Dourados – MS sexta, 14 de agosto de 2020
Dourados
31º max
17º min
Segurança e Saúde JBS
Dourados

Falta de pinos atrasa cirurgia e idoso corre risco de morte

02 Fev 2016 - 19h05Por Do Progresso
Falta de pinos atrasa cirurgia e idoso corre risco de morte -
Flávio Verão


Raimundo Ferreira Braga, 65 anos, trava uma batalha para conseguir pinos para realizar procedimento cirúrgico na coluna. Internado desde o dia 17 de dezembro no Hospital da Vida, em Dourados, ele depende do equipamento fornecido pelo governo do estado para realizar o procedimento.

Ordem judicial da juíza Dileta Terezinha Tomaz, de 11 de janeiro, obrigou o estado a repassar os pinos em cinco dias, porém, até hoje isso não foi feito e a saúde do idoso só tem piorado e ele corre risco de morte.

Nildo Matias, sobrinho de Raimundo, diz que o tio passou mal mês passado, paralisando uma das pernas, sendo levado às pressas ao Hospital da Vida. Foi detectado um tumor na coluna cervical e a equipe médica informou que ele deveria passar por cirurgia com urgência, porém seria necessário a implantação dos pinos, não disponível na saúde pública.

"Aqui em Dourados é feito a cirurgia, como também em Campo Grande, porém é preciso esses pinos, que chegam a custar R$ 500 mil", disse Nildo, que procurou O PROGRESSO demonstrando indignação com o estado. Os pinos são fornecidos por duas empresas da Capital e a medida judicial desobriga o governo adquirir os equipamentos por licitação, pois demoraria a compra.

De dezembro para cá a saúde de Raimundo piorou. "Agora ele só mexe o pescoço, emagreceu muito e tememos algo pior", desabafa Nildo.

Ele diz que o procedimento a ser feito seria simples e se tratava de uma microcirurgia de tumor de medula e artrose cervicotorácida, conforme laudo médico, mas como o caso se agravou, as condições agora são diferentes.

A juíza Dileta Terezinha tinha dado prazo ao governo do estado para adquirir os pinos até o dia 16 de janeiro, sob pena de bloqueio de verbas necessárias para a realização do procedimento e multa diária de R$ 5 mil.

A reportagem tentou contato com o governo na tentativa de saber sobre o andamento da compra dos pinos, mas até o fechamento deste material não havia recebido uma resposta.

Deixe seu Comentário