Dourados – MS segunda, 21 de junho de 2021
Dourados
22º max
12º min
Editorial

Financiando os Partidos

09 Jul 2016 - 06h00
Financiando os Partidos -
O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) confirmou ontem que os 35 partidos instituídos no Brasil embolsaram somente no primeiro semestre deste ano a bagatela de R$ 370 milhões provenientes do Fundo Partidário. Fica claro que a crise econômica que atingiu de morte milhares de empresas, extinguiu milhões de postos de empregos e deixou famílias sem qualquer expectativa em relação ao futuro, passa longe das legendas políticas e, mais grave, todo esse dinheiro saiu dos cofres públicos. Somente o Partido dos Trabalhos (PT), que vive mergulhado numa profunda crise ética, moral e policial embolsou R$ 49 milhões nos primeiros seis meses deste ano, o que representa 13,3% do total repassado pelo Fundo Partidário às legendas. Logo atrás aparece o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), que recebeu R$ 40,4 milhões em 2016, o que corresponde a 11% do total desembolsado, seguido pelo Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) que levou R$ 39,4 milhões em recursos públicos. A farra vai continuar no segundo semestre, mesmo porque o Fundo Partidário conta com orçamento de R$ 737,9 milhões em 2016, volume menor que os R$ 867,56 milhões repassados no ano passado.


O Fundo Especial de Assistência Financeira aos Partidos Políticos, denominado Fundo Partidário, é constituído por dotações orçamentárias da União, multas, penalidades, doações e outros recursos financeiros que lhes forem atribuídos por lei. Somente no ano passado, os partidos políticos embolsaram R$ 867,56 milhões por meio do Fundo Partidário, o que explica essa corrida do ouro para a criação de novas agremiações. O Brasil tem hoje as seguintes legendas: PMDB, PTB, PDT, PT, DEM, PCdoB, PSB, PSDB, PTC, PSC, PMN, PRP, PPS, PV, PTdoB, PP, PSTU, PCB, PRTB, PHS, PSDC, PCO, PTN, PSL, PRB, PSOL, PR, PSD, PPL, PEN, PROS, Rede Solidariedade e até uma legenda chamada de Partido da Mulher Brasileira (PMB). Ainda que partidos políticos em profusão passe a sensação de fortalecimento da democracia, o fato é que todas as legendas servem apenas para atender interesses de grupos e, em maior ou menor grau, são apenas balcões de negócios. A situação é tão crítica que o TSE foi obrigado a adiar por um ano a entrada em vigor da resolução que exigia a criação de Diretórios Regionais e Municipais definitivos em todo o Brasil, o que acabou permitindo que, neste ano, possam ser lançadas candidaturas por comissões provisórias.


Além do Fundo Partidário, os chamados ciclos eleitorais têm um peso gigantesco para o contribuinte brasileiro, a ponto o ciclo entre 2010 e 2014 que escolheu presidente, governadores, senadores, deputados, prefeitos e vereadores custou cerca de R$ 9,5 bilhões aos cofres públicos. Esse valor inclui doações recebidas pelos partidos, o fundo partidário e a isenção fiscal concedida às emissoras de rádio e TV para a transmissão do horário eleitoral gratuito. Somente o horário eleitoral obrigatório vai custar neste ano R$ 840 milhões em impostos para compensar as perdas com publicidade das empresas de rádio e televisão que são obrigadas à divulgação da propaganda partidária e eleitoral. O valor deduzido em imposto de renda corresponde a 80% do que as empresas receberiam caso vendessem o espaço para a publicidade comercial no mesmo horário em que veiculam as peças publicitárias e programas eleitorais dos candidatos, ou seja, o horário eleitoral gratuito é de graça apenas para os partidos e candidatos, já que a conta ficará mesmo para o contribuinte.


Na divisão per capita, o último ciclo eleitoral custou cerca de R$ 66,54 para cada eleitor, mas essa matemática não deve preocupar o Partido dos Trabalhadores (PT), líder em arrecadações com R$ 79,8 milhões, nem o PSDB, que recebeu R$ 20,4 milhões ou o PSB, que amealhou R$ 8,3 milhões. Em 2014, a legenda que mais recebeu recursos públicos foi o Partido dos Trabalhos, que embolsou R$ 47,3 milhões, ou seja, 16,1% do total repassado às agremiações. Em segundo lugar aparece o Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) com R$ 35,3 milhões, ou 12% do total. A terceira colocação ficou o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), com R$ 32,8 milhões. Completam o ranking o Partido da República (PR) e o Partido Progressista (PP), que receberam R$ 20,4 milhões e R$ 19,6 milhões, respectivamente. Fica claro, portanto, que o contribuinte brasileiro além de carregar nas costas a mais pesada carga tributária do planeta, ainda é obrigado a sustentar as aventuras eleitorais dos partidos políticos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Presidente do Senado cobra ajuda para salvar empresas
Comitê da Pandemia

Presidente do Senado cobra ajuda para salvar empresas

15/04/2021 14:30
Presidente do Senado cobra ajuda para salvar empresas
Últimas Notícias