), junto ao relator da LDO/2012, o deputado Márcio Reinaldo Moreira, o reajuste dos aposentados, que garante aumento real a categoria. “Vamos lutar agora, junto ao Governo Federal para que esse reajuste seja superior ao salário-mínimo, garantindo-se aumento real equivalente à 80% da taxa de variação real do PIB de 2010 mais a reposição da inflação apurada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor - INPC do ano anterior”, informou o parlamentar, que foi o único deputado federal de MS a ter aprovadas, emendas à LDO de 2012.

O deputado teve aprovado parcialmente outra emenda destacada esta sobre a compatibilização dos “restos à pagar” com a sobra do superávit. “São de conhecimento notório os problemas trazidos pelos chamados restos à pagar. Problemas que cada um de nós membros do Congresso enfrentamos publicamente e especialmente nas nossas bases.


A prática de se inscrever despesas em restos à pagar fez com que vivêssemos hoje uma verdadeira peça de ficção quando analisamos o Orçamento Geral da União. A matemática é simples: Se temos bilhões inscritos em restos á pagar não é possível que se diga que temos superávit.

A grande verdade é que se todos, desde a sociedade até os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário abrissem mão de, absolutamente, todos os novos projetos, ainda assim, pela estimativa do PIB para este ano, o Governo não conseguiria pagar o que se inscreveu em restos à pagar, durante os últimos 4 anos.


São mais de R$ 128 bilhões de reais inscritos no total sendo que desse valor somente R$ 25,4 bilhões foram processados, ou seja, obras e atividades executadas em quase sua totalidade, ainda sem pagamento”, enfatizou Marçal Filho.

Outro destaque, do Parlamentar de MS, aprovado na LDO foi a compatibilização entre Plano Plurianual (PPA) e Lei Orçamentária Anual (LOA). A emenda visa que o Congresso Nacional faça valer efetivamente o que estabelece Carta Magna, a Constituição Federal no Artigo 167, que diz respeito ao PPA, demonstrando a correlação entre os Programas e suas iniciativas, com a Lei Orçamentária.

“A não compatibilização faz com que o Tripé (LDO/LOA/PPA) que compõem a peça orçamentária não se sustente. É preciso que o Poder Executivo ao comunicar suas intenções, também diga quanto custariam, em quanto tempo seriam executadas, em que momento pretende executar e quanto (percentualmente) da iniciativa indicada seja ela uma atividade ou uma obra”, salienta o deputado.

Marçal explica que ao não especificar isso o Governo Federal ingessa o Congresso Nacional quanto da necessidade legítima de propor o emendamento da peça, pois não há como aferir a exequidade de uma determinada iniciativa sem que haja uma base de cálculo que norteie como estimar os custos dos objetivos e finalidades dessas iniciativas, também chamadas ações.


“Essas informações também serão imprescindíveis para que se possa fazer uma conta simples: Quanto se teria de receita para o ano e quanto de despesa para tal. Demonstrando assim se existe, ou não, compatilidade entre as peças”, concluiu Marçal Filho.

Em sessão extraordinária ocorrida na manhã de ontem, o Congresso Nacional aprovou a matéria que segue agora para sansão da Presidente Dilma Roussef.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Proposta proíbe multa por quebra de fidelidade com operadora em caso de pandemia
política

Proposta proíbe multa por quebra de fidelidade com operadora em caso de pandemia

24/10/2020 15:07
Proposta proíbe multa por quebra de fidelidade com operadora em caso de pandemia
Executivo gastou 77,7% do orçamento previsto para combate a pandemia
política

Executivo gastou 77,7% do orçamento previsto para combate a pandemia

24/10/2020 10:39
Executivo gastou 77,7% do orçamento previsto para combate a pandemia
Maia defende diálogo para autorizar vacina do Instituto Butantan
política

Maia defende diálogo para autorizar vacina do Instituto Butantan

24/10/2020 10:01
Maia defende diálogo para autorizar vacina do Instituto Butantan
Projeto institui Semana Estadual do "Lixo Zero" em MS
Meio ambiente

Projeto institui Semana Estadual do "Lixo Zero" em MS

23/10/2020 07:32
Projeto institui Semana Estadual do "Lixo Zero" em MS
Plenário do Senado aprova indicação de Kassio Nunes Marques para o STF
Desembargador

Plenário do Senado aprova indicação de Kassio Nunes Marques para o STF

22/10/2020 10:00
Plenário do Senado aprova indicação de Kassio Nunes Marques para o STF
Últimas Notícias