Dourados – MS sábado, 18 de maio de 2024
18º
Senado

Comissão aprova inclusão de dados de raça em carteira de trabalho

As informações serão usadas na Política Nacional de Promoção da Igualdade Racial (PNPIR)

03 Mai 2022 - 19h30Por Agência Senado
Relator, Paulo Paim (no telão, à dir.) defendeu aprovação do projeto na reunião desta terça - Crédito: Geraldo Magela/Agência SenadoRelator, Paulo Paim (no telão, à dir.) defendeu aprovação do projeto na reunião desta terça - Crédito: Geraldo Magela/Agência Senado

A Comissão de Assuntos Sociais (CAS) aprovou nesta terça-feira (3) projeto que determina a inclusão de informações sobre pertencimento a segmento étnico-racial nos registros administrativos direcionados aos empregadores e aos trabalhadores do setor privado e do setor público, a fim de subsidiar futuras políticas públicas.

O PL 6.557/2019 (na Câmara, PL 7.720/2010), do deputado Vicentinho (PT-SP), altera a Lei 12.288, de 2010 (Estatuto da Igualdade Racial), para determinar procedimentos e critérios de coleta de informações relativas a cor e raça no mercado de trabalho. A proposta também obriga o IBGE a fazer, a cada cinco anos, censo para identificar a participação de cada grupo étnico-racial empregado no setor público. As informações serão usadas na Política Nacional de Promoção da Igualdade Racial (PNPIR).

Relator na CAS, o senador Paulo Paim (PT-RS) foi favorável ao texto da forma como recebido da Câmara dos Deputados. A proposta agora segue para a Comissão de Direitos Humanos (CDH).

— O projeto permite que o poder público olhe dentro de suas entranhas, no sentido de identificar se a ocupação de seus cargos atende ou não à equidade étnica e racial necessária à concretização do PNPIR. Com tal olhar e as medidas dele decorrentes, o poder público poderá servir de farol às organizações privadas, no sentido de promover a eliminação da discriminação racial tão nociva ao povo brasileiro — afirmou o relator.

A senadora Zenaide Maia (Pros-RN) disse que a sociedade tem que se unir contra o racismo.

— Ninguém vai mudar isso se o Estado também não tiver um olhado diferenciado — afirmou a senadora, ao relatar a morte de um jovem negro, de 16 anos, nessa segunda-feira (2), após negligência em atendimento médico na cidade de Vila Velha (ES).

Autoclassificação

Pelo projeto, os empregadores do setor público e privado deverão incluir, nos registros administrativos assinados pelos seus empregados, um campo para que possam se classificar segundo o segmento étnico e racial a que pertencem, com utilização do critério da autoclassificação e em grupos previamente delimitados.

O trabalhador definirá a raça a que se acha pertencente nos seguintes formulários: admissão e demissão no emprego; acidente de trabalho; inscrição de segurados e dependentes no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS); pesquisas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE); registro feito no Sistema Nacional de Emprego (Sine); e na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

Censo

A proposta estabelece que o IBGE fará, a cada cinco anos, uma pesquisa destinada a identificar o percentual de ocupação por parte de segmentos étnicos e raciais no âmbito do setor público, a fim de obter subsídios direcionados à implementação da PNPIR.

A PNPIR foi instituída pelo Estatuto da Igualdade Racial. Seu objetivo é reduzir as desigualdades raciais no Brasil, com ênfase na população negra.

No parecer, Paim considerou que há necessidade de se mapear a situação do trabalhador negro no mercado de trabalho brasileiro, para que, com as informações coletadas, "possam ser elaboradas políticas públicas adequadas para tornar efetiva a democracia racial".

Segundo o relator, os dados exigidos permitem que o poder público mapeie a situação do trabalhador, para que possa implementar, “de forma cirúrgica”, políticas destinadas a tornar realidade a meta de promover a igualdade étnica e o combate às desigualdades sociais resultantes do racismo, inclusive mediante adoção de ações afirmativas.

Combate ao racismo

Paim salientou, ainda, que o Ministério Público do Trabalho (MPT), por meio de sua Coordenadoria Nacional de Promoção da Igualdade de Oportunidades e Eliminação da Discriminação no Trabalho (Coordigualdade), manifestou-se favoravelmente à aprovação do projeto.

— Na manifestação, pontuou-se que o levantamento dos dados de recorte étnico-racial permitirá o combate à discriminação indireta contra a população negra. Por discriminação indireta, entenda-se aquela de decorre da aparente adoção de parâmetros neutros, que, ao cabo, prejudicam a igualdade de oportunidades de determinado grupo — expôs o relator.

No Rio Grande do Sul, relatou Paim, empresas grandes já estão fazendo esse levantamento e dando oportunidade para jovens negros.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Polícia Civil prende homem por descumprimento medida protetiva de urgência
Ivinhema

Polícia Civil prende homem por descumprimento medida protetiva de urgência

18/05/2024 09:45
Polícia Civil prende homem por descumprimento medida protetiva de urgência
Comissão vota criminalização de apologia a tortura e instauração de ditadura
Senado

Comissão vota criminalização de apologia a tortura e instauração de ditadura

18/05/2024 06:45
Comissão vota criminalização de apologia a tortura e instauração de ditadura
Ordem do Dia: Aprovado projeto que autoriza renegociação de dívidas com Agehab
ALEMS

Ordem do Dia: Aprovado projeto que autoriza renegociação de dívidas com Agehab

16/05/2024 18:30
Ordem do Dia: Aprovado projeto que autoriza renegociação de dívidas com Agehab
MP recomenda limites para prefeito contratar artistas para shows
Política

MP recomenda limites para prefeito contratar artistas para shows

16/05/2024 16:30
MP recomenda limites para prefeito contratar artistas para shows
TSE aprova súmula de fraude à cota de gênero em eleições proporcionais
Política

TSE aprova súmula de fraude à cota de gênero em eleições proporcionais

16/05/2024 12:30
TSE aprova súmula de fraude à cota de gênero em eleições proporcionais
Últimas Notícias