Dourados – MS quarta, 30 de setembro de 2020
Dourados
40º max
23º min
Edições Especiais

Cachoeirinha passa por transformação e conquista o mercado imobiliário

18 Dez 2015 - 11h20
Investimentos em infraestrutura transformam a Cachoeirinha em área próspera e de grande procura no setor imobiliário e serviços. - Crédito: Foto: Marcos RibeiroInvestimentos em infraestrutura transformam a Cachoeirinha em área próspera e de grande procura no setor imobiliário e serviços. - Crédito: Foto: Marcos Ribeiro
Valéria Araújo


Com uma população de mais de cinco mil habitantes, a Vila Cachoeirinha é o bairro popular que mais passou por transformações e agregou valor ao longo dos últimos seis anos. De bairro estigmatizado pelas inundações que destruíam residências, o atual “Grande Cachoeirinha” é disputado por investidores do setor imobiliário. Novos condomínios de prédios populares, construção de casas de grande porte e o fortalecimento do comércio local, são algumas das evidências que comprovam o desenvolvimento do bairro, criado há 26 anos em Dourados.


De acordo com o corretor e gestor imobiliário Pedro Luiz Garcete, a região têm atraído cada vez mais pessoas de outras cidades que chegam principalmente para estudar e trabalhar, bem como moradores de outros bairros de Dourados. Atuante no mercado imobiliário há 20 anos, ele explica que a valorização aconteceu depois que o bairro recebeu serviços de drenagem em 2009, implantação da rede de esgoto (2010) e o asfalto, que começou em 2011 e que, hoje, contempla praticamente 100% do bairro.


Segundo ele, a valorização, em média, foi de 100%. “Para se ter uma ideia, uma casa que antes destes benefícios custava R$ 10 mil, hoje, está em R$ 100 mil. O bairro ficou bonito e atrativo. Muita gente querendo comprar imóveis ali e, quem antes queria vender para sair do bairro, desistiu e agora deseja ficar. Com a chegada da infraestrutura, os moradores se animaram e investiram nos imóveis. Fizeram calçadas, muros e reformas, deixando a região com outra cara”, destaca.


Para a coordenadora da União Douradense de Clube de Mães (UDCM), Ilvanete Machado Duarte Borges, hoje, a Cachoeirinha vive um novo tempo. Segundo ela, o bairro está bonito e prazeroso de morar. “Antes qualquer pessoa, poderia encontrar terrenos aqui valendo entre R$ 4 mil e R$ 10 mil. Hoje, estes mesmos imóveis não saem por menos de R$ 20 mil. A minha casa, por exemplo, que valia R$ 150 mil, está avaliada em R$ 280 mil. Hoje, temos orgulho de morar aqui e, graças a Deus, o estigma de bairro inundado e perigoso ficou no passado”.


De acordo com o ex-presidente do bairro, José Emílio Pigari, o “Zé bicicleteiro”, a luta dos moradores começou em 2008, época em que as inundações dos córregos Rego D´água e Água Boa estavam mais evidentes. “As enchentes levavam lixo e esgoto para dentro das casas. Era uma situação terrível. Na época, iniciamos um movimento no bairro para pedir melhorias. Poucos políticos deram crédito ao nosso pedido por acreditarem ser impossível. Foram feitas reuniões no bairro até que conquistamos os recursos por meio de emendas parlamentares do deputado federal Geraldo Resende. Depois disso, ainda sofremos com alguns gestores do passado que não deram encaminhamento aos projetos. Finalmente, a partir de 2009, as melhorias começaram a chegar”, relembra. Para Fernanda Matos, o verdadeiro valor do ser humano é resgatado com a valorização do bairro em que vive. “Antes, o Cachoeirinha tinha uma aparência muito ruim. Sofríamos alagamentos, barro e muita sujeira. Por causa disso, as pessoas de fora tinham até medo de entrar aqui e os moradores tinham vergonha de dizer que moravam no Cachoeirinha”, explica.


Ainda de acordo com Fernanda, o asfalto traz uma paisagem diferente. “A pavimentação nos deu a certeza de uma vida melhor. Nossa casa foi valorizada e minha filha hoje pode andar de bicicleta na calçada ou em frente a nossa casa”, destaca.

Custo aos cofres públicos


Para que os moradores tivessem uma nova Cachoeirinha, a União, Estado e Prefeitura, gastaram juntas mais de R$ 10,6 milhões. Foram cerca de R$ 1,7 milhão para a rede de esgoto, R$ 3,6 milhões para a drenagem e R$ 5,2 milhões para a pavimentação. Todos os recursos destinados para o bairro tiveram participação do deputado federal Geraldo Resende, principalmente a drenagem e esgoto que são resultados de emendas parlamentares.


O deputado disse ao O PROGRESSO que cumpriu compromisso feito com os moradores. “Olhar hoje para o Cachoeirinha é ter a certeza de que valeu cada esforço destinado para levar mais qualidade de vida para os moradores. Fica a lição de que um sonho sonhado junto é realidade”, destaca.

Deixe seu Comentário