Dourados – MS segunda, 19 de abril de 2021
Dourados
32º max
18º min
Influx - Campanha 2021
Editorial

Mosquito Ameaçador

17 Dez 2015 - 10h59
Mosquito Ameaçador -
O Aedes aegypti está apavorando o Brasil diante da omissão das autoridades governamentais e da irresponsabilidade de parcela importante da população que não adota o hábito de combater cotidianamente o mosquito transmissor de doenças como a dengue, zika vírus, febre chikungunya e agora, também, a Síndrome de Guillain-Barré, que pode provocar paralisia e até a morte. Tão grave quanto a ameaça que o mosquito representa é o reconhecimento pelo próprio ministro da Saúde, Marcelo Castro, que houve contemporização no combate ao mosquito Aedes aegypti, ou seja, o governo reconhece que falhou na missão de garantir a saúde da população através do combate ao mosquito transmissor dessas graves doenças. Uma frase dita ontem pelo ministro da Saúde é emblemática: temos 30 anos com a presença do Aedes aegypti no Brasil e se o mosquito está vencendo essa batalha é porque não fizemos as ações que seriam necessárias para destruí-lo. Ainda que essa afirmativa possa causar espanto por ter partido do comandante do Ministério da Saúde, é preciso reconhecer que o ministro está coberto de razão e que essa responsabilidade deve ser partilhada por todos.


O fato é que a omissão de agentes governamentais aliada com a irresponsabilidade de parcela da população no combate aos focos do mosquito, deixou 199 municípios com risco de surto de dengue, chikungunya e zika a partir de janeiro. Essa situação deve se agravar na Região Norte e Nordeste, onde está concentrada a maior parte dos casos de microcefalia provocados pelo zika vírus. Os números mais recentes do Ministério da Saúde mostram que o Brasil está, de fato, perdendo a guerra para o Aedes aegypti, tanto que de janeiro a novembro foram confirmados mais de 1,5 milhão de casos de dengue no país, um aumento de 176% em comparação ao mesmo período do ano passado, quando foram registrados 555,4 mil casos. No mapa da dengue, a região Sudeste acumulou 63,6% do total de casos, com 975.505 pacientes, enquanto na Região Nordeste foram 278.945 casos, no Centro-Oeste outros 198.555 casos, no Sul foram 51.784 casos e a Região Norte registrou 30.143 casos de dengue. Estudos revelam que o ciclo de epidemia se repete por três anos consecutivos, de forma que a dengue deve fazer ainda mais vítimas a partir de janeiro de 2016.


Um total de 199 municípios estão em situação de risco de surto de dengue, chikungunya e zika, enquanto outros 665 municípios estão em situação de alerta, que ocorre quando entre 1% a 3,9% dos imóveis têm focos do mosquito, e outros 928 cidades estão em situação satisfatória, que é quando menos de 1% dos imóveis aparecem com focos da doença. Neste cenário, o Estado de Goiás registra a maior incidência de dengue, com 2.314 casos por 100 mil habitantes, seguido por São Paulo, com 1.615 casos por 100 mil habitantes, e Pernambuco, com incidência de 901 casos por 100 mil habitantes. Ao mesmo tempo em que o número de casos aumentou 176% entre janeiro e novembro em comparação ao mesmo período do ano passado, o volume de mortes provocadas pela dengue também cresceu 79%, passando de 453 mortes, em 2014, para 811 óbitos até o final de novembro de 2015. Entre as capitais brasileira, Rio Branco (AC) é a única em risco de surto de dengue, com outras sete capitais em alerta para a epidemia: Aracaju (SE), Recife (PE), São Luís (MA), Rio de Janeiro (RJ), Cuiabá (MT), Belém (PA) e Porto Velho (RO).


A mapa da dengue revela ainda que Boa Vista (RR), Palmas (TO), Fortaleza (CE), João Pessoa (PB), Teresina (PI), Belo Horizonte (MG), São Paulo (SP), Brasília (DF), Campo Grande (MS) e Curitiba (PR) estão com índices satisfatórios, enquanto Macapá (AP), Manaus (AM), Maceió (AL), Natal (RN), Salvador (BA), Vitória (ES), Goiânia (GO), Florianópolis (SC) e Porto Alegre (RS) não encaminharam resultados para o Ministério da Saúde. A dengue se manifesta a partir da picada do mosquito transmissor, o Aedes aegypti, e quando o vírus entra na corrente sanguínea se espalha pelo corpo e provoca a inflamação dos músculos, das articulações e dos vasos sanguíneos. A doença ataca a medula óssea e causa a diminuição da produção de plaquetas, que são responsáveis pela coagulação do sangue, de forma que quando o nível de plaquetas fica abaixo de 50 mil passa a existir o risco de hemorragia, principalmente no sistema digestivo, o que pode causar a morte. Ainda assim, tanto o governo quanto a sociedade falham no combate ao Aedes aegypti.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Presidente do Senado cobra ajuda para salvar empresas
Comitê da Pandemia

Presidente do Senado cobra ajuda para salvar empresas

15/04/2021 14:30
Presidente do Senado cobra ajuda para salvar empresas
Antivacina, um crime
Editorial

Antivacina, um crime

06/02/2021 07:02
Antivacina, um crime
Últimas Notícias