Dourados – MS terça, 20 de outubro de 2020
Dourados
32º max
20º min
Influx
Dia-a-Dia

Unigran debate questões de gênero na Educação

19 Mar 2011 - 09h24
Professora Terezinha Bazé Lima realizou a abertura do evento - Professora Terezinha Bazé Lima realizou a abertura do evento -
DOURADOS - O Círculo de Palestras da Organização Mundial para Educação Pré-Escolar (Omep), aberto quinta-feira, discutiu “Gênero, Sexualidade e Infância: descobrindo e redescobrindo significados”. A palestra foi ministrada pela professora Miria Izabel Campos e mediada pela professora Giana Amaral Lamin. A partir desse evento, cada mês haverá uma nova discussão ofertada a profissionais, acadêmicos e à sociedade.

Sobre a importância do Círculo de Palestras, a pró-reitora de Ensino e Extensão da Unigran e presidente da Omep Dourados, Terezinha Bazé, apontou que é a de “contribuir com a formação dos professores e, com isso, melhorar o atendimento das crianças nos espaços da educação infantil”.

No início do evento, a mediadora falou da relevância do tema. “Aspectos culturais vem determinando, sutilmente ou de forma explícita, as questões de gênero”. Segundo ela, é preciso atuar “identificando, questionando e sabendo como agir quando observamos situações que influenciam ou mesmo que determinam comportamentos estereotipados em relação ao que é ser menino ou menina”, diz Giana.

Michelle Cristine Vieira, 34 anos, é professora de educação infantil da rede privada de ensino de Dourados e diz que a temática e a interferência dela em sua prática a motivaram a vir assistir à palestra. “O tema, adorei, é atual. Algumas coisas na sala a gente percebe, então ajuda no processo, porque essa é uma questão relacionada à cultura e as famílias estão mudando”, aponta a professora, mencionando a importância de obter informações sobre a temática.

#####PESQUISA

O tema que a professora Miria Izabel Campos abordou na palestra é referente à sua dissertação de mestrado. “Estudei as memórias de professoras da educação infantil de Dourados quanto ao gênero e sexualidade. O que a gente constatou foi que aquelas percepções que elas tiveram na infância ainda permanecem no trabalho delas, no dia a dia delas”, aponta a pesquisado-ra, que complementa: “porque isso acontece? Porque passaram pela pedagogia e não tiveram oportunidade, passaram pelo espaço de formação continuada e não tiveram oportunidade de discutir, o que está faltando é exatamente esse trabalho, de trazer esse assunto para que realmente venha a ser discutido”.

Miria apontou ainda que se sentiu realizada com o espaço que a Omep e a Unigran lhe proporcionaram. “Momentos como esses são importantíssimos, imprescindíveis para a educação que se pretende transformadora, democrática, igualitária; a educação prescinde desses momentos”, finalizou. (CJ)

Deixe seu Comentário