Dourados – MS domingo, 20 de junho de 2021
Dourados
19º max
10º min
EDUARDO CUNHA

Aliado de Cunha é pressionado a renunciar à presidência interina

06 Mai 2016 - 11h12
Aliado de Cunha é pressionado a renunciar à presidência interina -
No dia em que a Câmara dos Deputados assistiu à queda de seu presidente, o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) — ejetado do cargo após decisão histórica e unânime do STF (Supremo Tribunal Federal) —, os deputados passaram o dia em especulações e negociações de olho na próxima vítima: o primeiro vice-presidente da Casa, Waldir Maranhão (PP-MA).

O deputado assumiu nesta quinta-feira (5) a presidência interina da Câmara e, como primeiro ato, encerrou a sessão no plenário pela manhã, causando a revolta de parlamentares anti-Cunha, como lideranças do PSOL, PCdoB e PT.

A decisão, no entanto, deu gás para a articulação de bastidores, com parlamentares participando de reuniões fechadas em seus gabinetes e na residência oficial de Cunha ao longo de toda a quinta.

Para a "tropa de choque" de Cunha, formada por integrantes do chamado "centrão" (PTB, PSC, PSD e PSB), e para os partidos da oposição (PSDB, PPS, DEM e SD), Maranhão "não tem condições" de presidir a Casa porque "não resistiria às pressões do cargo".

Por isso, eles pressionam Maranhão a renunciar ao cargo e, assim, forçar uma nova eleição para a primeira vice-presidência da Câmara — e, consequentemente, para a presidência interina da Casa.

Um dos principais locais de negociação ontem foi a residência oficial do presidente da Câmara, que virou ponto de peregrinação de aliados. Passaram pelo local o líder do PP na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PB), e os deputados Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), Beto Mansur (PRB-SP), Rodrigo Maia (DEM-RJ), Wellington Roberto (PR-PB), entre outros. A reunião se estendeu até depois das 22h30.

Aliados de Cunha chegaram a sugerir que o peemedebista renunciasse à presidência, negociando em troca a manutenção de seu mandato. Como o Supremo também o afastou do seu mandato, líderes consideram "muito difícil" ele renunciar. Com isso, o cargo de presidente da Câmara não estará vago, o que torna impossível a realização de nova eleição.

Pela interpretação do regimento interno feita pela Secretaria-Geral da Mesa Diretora, só seria possível eleger um presidente da Casa em caso de morte, renúncia ou perda de mandato, o que não é o caso de Cunha. Com isso, pela interpretação da Mesa, Waldir Maranhão tem o direito de permanecer presidindo interinamente a Câmara enquanto Cunha estiver afastado.

Politicagem

Em seu terceiro mandato consecutivo, o parlamentar é vacinado no jogo político, tanto que manteve uma posição dúbia durante votação de impeachment.

Ele foi alvo de holofotes recentemente após votar contra o prosseguimento do processo de impeachment de Dilma Rousseff na Câmara dos Deputados. Isso porque Waldir mudou de voto em cima da hora e a atitude contrariou a orientação nacional do PP, seu partido. Devido à atitude, o deputado foi destituído da presidência do diretório estadual do partido no Maranhão.

Apear das ameaças, Maranhão fez questão de usar ontem o gabinete oficial da presidência da Câmara. Ao chegar pela manhã, Maranhão seguiu diretamente para a sala da presidência, ocupada por Cunha até a noite de quarta-feira (4). O presidente interino usou a sala para receber outros deputados e chegou, inclusive, a sentar na mesma cadeira que o peemedebista costumava usar.

Ao saber do gesto, o primeiro secretário da Mesa Diretora, deputado Beto Mansur (PRB-SP), foi até o gabinete e orientou Maranhão a deixar o local. Disse que o gesto tinha um efeito simbólico muito forte e sugeriu ao deputado do PP que Cunha não tinha gostado. Antes de chegar à Câmara, Mansur esteve com Cunha.

Após o conselho, Waldir Maranhão decidiu deixar a sala e seguiu para seu gabinete de vice-presidente, onde continuou a receber outros deputados. De lá, só saiu para almoçar com outros parlamentares aliados fora da Câmara.

Embora tenha passado o pito no colega, Mansur descartou a realização de nova eleição.

— [Maranhão] foi eleito vice-presidente, vai assumir a presidência da Câmara e vamos procurar ajudar nesse momento. A Casa precisa andar. Waldir Maranhão é deputado como todos os outros. Estamos discutindo a preservação da instituição.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Casa Civil faz balanço dos 900 dias do governo Bolsonaro
Política

Casa Civil faz balanço dos 900 dias do governo Bolsonaro

há 12 minutos atrás
Casa Civil faz balanço dos 900 dias do governo Bolsonaro
Ações de Direitos humanos passam a ser exigidas em órgãos públicos
Direitos humanos

Ações de Direitos humanos passam a ser exigidas em órgãos públicos

19/06/2021 12:00
Ações de Direitos humanos passam a ser exigidas em órgãos públicos
Deputados solicitam agilidade na tramitação da autorização da autorregulação ferroviária
Política

Deputados solicitam agilidade na tramitação da autorização da autorregulação ferroviária

16/06/2021 13:30
Deputados solicitam agilidade na tramitação da autorização da autorregulação ferroviária
ALEMS homenageia engenheiros agrimensores em sessão solene nesta terça-feira
Política

ALEMS homenageia engenheiros agrimensores em sessão solene nesta terça-feira

14/06/2021 14:30
ALEMS homenageia engenheiros agrimensores em sessão solene nesta terça-feira
Adolescente de 15 anos morre atropelado em Dourados
Polícia

Adolescente de 15 anos morre atropelado em Dourados

14/06/2021 08:30
Adolescente de 15 anos morre atropelado em Dourados
Últimas Notícias