Dourados – MS quarta, 23 de junho de 2021
Dourados
28º max
16º min
Editorial

Políticas para Mulheres

15 Jun 2016 - 06h00
Políticas para Mulheres -
Setores da sociedade organizada e, sobretudo, movimentos ligados às causas feministas, se rebelaram quando constataram que o presidente Michel Temer não havia nomeado nenhuma mulher para cargos do primeiro escalão do governo federal, mas esses mesmos setores não alertaram que o governo da presidente afastada Dilma Rousseff, que era composto por um número considerável de mulheres no primeiro escalão, praticamente ignorava as políticas públicas voltadas para o público feminino. Levantamento realizado pelo portal Contas Abertas revela, por exemplo, que os recursos reservados à política de apoio às vítimas de violência sexual diminuíram a cada ano no governo do PT, a ponto de o Orçamento Geral da União de 2016 reservar apenas R$ 131,1 milhões para essa área, volume que significa quase a metade do valor reservado no ano passado, que ficou em R$ 239,3 milhões. Os recursos são destinados principalmente ao combate de crimes de estupro e políticas de proteção e apoio para as mulheres vítimas de violência, mas a dotação cada vez menor tem feito com que um reduzido número de pessoas tenham acesso aos programas


O detalhe é que dos R$ 131,1 milhões reservado neste ano, apenas R$ 44 milhões foram desembolsado para esses programas, prejudicando, inclusive, a construção de Casas da Mulher Brasileira e Centros de Atendimento as Mulheres nas Fronteiras, que neste ano receberam apenas R$ 7 milhões para os programas que deveriam integrar os serviços especializados para as mulheres em situação de violência. Uma prova da pouca atenção para as mulheres é que a central de atendimento da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres (SPM), ligada ao Ministério da Justiça, que funciona como um disque-denúncia para registrar os casos de violação aos direitos do público feminino, recebeu até agora apenas R$ 9,2 milhões, mesmo tendo registrado 749.024 atendimentos em 2015, numa média de 2.052 registros por dia. Detalhe: do total de 3.478 relatos de violência sexual registrados pela Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres no ano passado, exatos 2.731 foram casos estupros, o que representa 78,52% do total, enquanto outros 530 casos foram de exploração sexual e 217 de 217 de assédio sexual no trabalho.


O governo federal deveria investir mais na atenção às mulheres vítimas de estupro, mesmo porque as sequelas desse crime são terríveis e vão desde lesões nos órgãos genitais, até contusões e fraturas que podem levar a morte da vítima, além da gravidez indesejada e doenças sexualmente transmissíveis (DST). Os danos maiores são psicológicos e resulta problemas muito sérios com diversos transtornos, incluindo depressão, fobias, ansiedade, uso de drogas ilícitas, tentativas de suicídio e síndrome de estresse pós-traumático. Outro número reforça a necessidade de o governo federal investir mais nas políticas públicas voltadas tanto para a prevenção quanto para a atenção às mulheres vítimas de estupro: todo ano mais de 50.617 mulheres são violentadas sexualmente no Brasil e 15% desses casos são de estupros coletivos, onde o consumo de álcool e outras drogas está relacionado com até 40% dos casos. Outro detalhe: o Brasil tem uma taxa de 4,8 homicídios por cada 100 mil mulheres, a quinta maior do mundo, conforme dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) que avaliou um grupo de 83 países.


Uma das críticas dos especialistas é que houve um atraso em se adotar no país uma lei mais severa contra os agressores, vez que somente em 2009 o estupro deixou de ser crime contra os costumes e passou a ser crime contra a liberdade e dignidade sexual. No ano passado, o Congresso Nacional aprovou o Projeto de Lei que classifica o feminicídio como crime hediondo e o transforma em homicídio qualificado, alterando o Código Penal Brasileiro para incluir a modalidade de crime de assassinato de mulher por razões de gênero entre os tipos de homicídio com qualificadoras. Desde então, todo homem que tira a vida da mulher no âmbito doméstico e familiar, ou por razões de menosprezo e discriminação é submetido a pena de reclusão de 12 a 30 anos, punição muito mais dura que a pena de 6 a 20 anos prevista antes da mudança na lei. Ainda assim, os casos de homicídios de mulheres por questões de gênero não param de crescer em todo o Brasil, comprovando que o problema não está na lei, mas, sim, na falta de políticas públicas capazes de prevenir esse tipo de crime.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Presidente do Senado cobra ajuda para salvar empresas
Comitê da Pandemia

Presidente do Senado cobra ajuda para salvar empresas

15/04/2021 14:30
Presidente do Senado cobra ajuda para salvar empresas
Últimas Notícias