Dourados – MS quarta, 12 de agosto de 2020
Dourados
29º max
18º min
Segurança e Saúde JBS
TOCHA OLÍMPICA

Rapper afirma que representa periferia no revezamento da Tocha

14 Jun 2016 - 16h35
Além de atuar como rapper Higor é professor, mestre em geografia pela UFGD – Divulgação
 - Além de atuar como rapper Higor é professor, mestre em geografia pela UFGD – Divulgação -
O rap é um elemento do hip hop, que vai muito além de um gênero musical, devido a sua característica política-cultural. Ele pode também ser considerado um movimento social, a voz das periferias. É isso para o rapper Higor Marcelo Lobo Vieira, de 36 anos, que será um dos condutores da Tocha Olímpica na passagem por Dourados, escolhida como "Cidade Celebração", a única do interior de Mato Grosso do Sul.

"Como cidadão, como ativista, que sempre acreditou no potencial de outras pessoas, esse momento é muito importante. Não carrego essa tocha sozinho, carrego com meus irmãos lá da aldeia, do Cachoeirinha, do Flórida, do Grande Água Boa, Parque I e II, Canaãs, do hip hop, do movimento negro, dos moradores de áreas de fundo de vale, que sempre lutaram pela justiça, pela igualdade, agora toda nossa história vai caminhando junto", afirma.

Desde a adolescência ele tem contato com vários ritmos brasileiros, mas chamou a atenção o rap pela identidade. Com 17 anos começou a compor e após alguns desdobramentos dessa história, chegou então a criar em 1998 o "Fase Terminal", juntamente com outros rappers, como o "Neguinho do Rap" e o "Langão". Segundo ele, o que abriu a trajetória do estilo na cidade.

A partir do primeiro CD surgiu uma série de trabalhos sociais, como palestras em escolas, para ministrar aulas sobre os pilares do hip hop (rap, break dance, DJ – MC, grafite e conhecimento), principalmente, sobre a "consciência". Amparado neste serviço, em 2006 iniciou uma ampliação dos discursos com a atuação na CUFA (Central Única das Favelas).

Foram realizados vários festivais, campeonatos de basquete de rua, break, em diversos bairros, mas ele lembra de um momento especial. "Direta ou indiretamente alcançamos vários jovens. Um interno da UNEI veio me cumprimentar outro dia, estava trabalhando no comércio, comprou uma moto dá hora, por isso eu digo que as oficinas foram fundamentais", declara.

Tanto é que em 2008, na Reserva, surge o primeiro grupo de rap indígena do Brasil, o Brô MCs. Eles se apresentaram, inclusive, na inauguração da Vila Olímpica na Jaguapirú, a única praça desportiva do estilo no país. Higor explica que são jovens que, como eles cantam, "resolveram mostrar a cara" e retratar o próprio cotidiano. "Uma ferramenta transformadora, respeitando a cultura deles, os saberes, fortalecendo a língua guarani, a identidade local e do município a nível nacional", reflete.

Hoje Higor é professor, mestre em geografia pela UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados), onde enxerga que pode ir dialogando com o rap, a academia, a rua, possibilitando várias conexões." Tudo feito na raça, acreditando que é possível melhorar, tirando jovem do crime, da prostituição, mudando a trajetória de vida deles. Agradeço a Deus que mudou a minha vida, que me resgatou em caminho de morte e tem me colocado em vários locais para levar sua palavra. Somos carne, sangue, e além disso, um espírito preparado por Deus para alçar voos maiores", finaliza.

A Tocha estará no município no dia 26, com atrações na praça Antônio João a partir das 16h. Para o prefeito Murilo, a "cidade de todos os povos" está preparada para receber o evento.

Deixe seu Comentário