Dourados – MS quarta, 23 de setembro de 2020
Dourados
30º max
15º min
Campanha

Exército e Dnit iniciam pesquisa nacional de tráfego

04 Jul 2016 - 06h00
BR-163, no trecho que corta Campo Grande, terá pesquisa. - Crédito: Foto: Elvio LopesBR-163, no trecho que corta Campo Grande, terá pesquisa. - Crédito: Foto: Elvio Lopes
O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), em parceria com o Exército Brasileiro, iniciou na madrugada de sábado, em seis rodovias federais que cortam Mato Grosso do Sul, a primeira Campanha da Pesquisa Nacional de Tráfego, que faz para do Plano Nacional de Contagem de Tráfego (PNCT) e que está entrevistando motoristas origem e destino de suas viagens e coletando também outros dados para integrar o acervo de pesquisa com metodologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).


Conforme informações do Comando Militar do Oeste (CMO), sediado em Campo Grande, em Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, a campanha contará com a participação de 600 militares e nos outros 51 postos nos estados de Mato Grosso, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, mais homens do Exército Brasileiro. A campanha será realizada até dia 8 de julho, próxima sexta-feira.


Segundo o CMO, o diagnóstico de tráfego é importante para a identificação dos principais corredores de transporte com gargalos logísticos e da consequente necessidade de expansão ou adequação de capacidade das rodovias, além de ser ferramenta fundamental para as atividades de projeto, construção, manutenção e operação rodoviária.


As coletas das informações dos fluxos de veículos nas rodovias federais serão divididas em quatro fases ao longo dos anos de 2016 e 2017, em 300 postos de coletas de dados e esta iniciada neste sábado é a primeira. A segunda etapa da pesquisa está prevista para novembro e as duas últimas para o ano de 2017. A
Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), também parceira na ação, fará o desenvolvimento de metodologia para as pesquisas, consolidação e tratamento dos dados de fluxos de veículos e aplicação de modelo matemático para estimativa de tráfego médio diário anual para toda a malha rodoviária.


A Pesquisa


A Pesquisa Origem e Destino vai coletar informações acerca da classificação do veículo, tipo de carroceria, ano de fabricação, número de passageiros e tipo de combustível aceito; propriedade, motivo de escolha da rota; dos dados da viagem; dos motivos da viagem; dados da carga transportada. Além disso, o condutor do veículo é convidado a sugerir, dentro da rota seguida, os melhores municípios para criação de um local de parada obrigatória de descanso.


Para a coleta dos dados, os militares vão utilizar 700 tablets adquiridos pelo DNIT. Depois da aplicação da Pesquisa OD, os equipamentos ficarão à disposição dos servidores de todas as superintendências regionais e unidades locais para auxílio nos trabalhos de campo nas rodovias.


A Pesquisa Origem e Destino é uma das ações estratégicas do PNCT, retomada pelo Dnit em 2014, iniciada pelo extinto Departamento Nacional de Estradas de Rodagem (DNER), em 1975, e interrompido no ano 2000. O programa começou com a implantação de 14 postos de coleta permanente nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais e chegou a ter 285 postos em operação.


O PNCT prevê a implantação de 320 postos de contadores permanentes que funcionarão 24 horas por dia, 365 dias por ano e inicialmente por um período de três anos. Do total de postos previstos pelo PNCT, 230 já estão certificados e em operação – 143 foram instalados em 2015. O funcionamento pleno do PNCT representa um ganho para as atividades de planejamento da infraestrutura de transportes do país, com ênfase nos meios rodoviários, que são a base da matriz brasileira.

Postos


Em Mato Grosso do Sul, os postos estão localizados na BR-163, nos quilômetros 281,2 em Dourados e 419,6 em Campo Grande; BR-060 em Bandeirantes, Costa Rica e Guia Lopes da Laguna; BR-267 em Nova Alvorada do Sul; BR-158, em Paranaíba; BR-262 em Miranda e BR-359 em Coxim.


BR-163, no trecho que corta Campo Grande, terá um dos postos da Campanha de Pesquisa Nacional de Tráfego

Deixe seu Comentário