Dourados – MS domingo, 13 de junho de 2021
Dourados
24º max
10º min
Editorial

Guerra mundial

02 Fev 2016 - 10h21
Guerra mundial -
A caçada ao mosquito aedes aegypti que até pouco tempo transmitia somente a dengue e depois evoluiu para a Chikungunya e Zika preocupa a população mundial e em Dourados por exemplo até mesmo as forças de segurança estão se envolvendo nesta verdadeira guerra. Na ultima sexta-feira de manhã o Exercito, a Guarda Municipal e o Departamento de Operações de Fronteira (DOF), além, é claro da equipe do CCZ e secretaria municipal de saúde realizaram o mutirão da dengue no centro comercial da cidade. Eliminar este mosquito do meio ambiente não pode ser compromisso apenas das autoridades de saúde, envolve e deve envolver todo o setor público e também a sociedade. A importância de se combater a proliferação deste mosquito está nas informações disponíveis. A maior preocupação é com o avanço do Zica vírus que provoca sequelas aos futuros bebês das mães infectadas para o resto da vida.


O pior é que entre três e quatro milhões de pessoas devem contrair o zika vírus em 2016 no continente americano. 1,5 milhão destes casos deve ocorrer no Brasil. A estimativa foi divulgada recentemente pela Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), braço da Organização Mundial da Saúde (OMS) nas Américas. O cálculo considera o número de infectados por dengue, doença transmitida pelo mesmo vetor, o mosquito Aedes aegypti, em 2015, e a falta de imunidade da população ao vírus.


Pelo menos 22 países e territórios já confirmaram a circulação autóctone do vírus zika, desde maio de 2015, segundo a Opas. A maioria deles localizados no continente americano. São eles: Brasil, Barbados, Colômbia, Equador, El Salvador, Guatemala, Guiana, Guiana Francesa (França), Haiti, Honduras, Martinica (França), México, Panamá, Paraguai, Porto Rico (EUA), Ilha de São Martinho (França/Holanda), Suriname, Venezuela, Ilhas Virgens (EUA), Samoa e Cabo Verde.


Além desses países, o Centro Europeu de Controle e Prevenção de Doenças (ECDC, na sigla em inglês), também aponta casos da doença na Bolívia, Curaçao, República Dominicana, Guadalupe (França), Nicarágua, Tailândia, Fiji, Ilhas Maldivas, Nova Caledônia (França) e Ilhas Salomão. O órgão ainda indica que 10 países da Europa registraram casos importados de zika: Dinamarca, Finlândia, Alemanha, Itália, Portugal, Holanda, Espanha, Suécia e Reino Unido.


O Centro de Controle de Doenças dos EUA (CDC, na sigla em inglês) confirmou que um morador do Texas é o primeiro caso confirmado do surto atual de zika vírus no país. O homem havia visitado a América Latina recentemente.


De acordo com a diretora da Opas, Carissa F. Etienne, o vírus zika está se espalhando rapidamente pelas Américas e pode chegar a todos os países do continente, exceto o Canadá e o Chile continental, onde o Aedes aegypti, mosquito transmissor da doença, não está presente.


Ainda não há dados consolidados e precisos do número de casos da doença nos países que registraram a ocorrência do vírus. Segundo Etienne, a dificuldade na obtenção de números confiáveis de casos de infecção pelo vírus zika se deve a várias razões, como o fato de o vírus ser detectável somente por alguns dias no sangue das pessoas infectadas e dos médicos, assim como os próprios exames laboratoriais, não conseguirem com facilidade os casos de zika de doenças como dengue e chikungunya, que têm sintomas muito semelhantes.


Além disso, apenas uma em cada quatro pessoas infectadas são sintomáticas, o que significa que somente uma pequena parcela de pessoas que desenvolvem os sintomas da infecção causada pelo vírus procura os serviços de saúde, prejudicando a contagem dos casos da doença.


Da família Flaviviridae e do gênero Flavivirus, o zika vírus provoca uma doença com sintomas muito semelhantes ao da dengue, febre amarela e chikungunya. De baixa letalidade, causa febre baixa, hiperemia conjuntival (olhos vermelhos) sem secreção e sem coceira, artralgia (dores nas articulações) e exantema maculo-papular (manchas ou erupções na pele com pontos brancos ou vermelhos), dores musculares, dor de cabeça e dor nas costas.


O zika vírus é transmitido pela picada dos mosquitos da família Aedes (aegypti, africanus, apicoargenteus, furcifer, luteocephalus e vitattus). A partir da picada infectada, a doença tem um período de incubação de aproximadamente quatro dias até os sintomas começarem a se manifestar e os sinais e sintomas podem durar até sete dias.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Presidente do Senado cobra ajuda para salvar empresas
Comitê da Pandemia

Presidente do Senado cobra ajuda para salvar empresas

15/04/2021 14:30
Presidente do Senado cobra ajuda para salvar empresas
Últimas Notícias