Dourados – MS domingo, 25 de outubro de 2020
Dourados
32º max
21º min
Influx
Dia-a-Dia

Produção de hortifruti pode cair 80% em Dourados

10 Jul 2011 - 22h01
Alface é uma das culturas mais afetadas pelo frio severo; preço já aumentou
Foto: Hedio Fazan
 - Alface é uma das culturas mais afetadas pelo frio severo; preço já aumentou Foto: Hedio Fazan -
Ana Paula Amaral


DOURADOS – O frio severo e as duas geadas consecutivas que ocorreram em Dourados há duas semanas afetaram diretamente a produção de hortifruti. Nas hortas, produtores já contabilizam os efeitos do clima, que dizimou a produção de algumas culturas, como vagem, pepino e abóbora. No geral, as geadas afetaram todas as culturas, com uma perda média de até 80%, segundo os horticultores. Como consequência da queda na produção, muitos produtos já tiveram reajuste nos preços – como folhas, tomate e pepino.

Segundo estimativas da Central de Abastecimento de Mato Grosso do Sul (Ceasa/MS), os produtos oriundos do campo poderão ficar até 70% mais caros no Estado, caso o clima continue com baixas temperaturas. Segundo a Central, os pro-dutos com maior previsão de alta são o chuchu e tomate, cujos pés dificilmente conseguem sobreviver às geadas.

A feirante Paulina Toshiko Oshiro diz que perdeu toda a produção de vagem, pepino e abobrinha. “Queimou tudo”, diz ela. Segundo Paulina, que trabalha na produção de hortifruti há 42 anos, a geada afeta de forma mais severa as cultu-ras mais sensíveis, como o alface. “Por outro lado, a recuperação das folhas acontece de forma muito rápido, então é pos-sível segurar os preços e recuperar a produção”, explica. A produtora diz que subiu apenas o preço da vagem, pepino e abobrinha, onde o impacto das geadas foi maior. “Os clientes reclamam, claro, mas acabam levando”, afirma.

O produtor Darci Pinto, que trabalha com hortifruti há 18 anos, diz que teve perda de pelo menos 80% na produção de alface, tomate e pepino. “Temos duas hortas e no sítio o impacto foi ainda maior”, garante. Segundo ele, a produção de giló, pepino e tomate teve quebra de 30%. Para as folhas, já houve reajuste. “Aumentei os preços em R$ 0,15, inicial-mente”, disse ele.
De acordo com os produtores, além de preço alto, os consumidores também devem se deparar com outro problema: a queda na qualidade dos produtos por causa das geadas. “O pepino, por exemplo, vai apodrecendo por dentro. O que não se perde, fica muito feio e dificulta as vendas”, explica Darci Pinto.


Deixe seu Comentário