Dourados – MS quinta, 04 de março de 2021
Dourados
33º max
22º min
Influx
Avaliação

Junta médica decidirá se PM que matou marido pode voltar ao trabalho

20 Jul 2016 - 09h52
Foto: Reprodução - Foto: Reprodução -
Uma junta médica da PMMS (Polícia Militar de Mato Grosso do Sul) avaliará se a tenente-coronel Itamara Romeiro Nogueira, 40, tem condições de voltar ao trabalho. A servidora, que trabalhava como ajudante de ordem do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), e matou a tiros o marido, o major Valdeni Lopes Nogueira, 47, na semana passada.

De acordo com a assessoria de imprensa da PM, a militar pode ou não pedir afastamento das funções, mas diante dos fatos, é obrigatório que ela passe por análise de médicos e psicólogos antes de reassumir o posto.

Segundo o site Campo Grande News, a defesa dela deve pedir a licença temporária da servidora para tratamento psicológico. "Ela está se mostrando com um poder de recuperação até razoável, embora a gente tenha recomendado um tratamento psicológico, o acompanhamento de profissionais, até porque como todos sabem, após o evento houve ela teve a ideia dela tirar a própria vida", afirmou o advogado da PM, José Roberto da Rosa.

Expulsão

Uma expulsão ou aposentadoria da servidora só será decida após a condenação dela na Justiça comum. Uma investigação sobre a conduta de Itamara já foi aberta pela corporação e ela já foi ouvida pela Corregedoria da PM uma vez.

Ainda conforme a assessoria de comunicação, em tese, policiais militares condenados criminalmente a mais de dois anos de prisão têm de ser exonerados. Mas, existem atenuantes e tudo depende análise jurídica.


Caso

Na tarde de terça-feira (12), o casal estava discutindo e por volta das 16h30 a mulher teria efetuado ao menos dois disparos contra o marido. Com a chegada da PM, Itamara teria se trancado na residência e se negado a entregar a arma, mas confessou o crime.

O advogado da tenente-coronel vem afirmando que Itamara foi vítima de violência doméstica, que já ocorria há tempos, e desta vez, agredida com socos e tapas, teria sido ameaçada de morte pelo marido e agiu em legítima defesa.

Mas, o irmão da vítima, Valdeci Alves Nogueira, 49, contesta. Ele afirma que por ser profissional da área de segurança, Itamara conhecia a arma e a munição que utilizou para matar Valdeni. "Ela sabia que não precisava de muitos tiros e que com um tiro naquela região do corpo ele iria morrer", acredita.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Projeto prevê renda básica durante calamidade pública ou emergência
Política

Projeto prevê renda básica durante calamidade pública ou emergência

04/03/2021 12:30
Projeto prevê renda básica durante calamidade pública ou emergência
Polícia Civil prende três indivíduos por receptação em Rio Brilhante
Polícia

Polícia Civil prende três indivíduos por receptação em Rio Brilhante

04/03/2021 10:12
Polícia Civil prende três indivíduos por receptação em Rio Brilhante
PMA de Mundo Novo resgata lobinho ferido à margem da rodovia BR 163 depois de atropelamento
Polícia

PMA de Mundo Novo resgata lobinho ferido à margem da rodovia BR 163 depois de atropelamento

04/03/2021 09:56
PMA de Mundo Novo resgata lobinho ferido à margem da rodovia BR 163 depois de atropelamento
Proposta isenta de taxas o veículo recuperado pela polícia após furto
Política

Proposta isenta de taxas o veículo recuperado pela polícia após furto

03/03/2021 16:00
Proposta isenta de taxas o veículo recuperado pela polícia após furto
Comissão de Orçamento aprova relatório com previsão de R$ 1,595 tri
Política

Comissão de Orçamento aprova relatório com previsão de R$ 1,595 tri

03/03/2021 15:30
Comissão de Orçamento aprova relatório com previsão de R$ 1,595 tri
Últimas Notícias