Dourados – MS sábado, 06 de março de 2021
Dourados
32º max
21º min
Influx
Editorial

Princesinha dos Ervais

18 Jul 2016 - 06h00
Princesinha dos Ervais -
Conhecida como Princesinha dos Ervais, em virtude da sua impotância comercial no auge da exploração da erva-mate e da exportação da folha de chá para todo o mundo, a cidade de Ponta Porã completa hoje 104 anos de fundação. Foi no dia 18 de julho de 1912 que Ponta Porã, então distrito de Bela Vista, foi elevada à condição de município, coroando uma história que começou a ser inscrita em 1872, após o fim da Guerra da Tríplice Aliança, quando a região foi demarcada com fronteira entre Brasil e Paraguai. Bem antes disso, nos idos de 1777, uma expedição militar brasileira chegou à região que era habitada apenas por índios Nhandevas e Kaiwás, com o desafio de mapear a área e em 1862 um batalhão comandado pelo tenente Antônio João Ribeiro se fixou na cabeceira do rio Dourados, local onde hoje está o município de Antônio João, e fundou a Colônia Militar dos Dourados, conferindo a futura Ponta Porã a importância estratégica na garantia da soberania nacional e no desenvolvimento de toda essa região do antigo Estado de Mato Grosso.


A história tratou de garantir um capítulo à parte com o início da Guerra da Tríplice Aliança, em 1864, quando Brasil, Argentina e Uruguai uniram forças para lutar contra os homens comandados pelo general paraguaio Solano Lopes, o Exército do Paraguai avançou sobre a Colônia Militar dos Dourados, onde veio a falecer o tenente Antônio João Ribeiro, fator que fez com que o governo imperial do Brasil enviasse mais militares para a região e, com isso, a então localidade de Punta Porá ganhou centenas de novos habitantes. A cidade que hoje completa 104 anos de emancipação político-administrativa, que tem uma população de pouco mais de 85 mil habitantes e 58.263 eleitores, tem uma das histórias mais ricas do Brasil, tanto que em 1892 recebeu a Guarnição da Colônia Militar de Dourados para proteger a fronteira e passou a receber agricultores gaúchos que migraram para a região incentivados pelo programa de colonização. Em 1900 Ponta Porã foi elevada à condição de Distrito de Bela Vista e 12 anos depois virou município, tendo como 1º prefeito Ponciano de Matos Pereira.


Três anos depois, em 1915, o então governador de Mato Grosso, Caetano de Albuquerque, elevou Ponta Porã para a categoria de Comarca e um ano depois tomou posse o primeiro Juiz de Direito, Possidônio de Souza Guimarães e o primeiro Promotor de Justiça, Henrique Carlos Guatemozim. A cidade já pulsava quando em 1919 foi criado o 11º Regimento de Cavalaria, que teve como primeiro comandante o capitão Hipólito Paes Campos. O ápice ocorreu em 1943, quando o então presidente da República, Getúlio Vargas, elevou Ponta Porã à categoria de Território Federal, situação que persistiu até 1946. História à parte, o fato é que há muito o que se comemorar neste centenário de Ponta Porã. A cidade, formada por uma população com vocação para o trabalho e dotada de um patriotismo incomum, evoluiu junto com sua gente e hoje ocupa o lugar de um dos municípios mais importantes de Mato Grosso do Sul. Com uma economia forte, sustentada na agricultura, sobretudo na cultura da soja, do milho e do trigo, bem como da pecuária de corte, a centenária Ponta Porã tem no turismo de compras um dos mais importantes braços da sua economia.


O comércio local também é merecedor de todos os elogios já que atende as necessidades tanto dos moradores de Ponta Porã e cidades vizinhas, quanto dos habitantes de Pedro Juan Caballero que buscam no lado brasileiro tudo que não pode ser encontrado em solo paraguaio. A prestação de serviços é outro ponto forte da centenária Ponta Porã, cidade que atrai cada vez mais profissionais nas áreas da medicina, engenharia, advocacia e na educação, tanto que o município proporciona à sua população, além dos campi da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (Uems) e da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), instituições de ensino superior como as Faculdades Magsul, Faculdade de Ponta Porã e Faculdade Anhanguera. Ponta Porã tem ainda uma estreita ligação com este matutino, já que o jornal O PROGRESSO nasceu primeiro na fronteira por meio do advogado José dos Passos Rangel Torres, que, mais tarde, por força do cargo de Promotor de Justiça, teve que interromper a circulação. Anos depois, o filho de Rangel Torres, o também advogado Weimar Gonçalves Torres, chega a Dourados onde, em 21 de abril de 1951, decide refundar O PROGRESSO, título que continua até hoje em poder da família. Por tudo que foi dito e pela história que guarda, tanto Ponta Porã quanto sua gente merecem todas as felicitações no dia do centenário.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Antivacina, um crime
Editorial

Antivacina, um crime

06/02/2021 07:02
Antivacina, um crime
Últimas Notícias