Dourados – MS terça, 02 de março de 2021
Dourados
34º max
23º min
Influx
Mistério

Morte de policiais segue sem solução há 10 anos

01 Abr 2016 - 10h00
Advogado Maurício com o policial Gadani - Crédito: Foto: Hedio FazanAdvogado Maurício com o policial Gadani - Crédito: Foto: Hedio Fazan
Hoje completa dez anos de morte dos policiais civis Rodrigo Lorenzato e Ronilson Bartie, vítimas de uma emboscada ocorrida em 1º de abril de 2006, na região de Porto Cambira, em Dourados. Os réus, seis indígenas, estão soltos e não há prazo de julgamento. Três deles chegaram a cometer outros crimes, posteriormente, foram presos e liberados. As famílias dos policiais sofrem até hoje, principal-mente o policial Emerson Gadani, único sobrevivente do caso.


"Minha vida foi destruída, até hoje faço tratamento psiquiátrico e psicológico, vivo a base de medicamentos. Minha carreira policial foi interrompida e até hoje, nem eu e nem a família do Rodrigo e do Ronilson receberam algum tipo de apoio, de indenização. Enquanto isso os réus continuam soltos, revelando o quanto a impunidade é grande", desabafa Gadani.


Relembrar toda a história, a cena do crime, não é uma tarefa fácil para ele, esfaqueado no abdome e mantido refém por horas nas mãos dos indígenas, enquanto via um dos colegas sangrar até a morte e o outro já sem vida. "A tortura que eu e meus colegas passamos revela tamanha crueldade, ainda assim a justiça é lenta e não toma posição", critica. Os policiais civis mortos foram atingidos com tiros e arma branca.


Claudir Lorenzatto, pai do policial Rodrigo, morto aos 26 anos na época, lembra dos planos do filho, que cursava último ano de Direito. "Era casado, a filha tinha dois anos e até hoje não recebemos assistência. Minha esposa (mãe de Rodrigo) até hoje sofre, toma medicamentos. Nossa família foi destruída e o pior de tudo isso é presenciar a impunidade, de saber que os réus estão soltos", lamenta o pai.


O advogado criminalista Maurício Rasslan faz assistência de acusação dos réus e luta para que o julgamento aconteça em Dourados. O processo está no Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3), órgão situado na capital paulista e de 2º grau da Justiça Federal dos estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul. "É inadmissível que esse caso seja julgado por magistrados que não conhecem a realidade douradense", diz Maurício.


O caso foi parar no TRF3 após pedido de desaforamento de um antropólogo do Ministério Público da União (MPU), sendo respaldado pelo Ministério Público Federal (MPF) ao alegarem que a população sul-mato-grossense é preconceituosa sobre causa indígena, portanto, o julgamento deve acontecer fora do estado. "Preconceituoso são os órgãos. Sabemos, e é claro, que ocorreu crime, dessa forma os réus devem ser julgados em Dourados, por juiz que conhece a realidade local", acrescenta Maurício Rasslam.


Em janeiro ele esteve em São Paulo onde fez a defesa para que o caso retorne para a comarca douradense. O processo foi discutido pelo Tribunal Pleno da Corte, porém os desembargadores chegaram a conclusão que deveria retornar para uma das 11 turmas que repre-sentam o TRF3. Cada uma delas é composta por três desembargadores. Após a decisão em janeiro, de que uma das turmas deverá julgar o mérito, não se teve mais informações, de quando sairá uma resposta, se o caso voltará ou não para Dourados.


Crimes


No dia do crime, os três policiais civis, à paisana, investigavam um homicídio envolvendo um pastor. Havia informação que o acusado estaria escondido numa chácara, no Porto Cambira. Nesta região indígenas haviam recém ocupado uma fazenda. Os policiais, em serviço, seguiam num veículo descaracterizado pela MS-156 quando avistaram uma mulher deitada ao chão da rodovia. Quando o veículo foi parado, conforme lembra o policial sobrevivente Gadani, vários indígenas aparecerem e iniciou-se um ataque.


O policial Rodrigo morreu a golpes de faca e o policial Ronilson após levar um tiro de espingarda na perna, sangrando até a morte. Gadani levou facada no abdome e foi torturado até ser resgatado depois que um produtor rural que passava pelo local viu a ação e acionou a polícia.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PM fez 241 abordagens durante o fim de semana em Dourados
POLICIAMENTO

PM fez 241 abordagens durante o fim de semana em Dourados

01/03/2021 14:21
PM fez 241 abordagens durante o fim de semana em Dourados
Criminosos armados tentam roubar policial militar de folga em Três Lagoas e um deles acaba morto
Polícia

Criminosos armados tentam roubar policial militar de folga em Três Lagoas e um deles acaba morto

01/03/2021 13:32
Criminosos armados tentam roubar policial militar de folga em Três Lagoas e um deles acaba morto
PMA de Mundo Novo recolhe filhote de anta com ferimentos provocados por ataque de cachorros
Polícia

PMA de Mundo Novo recolhe filhote de anta com ferimentos provocados por ataque de cachorros

01/03/2021 10:12
PMA de Mundo Novo recolhe filhote de anta com ferimentos provocados por ataque de cachorros
Morador de Dourados fica em estado grave após carro pegar fogo na MS-156
Acidente

Morador de Dourados fica em estado grave após carro pegar fogo na MS-156

01/03/2021 07:56
Morador de Dourados fica em estado grave após carro pegar fogo na MS-156
Cresce índice de clonagem de WhatsApp em Dourados
GOLPE DO CELULAR

Cresce índice de clonagem de WhatsApp em Dourados

26/02/2021 17:29
Cresce índice de clonagem de WhatsApp em Dourados
Últimas Notícias