Dourados – MS quinta, 03 de dezembro de 2020
Dourados
29º max
22º min
Imaculada-Desk
Imaculada-Mobile
Policia

Sentença do caso Veron sai até sexta-feira

22 Fev 2011 - 20h34
Foto: Ilustração
 - Foto: Ilustração -
A sentença do crime que vitimou o cacique Marcos Veron ocorrido em 2003 não deve ser conhecida antes de sexta-feira (26). A previsão é do judiciário.

O julgamento começou nesta segunda-feira em São Paulo. Três são acusados de matar o cacique guarani-kaiowá. Após o sorteio e escolhas da defesa e acusação, foi definido um júri composto de seis homens e uma mulher.

Além do assassinato de Veron, os acusados: Estevão Romero, Carlos Roberto dos Santos e Jorge Cristaldo Insabral respondem por tortura, sequestro, formação de quadrilha e seis tentativas de homicídio.

Antes do início do julgamento, em frente ao Fórum Federal Criminal Ministro Jarbas Nobre, membros da tribo de Veron cantaram em um ritual religioso. Segundo a filha do cacique, a professora indígena, Vadelice Veron, foi uma oração para dar proteção e sabedoria aos procuradores responsáveis pela acusação. “O que a gente espera é a Justiça”.

Os consecutivos adiamentos do júri preocupam os índios. Valdelice lembra que o assassinato pode prescrever em 20 anos. “A gente sabe que a nossa história, o nosso sangue derramado nunca vai prescrever”.

Marcado para abril de 2010, a data do júri foi postergada para maio. Na nova data, o julgamento chegou a ser iniciado, mas foi suspenso após o Ministério Público Federal (MPF) abandonar o fórum em protesto.

A defesa pretende desconstruir a ligação do assassinato com a situação dos índios. Logo no início da sessão, os advogados entraram com um recurso pedindo que o julgamento voltasse para a Justiça do estado, por se tratar de um crime comum. Segundo a defesa, Marcos Veron não era índio. “É um cidadão paraguaio, há documentação expressa nesse sentido”, alegou um dos advogados, Alexandre de Sá Domingues.

O pedido da defesa foi indeferido pela juíza. De acordo com a magistrada, esse ponto já foi discutido e definido. O julgamento do crime ocorrido em Juti (MS) foi transferido para São Paulo atendendo a um pedido do MPF. De acordo com o órgão, o dono da fazenda onde ocorreu o crime tem grande poder econômico e poderia influenciar jurados e testemunhas. Além disso, o Ministério Público afirmou que existe em Mato Grosso do Sul um preconceito contra os indígenas.

Segundo o MPF, a morte de Veron foi consequência de uma série de ataques feitos por seguranças da Fazenda Brasília do Sul para expulsar os índios que ocuparam a área. A propriedade é uma das muitas terras indígenas sob reivindicação dos guarani-kaiowá em Mato Grosso do Sul. O estado é apontado pelo Centro Indigenista Missionário como líder em violência contra a população indígena.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Polícia Civil através do SIG recupera bens furtados de residência de idosas
Dourados

Polícia Civil através do SIG recupera bens furtados de residência de idosas

03/12/2020 14:34
Polícia Civil através do SIG recupera bens furtados de residência de idosas
PMR apreende mais de 400 celulares contrabandeados na fronteira
PONTA PORÃ

PMR apreende mais de 400 celulares contrabandeados na fronteira

03/12/2020 09:05
PMR apreende mais de 400 celulares contrabandeados na fronteira
Policial de folga é alvo de disparos de arma de fogo no Canaã III
DOURADOS

Policial de folga é alvo de disparos de arma de fogo no Canaã III

03/12/2020 08:51
Policial de folga é alvo de disparos de arma de fogo no Canaã III
Senad apreende mais de 114kg de cocaína em carga de cimento boliviano
NA FRONTEIRA

Senad apreende mais de 114kg de cocaína em carga de cimento boliviano

03/12/2020 08:14
Senad apreende mais de 114kg de cocaína em carga de cimento boliviano
Desaparecido desde sexta, homem é encontrado morto na pedreira de Dourados
Policia

Desaparecido desde sexta, homem é encontrado morto na pedreira de Dourados

03/12/2020 07:34
Desaparecido desde sexta, homem é encontrado morto na pedreira de Dourados
Últimas Notícias