Dourados – MS terça, 18 de junho de 2024
21º
Covid-19

Pesquisa aponta que MS perdeu 352 milhões com contrabando de cigarros

13 Abr 2020 - 15h55
Pesquisa aponta que MS perdeu 352 milhões com contrabando de cigarros -

Levantamento do FNCP (Fórum Nacional contra a Pirataria e a Ilegalidade) mostra que 87% dos cigarros que circulam em Mato Grosso do Sul são contrabandeados, crime que movimentou R$ 352 milhões somente em 2019. Conforme a pesquisa, das dez marcas mais vendidas no Estado, quatro são provenientes do contrabando.

 

Entre os municípios mais afetados pelo contrabando no Estado estão Campo Grande, Corumbá, Dourados, São Gabriel do Oeste, Coxim e Três Lagoas.

Para se ter uma ideia, conforma o FNPC, se todos os pontos de participação de mercado ilegal fossem convertidos em produto legal seriam gerados apenas em ICMS a arrecadação total de R$ 187 milhões e de IPI proveniente do FPE (Fundo de Participação do Estado) cerca de R$ 18 milhões para os cofres estaduais para serem revertidos em saúde, segurança e educação, por exemplo.

No Brasil, a perda para o mercado ilegal foi de R$ 291,4 bilhões em 2019. O valor é a soma das perdas registradas por 15 setores industriais (R$ 199,6 bilhões) e a estimativa dos impostos que deixaram de ser arrecadados em função dessa ilegalidade (R$ 91,8 bilhões). Atualmente, 57% dos cigarros consumidos no Brasil são ilegais.

Por Mato Grosso do Sul, o contrabando segue rota de difícil fiscalização, 130 quilômetros de fronteira seca. As operações da Receita e da Polícia Federal se intensificaram nos últimos anos, a exemplo da Oiketikus e Trunk para desmobilizar a Máfia dos Cigarreiros.

Outro exemplo da expressão da ilegalidade é visto no setor de combustíveis, que, de acordo com o levantamento do FNCP, atingiu o montante de R$ 23 bilhões. Segundo pesquisa, esse valor significativo se deu porque o segmento aprimorou os dados e agregam, além das perdas com fraudes, também roubos e desvio de combustível nos dutos.

O levantamento do FNCP é feito desde 2014 e tem como base os dados apontados pelos próprios setores produtivos, que têm métricas próprias (pesquisas, avaliação de mercado). Os 15 segmentos contemplados pelo estudo do FNCP são vestuário; óculos; cigarro; TV por assinatura; higiene pessoal, perfumaria e cosméticos; bebidas alcoólicas; combustíveis; audiovisual; defensivos agrícolas; celulares; perfumes importados; material esportivo; brinquedos; software; e eletroeletrônicos (PCs, Servidores, Networking, Impressoras/Toners/Cartuchos de Tinta e Equipamentos de Segurança). (Campo Grande News)

Deixe seu Comentário

Leia Também

Veículo com quase 300 quilos de maconha é apreendido pelo DOF
Amambai

Veículo com quase 300 quilos de maconha é apreendido pelo DOF

17/06/2024 16:00
Veículo com quase 300 quilos de maconha é apreendido pelo DOF
Homem que seguia para Caarapó com cloridrato de cocaína é preso pelo DOF
Amambai

Homem que seguia para Caarapó com cloridrato de cocaína é preso pelo DOF

17/06/2024 15:15
Homem que seguia para Caarapó com cloridrato de cocaína é preso pelo DOF
DOF apreende veículo com mais de uma tonelada de maconha
Iguatemi

DOF apreende veículo com mais de uma tonelada de maconha

17/06/2024 14:45
DOF apreende veículo com mais de uma tonelada de maconha
Casal é detido por maus-tratos ao filho de 3 meses
Policia

Casal é detido por maus-tratos ao filho de 3 meses

17/06/2024 14:15
Casal é detido por maus-tratos ao filho de 3 meses
Polícia Civil apreende mais de R$ 500 mil em anabolizante e produtos contrabandeados
Mundo Novo

Polícia Civil apreende mais de R$ 500 mil em anabolizante e produtos contrabandeados

17/06/2024 14:00
Polícia Civil apreende mais de R$ 500 mil em anabolizante e produtos contrabandeados
Últimas Notícias