Dourados – MS segunda, 13 de julho de 2020
Dourados
31º max
19º min
Respeito à Vida/ALMS (Ramal)
Policia

Sentença do caso Veron sai até sexta-feira

22 Fev 2011 - 20h34
Foto: Ilustração
 - Foto: Ilustração -
A sentença do crime que vitimou o cacique Marcos Veron ocorrido em 2003 não deve ser conhecida antes de sexta-feira (26). A previsão é do judiciário.

O julgamento começou nesta segunda-feira em São Paulo. Três são acusados de matar o cacique guarani-kaiowá. Após o sorteio e escolhas da defesa e acusação, foi definido um júri composto de seis homens e uma mulher.

Além do assassinato de Veron, os acusados: Estevão Romero, Carlos Roberto dos Santos e Jorge Cristaldo Insabral respondem por tortura, sequestro, formação de quadrilha e seis tentativas de homicídio.

Antes do início do julgamento, em frente ao Fórum Federal Criminal Ministro Jarbas Nobre, membros da tribo de Veron cantaram em um ritual religioso. Segundo a filha do cacique, a professora indígena, Vadelice Veron, foi uma oração para dar proteção e sabedoria aos procuradores responsáveis pela acusação. “O que a gente espera é a Justiça”.

Os consecutivos adiamentos do júri preocupam os índios. Valdelice lembra que o assassinato pode prescrever em 20 anos. “A gente sabe que a nossa história, o nosso sangue derramado nunca vai prescrever”.

Marcado para abril de 2010, a data do júri foi postergada para maio. Na nova data, o julgamento chegou a ser iniciado, mas foi suspenso após o Ministério Público Federal (MPF) abandonar o fórum em protesto.

A defesa pretende desconstruir a ligação do assassinato com a situação dos índios. Logo no início da sessão, os advogados entraram com um recurso pedindo que o julgamento voltasse para a Justiça do estado, por se tratar de um crime comum. Segundo a defesa, Marcos Veron não era índio. “É um cidadão paraguaio, há documentação expressa nesse sentido”, alegou um dos advogados, Alexandre de Sá Domingues.

O pedido da defesa foi indeferido pela juíza. De acordo com a magistrada, esse ponto já foi discutido e definido. O julgamento do crime ocorrido em Juti (MS) foi transferido para São Paulo atendendo a um pedido do MPF. De acordo com o órgão, o dono da fazenda onde ocorreu o crime tem grande poder econômico e poderia influenciar jurados e testemunhas. Além disso, o Ministério Público afirmou que existe em Mato Grosso do Sul um preconceito contra os indígenas.

Segundo o MPF, a morte de Veron foi consequência de uma série de ataques feitos por seguranças da Fazenda Brasília do Sul para expulsar os índios que ocuparam a área. A propriedade é uma das muitas terras indígenas sob reivindicação dos guarani-kaiowá em Mato Grosso do Sul. O estado é apontado pelo Centro Indigenista Missionário como líder em violência contra a população indígena.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Traficantes tem R$ 16 milhões em drogas apreendidos pela polícia
Tráfico

Traficantes tem R$ 16 milhões em drogas apreendidos pela polícia

13/07/2020 16:38
Traficantes tem R$ 16 milhões em drogas apreendidos pela polícia
Mãe flagra a filha de 10 anos sendo estuprada pelo padrasto
Campo Grande

Mãe flagra a filha de 10 anos sendo estuprada pelo padrasto

13/07/2020 10:59
Mãe flagra a filha de 10 anos sendo estuprada pelo padrasto
Homem que matou ex e suicidou-se; tentou matar outras sete pessoas na noite de domingo
Dourados

Homem que matou ex e suicidou-se; tentou matar outras sete pessoas na noite de domingo

13/07/2020 10:33
Homem que matou ex e suicidou-se; tentou matar outras sete pessoas na noite de domingo
Traficante tenta escapar da polícia, mas acaba sendo flagrado e preso com droga
Polícia

Traficante tenta escapar da polícia, mas acaba sendo flagrado e preso com droga

13/07/2020 09:04
Traficante tenta escapar da polícia, mas acaba sendo flagrado e preso com droga
Homem mata ex, deixa 4 baleados, invade igreja e se mata no altar
Dourados

Homem mata ex, deixa 4 baleados, invade igreja e se mata no altar

12/07/2020 19:46
Homem mata ex, deixa 4 baleados, invade igreja e se mata no altar
Últimas Notícias