Dourados – MS quarta, 23 de junho de 2021
Dourados
28º max
16º min
Mãos - ALMS - Ramal
VIOLÊNCIA

MS é 2º colocado em denúncias de violência contra mulheres

24 Mar 2016 - 08h54
Audiência foi proposta pela Bancada do PT.
Foto: Divulgação - Crédito: Assembleia LegislativaAudiência foi proposta pela Bancada do PT. Foto: Divulgação - Crédito: Assembleia Legislativa
Mato Grosso do Sul é o segundo colocado no número de denúncias de violências contra mulheres no país, sendo Campo Grande em primeiro lugar entre as capitais com mais denúncias. Os dados foram apresentados durante a tarde desta quarta-feira (23/3) em audiência pública realizada na Assembleia Legislativa, por proposição dos deputados da Bancada do PT – Amarildo Cruz, Pedro Kemp, João Grandão e Cabo Almi.

"Este é um alerta da Secretaria que a violência existe e permanece, mas não quer dizer que aumentou, mas sim que as mulheres têm mais informação, mais políticas públicas para sua proteção e assim estão denunciando mais. O fim da violência só vai acontecer quando extinguir o machismo patriarcado, em que o homem entenda que mulher não é sua propriedade", explicou a secretária nacional de Enfrentamento à Violência Contra a Mulher, do Ministério de Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos, Aparecida Gonçalves.

Segundo a secretária o aumento de denúncias pode ser vinculado à atuação da Casa da Mulher Brasileira, primeira do país e que foi inaugura em Campo Grande há um ano, onde são oferecidos serviços especializados à mulher vítima da violência com delegacia especializada, apoio psicossocial e de saúde, juizados, defensoria e espaço de acolhimento. "Nos últimos dez anos houve um aumento de 40% das denúncias. Os serviços especializados à mulher aumentaram de 300 para 1.600. A sociedade não pode se calar. Ela tem que ajudar no enfrentamento da violência, pois são crescentes os casos de cárcere privados e de mulheres que apanham por mais de dez anos", destacou Aparecida Gonçalves.

Dados da Violência

A Lei do Feminicídio 13.104/2015 foi sancionada pela presidenta Dilma Rousseff (PT), que classifica o homicídio de mulheres como crime hediondo (com penas maiores). Ainda há a Lei Maria da Penha (11.340/2006) que criou mecanismos de coibição da violência doméstica. Segundo o Mapa da Violência de 2015, dados levantados pelo Ministério da Saúde entre 1980 e 2013, o país contabilizou 106.093 assassinatos de mulheres, o que o deixa em 5º lugar entre 83 países pesquisados. O mapa ainda mostra que os assassinatos atingem 66,7% mais meninas e mulheres negras do que brancas.

"Ser mulher já é difícil. Ser mulher negra e digo mais, mulher índia, é ainda mais difícil. Temos que acabar com esse sofrimento", ressaltou o deputado João Grandão. O deputado Cabo Almi relembrou de quando atuou de 1983 a 1996 como policial militar e presenciou vários casos de violência. "Vi na prática o desespero de filhas violentadas, mães humilhadas e hoje, em uma forma humilde, trago junto com a bancada a audiência como forma de ampliar a luta contra o homem covarde e cruel", destacou.

Pedro Kemp relembrou da última redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que teve como tema a violência da mulher. "Precisamos desfazer essa cultura machista. O Enem mostrou que a questão é cultural. Pessoas pleiteando um ensino superior reclamando do tema achando que era partidário e não um tema sobre a dignidade e direitos a serem respeitados. Precisamos enfrentar esse tipo de comportamento" relembrou.

Ao final, o deputado líder da bancada do PT, Amarildo Cruz, avaliou que a audiência foi produtiva. "Conhecemos todos os dados e políticas que envolvem o tema da violência contra a mulher e agora vamos poder cobrar de forma mais enfática a atuação do Estado e de Municípios. Para isso vamos estudara possibilidade de criação de uma Comissão Permanente de Políticas Públicas para as Mulheres", finalizou.

Denuncie

Além da Casa da Mulher Brasileira, em Campo Grande (R. Brasília, 1 - Jardim Imá), quem quiser denunciar casos de violência pode ligar para o disque denúncia 180, ligação gratuita e confidencial (preserva o anonimato), oferecido pela Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República, desde 2005, que funciona 24 horas, todos os dias da semana, inclusive finais de semana e feriados e pode ser acionada de qualquer lugar do Brasil e de mais 16 países (Argentina, Bélgica, Espanha, EUA (São Francisco), França, Guiana Francesa, Holanda, Inglaterra, Itália, Luxemburgo, Noruega, Paraguai, Portugal, Suíça, Uruguai e Venezuela).

Deixe seu Comentário

Leia Também

'Mãe de santo' e mais dois homens foram cumplices de detetive em assassinato
Dourados

'Mãe de santo' e mais dois homens foram cumplices de detetive em assassinato

há 8 minutos atrás
'Mãe de santo' e mais dois homens foram cumplices de detetive em assassinato
Polícia prende marido de mulher encontrada morta em matagal em Dourados
Polícia

Polícia prende marido de mulher encontrada morta em matagal em Dourados

há 54 minutos atrás
Polícia prende marido de mulher encontrada morta em matagal em Dourados
Polícia

Dona de 'boca de fumo' no Canaã I é detida

22/06/2021 11:30
Dona de 'boca de fumo' no Canaã I é detida
Dourados

Dona de 'boca de fumo' no Canaã I é detida

há 23 horas atrás
Dona de 'boca de fumo' no Canaã I é detida
DOF apreende caminhão com 3 toneladas de maconha na MS-289
Polícia

DOF apreende caminhão com 3 toneladas de maconha na MS-289

22/06/2021 09:30
DOF apreende caminhão com 3 toneladas de maconha na MS-289
Últimas Notícias