Dourados – MS sexta, 18 de setembro de 2020
Dourados
33º max
19º min
Premiação

Câmara entregará, dia 15, o Prêmio ‘Ildefonso Ribeiro’

11 Ago 2016 - 14h42
Câmara entregará, dia 15, o Prêmio ‘Ildefonso Ribeiro’ -
A mesa diretora da Câmara de Dourados marcou para segunda-feira, dia 15, a solenidade de entrega do Prêmio Ildefonso Ribeiro da Silva. Será no intervalo da sessão ordinária, que inicia às 18h30.


Receberão troféus os vencedores das edições 2015 e 2016, respectivamente, a escritora e poetisa Odila Lange e o jornalista e escritor Luis Carlos Luciano. Os demais indicados, das duas edições, receberão placas de menção honrosa em agradecimento à dedicação literária.


O Prêmio Ildefonso Ribeiro da Silva foi criado por meio de decreto legislativo de proposição do então vereador José Carlos Cimatti e coautoria da vereadora Delia Razuk, com objetivo de agraciar escritores do município que tenham se destacado na produção literária regional sul-mato-grossense.


Os trabalhos são avaliados de acordo com a abrangência temática das obras dos indicados, importância temática, cunho regionalista e comprovação dos currículos vitae.


Vencedora da edição 2015, Odila Lange foi indicada com os livros "Dourados – Cidade de Todos os Povos e de Todas as Corres" e "Folclore ou folclore?" e várias obras em forma de literatura de cordel.
Neste ano, também foram indicados os escritores Marcos Coelho, Ivone Macieski, Wilson Biasotto, Paulo Baungart Neto, Rose Prado e Rogério Fernandes Lemes.


Luis Carlos Luciano, vencedor deste ano, foi indicado com as obras "Aced 70 Anos", "Betânia", "Ribeiro: Arquitetura, Urbanismo e Meio Ambiente, Exercício da Cidadania", "Tereré, poeira e raízes douradenses" e "Legislativo de Dourados, 1935/2006".


Também foram indicados para concorrer ao prêmio este ano, Marcos Coelho, Ivone Macieski, Antony Magalhães Silva, José Alberto Vasconcellos, Rogério Fernandes Lemes, Rozeli Dolor Galego, Marise Andreatta e Emmanuel Marinho.


ODILA


Odila Lange é advogada e professora, mestra em História pela UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul). É fundadora da Academia Douradense de Letras, entidade da qual já exerceu a presidência por quatro vezes. É membro da Academia de Letras do Brasil, Seção de MS, ocupante da cadeira nº 2, como representante de Dourados.


É autora de várias obras, entre elas os livros "Folclore ou Folclore (1996), reeditado em 2014, "PrOestando (1998); "Kit Cordel (2006); "Mulheres (2008); "Rodeio de Versos (2014); "Sicredi Centro Sul MS – Uma História de Sucesso – 25 Anos"; "Dourados – Cidade de todos os povos e de todas as corres".


Odila é estudiosa das questões de gênero e pesquisadora do folclore brasileiro. Sua índole atuante e combativa levou-a a receber dos confrades da Academia Douradense de Letras, o codinome de "a poetisa guerreira".


LUCIANO


Luis Carlos Luciano começou como repórter em 1982 e trabalhou nos dois jornais diários de Dourados; cursou Letras com ênfase em Jornalismo na Unigran. Na década de 90 começou a escrever no jornal O Progresso, crônica semanal com o título "Rodando o Lero", assinado com o pseudônimo "Fuscachambó". Por alguns meses manteve crônica semanal no diário MS com o título "Coçando o Verbo", apresentando, como ele próprio define "uma fase mais madura em relação ao ensaio literário". Também passou pelas redações da Folha de Dourados, rádio Grande FM e site Douradoinforma.


Em 2003 escreveu "O Fenômeno Diário MS: dez anos de um sonho", seu primeiro livro. Em 2004 e 2005 escreveu a biografia do coronel José Alves Marcondes, como título "Triunfo e glória de um Guerreiro". Em 2006 relatou a história da Câmara de Dourados com um breve currículo dos prefeitos até aquele ano, com o título "71 anos do Legislativo de Dourados". Em 2007 trabalhou na obra "Ribeiro: Arquitetura, Urbanismo e Meio Ambiente – Exercício de Cidadania", lançado em 2008.


Em 2014, Luciano lançou "Betânia", seu primeiro romance. Em maio de 2015 lançou "Aced 70 anos, história da Associação Comercial e Empresarial de Dourados" e, em dezembro do mesmo ano, "Tereré, poeira e outras raízes douradenses", com crônicas editadas.


É membro da Academia Douradense de Letras, jornalista do quadro permanente da prefeitura e atual presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais da Grande Dourados e diretor da Fenaj (Federação Nacional dos Jornalistas).


O HOMENAGEADO


Ildefonso Ribeiro foi membro fundador e presidiu a Academia Douradense de Letras; professor aposentado, foi classificado em diversos concursos literários, escreveu romances, livros de poesias, compôs canções, adaptou peças para o teatro e foi redator de jornal. Também colaborou com poemas, crônicas e artigos publicados em diversos jornais de Dourados, do Estado e do País.

Deixe seu Comentário