Dourados – MS segunda, 19 de outubro de 2020
Dourados
34º max
21º min
Influx
Política

Governo do Estado e Funai não se entendem com relação a demarcação

26 Mai 2011 - 22h35
Ministra Eliane Calmon concedeu coletiva à imprensa de Dourados - Crédito: Foto: Hédio Fazan/PROGRESSOMinistra Eliane Calmon concedeu coletiva à imprensa de Dourados - Crédito: Foto: Hédio Fazan/PROGRESSO
DOURADOS - A corregedora do Conselho Nacional de Justiça, ministra Eliana Calmon, disse ontem em Dourados que tanto o governo do estado como a Fundação Nacional do Índio falham ao serem parciais sobre os conflitos fundiários em Mato Grosso do Sul. “As partes estão emocionadas e por isto tomam partido. A solução dos conflitos vem de ambas as partes cederem aos seus direitos em prol de um direito único”, disse. Ela abriu ontem o seminário “Questões fundiárias em Dourados”, que aconteceu no Espaço de Eventos da Unigran.

Em coletiva à imprensa destacou que as propostas apresentadas pela Funai e pelo Governo do Estado serão analisadas, mas que por si só não são a solução. “Se fossem adequadas não seria necessário a intervenção do CNJ. A partir de agora vamos verificar as particularidades e a realidade local para traçar uma estratégia; um modelo de gestão”, destacou.

A ministra acrescentou ainda que o objetivo do CNJ é resgatar uma dívida histórica sem causar prejuízos à economia. Disse que tanto os proprietários rurais como os indígenas têm suas razões. No caso dos ruralistas, eles não estão em condição ilegal, segundo a ministra, devido a uma política do governo da década de 30 que titulou as terras em prol da produção e desenvolvimento econômico. “As terras foram compradas e não griladas”, alega a ministra.

Para ela todos têm razões, mas a solução vem da conciliação. “As partes devem ceder aos seus direitos para que haja uma solução. O CNJ está presente para ser ferramenta para se chegar a um denominador comum, aliás o CNJ foi criado justamente com esta finalidade, dar a solução ou desatar os nós, quando o judiciário não consegue resolve-los sozinho”, destaca.

O ministro Luiz Inácio Adams, da Advocacia Geral da União, disse que são muitos os desafios econômicos, sociais, culturais e históricos. Mesmo assim assegurou que a intenção é buscar uma solução efetiva a realidade local. “É uma oportunidade de sermos brasileiros”, disse.

O juiz Antônio Carlos Alves Braga Júnior, assessor da Presidência do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), acredita que a discussão de terras, alçada da União ou não, seria o maior motivo de discussões em Dourados, uma particularidade local. “É diferente de Ilhéus na Bahia, por exemplo. Lá é área de interesse econômica por possuir muita riqueza de mineral, o que muda o modelo de abordagem da questão”, disse.

Outra questão que deve ser abordada como particularidade do Estado é se a terra é pública ou privada e se a indenização é o melhor mecanismo para se resolver o conflito. Segundo ele, são duas situações. A primeira a ser discutida é sobre a demarcação em si, e a segunda como até que ponto seria uma solução.


O presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), Marcio Meira, reconheceu ontem durante entrevista com a imprensa que existem divergências de concepção entre o governo do Estado de Mato Grosso do Sul e a Funai. Apesar disso, ele diz que através do estudo caso a caso da situação indígena e dos produtores rurais é possível resolver os conflitos de terras. Marcio Meira esteve presente na abertura do seminário “Questões fundiárias em Dourados”.

O presidente também pregou o diálogo entre as partes e se disse triste com as palavras do governador. “A Funai é uma instituição que deve ser tratada com respeito, como as demais”, destacou.
Meira alegou ainda que acredita que este tipo de atitude do governador não contribui com a conciliação. “Não estou dizendo que a verdade dos índios é única, nem que a dos produtores seja. É que a postura de um dirigente político tem que ser a do diálogo”, explicou.

SEGURANÇA

Ao O PROGRESSO, Meira também falou sobre segurança. Disse que ainda este ano será instalada na reserva de Dourados um policiamento efetivo com agentes da Polícia Federal e Funai.

Segundo informações apuradas pelo site Douradosagora e o jornal O PROGRESSO, as aldeias estariam sem o policiamento permanente há mais de dois anos. Isto porque a Sucuri, ligada à Funai, que realizava os trabalhos, foi desativada. “Estes profissionais não têm formação policial, o que os impede de realizar uma segurança mais eficaz. A permanência dos agentes na reserva não estava resolvendo o problema da violência”, lembra.


Conforme relatório do Conselho Indigenista Missionário (CIMI), o índice de mortes de indígenas vem aumentando substancialmente no decorrer dos anos, sendo certo que, entre 2003 (13 vítimas) e 2007 (53 vítimas), houve um aumento de mais de 300% no número de vítimas fatais nas aldeias de Mato Grosso do Sul, grande parte em Dourados, onde há maior concentração indígena do Estado.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Senado tem semana de esforço concentrado para sabatinas
Comissões

Senado tem semana de esforço concentrado para sabatinas

19/10/2020 11:15
Senado tem semana de esforço concentrado para sabatinas
Bolsonaro participa da abertura de fórum econômico com países árabes
política

Bolsonaro participa da abertura de fórum econômico com países árabes

19/10/2020 10:12
Bolsonaro participa da abertura de fórum econômico com países árabes
Semana de Combate ao Relacionamento Abusivo é instituída em MS
Lei

Semana de Combate ao Relacionamento Abusivo é instituída em MS

19/10/2020 09:38
Semana de Combate ao Relacionamento Abusivo é instituída em MS
Maia nega possibilidade de prorrogar estado de calamidade
política

Maia nega possibilidade de prorrogar estado de calamidade

17/10/2020 15:37
Maia nega possibilidade de prorrogar estado de calamidade
política

Dia Mundial da Alimentação: senadores alertam para riscos de aumento da fome no Brasil

17/10/2020 10:08
Últimas Notícias