Dourados – MS sexta, 30 de julho de 2021
Dourados
18º max
min
IMPRESSO

Brô MC’s participa de novo trabalho do DJ Alok

Imerso nas raízes sonoras de povos originários brasileiros, artista produz o primeiro álbum autoral

19 Jul 2021 - 14h00Por Da Redação
Primeiro grupo de rap indígena no Brasil, Bro MC´s grava música com Alok - Crédito: DivulgaçãoPrimeiro grupo de rap indígena no Brasil, Bro MC´s grava música com Alok - Crédito: Divulgação

O grupo douradense Brô MC’s, primeiro de rap indígena do Brasil, participa de novo projeto do DJ Alok. Imerso nas raízes sonoras de povos originários brasileiros, o artista produz o primeiro álbum autoral de sua carreira. O grupo douradense embarcou no dia 08 e chegou em Dourados no último dia 14. Nas redes sociais o grupo revelou a emoção. “Segundou aqui do jeito que a gente ama, imersão musical com o Alok. Valeu irmão pelo convite. Obrigado a todos que estão chegando e somando no nosso perfil, tem muitas novidades vindo por aí”, anunciou o grupo formado por Bruno Veron, Clemerson Batista, Kelvin Peixoto e Charlie Peixoto. Alok também utilizou as mídias sociais para falar do trabalho. “É com muita alegria que compartilho esse momento com vocês: Comecei a produzir o primeiro álbum da minha carreira. E como fonte de inspiração estou imerso nas raízes indígenas. Ficarei trabalhando aqui pelos próximos 30 dias. Obrigado pela energia positiva, galera. Sem dúvidas, o projeto mais especial da minha carreira”, publicou o artista.

Projeto anterior

O interesse de Alok pelos povos indígenas não é de hoje. Antes desse projeto, o DJ lançou em 2015 uma música composta por sons de rituais indígenas. Na época, ele chegou a ficar três dias na Aldeia Mutum, em Tarauacá, com os povos da etnia Yawanawá. Foram seis pessoas da equipe do DJ para capturar a experiência em meio a floresta amazônica.

De acordo com o artista na época, a ideia de visitar a aldeia surgiu de uma empresa que já havia feito um trabalho na tribo. E foi nesse encontro que tive a oportunidade de escutar algumas das músicas da tribo Yawanawá. Me encantei na hora e decidi conhecer a cultura da tribo sem imaginar que aquilo viria a se tornar a experiência mais incrível da minha vida”, contou na época. Ainda dessa experiência, o artista lançou, em 2016, o minidocumentário “Yawanawá - A força”, publicado em plataformas digitais. A produção, de 21 minutos, mostra o encontro do artista com a etnia Yawanawá.

Bro MC História

Em 2007 os jovens começaram a construir outros caminhos para suas vidas por meio da música. Em específico pelo Rap, os jovens foram aderindo à cultura Hip Hop, influenciados pelo estilo e pelas letras das músicas. 

O sentimento de pertencimento foi além de simples ouvinte, e em 2007 o fundador do Brô MC’s Bruno Veron começa a escrever suas primeiras canções relatando a realidade da aldeia sob seu ponto de vista. Em 2008 o irmão dele Clemerson Batista Veron se junta a Bruno para dar continuidade ao projeto, assim como os também irmãos Kelvin Peixoto e Charles Peixoto, nesse ano eles fazem uma participação nos extras do Filme Terra Vermelha do diretor italiano Marco Bechis.

Ainda em 2008, Higor Lobo convida o grupo para participarem da música “No Yankee” do seu segundo álbum intitulado Outra Fase, onde o grupo mescla o português com o guarani. Com essa música o Brô se consagra vencedor do Festival Rap Popular Brasileiro e ganha o direito de representar o estado na final nacional do Festival no Rio de Janeiro em 2009.

Com o passar do tempo foram realizadas diversas oficinas de Hip Hop na aldeia indígena Jaguapiru pela CUFA no sentido de potencializar as práticas dos jovens indígenas, sempre valorizando a cultura indígena, tendo o Hip Hop apenas como um instrumento dessas manifestações. Durante as oficinas surgiu à idéia de gravar o CD demo do Brô MC`s, o processo de produção e composição das músicas, de produção e gravação vai de outubro a dezembro, sendo o lançamento no Festival Conexão Hip Hop em dezembro de 2009 em Dourados – MS.Após o lançamento do CD o primeiro grupo de rap indígena do Brasil já se apresentaram no Brasil e no exterior, sendo um sucesso de crítica não apenas por suas letras e temas abordados, como também pelo valor simbólico cultural de uma junção inusitada do rap com a cultura indígena, do português com o guarani como nas letras “Terra Vermelha” e “Tupã”, e “Eju Orendive”. O disco traz músicas que envolvem os mais diversos temas, um trabalho que mescla culturas evidenciando todas as potencialidades desses jovens guaranis.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Cultura

Recursos de reversão da Lei Aldir Blanc poderão ser solicitados pelos municípios aptos até o dia 2 de agosto

29/07/2021 17:00
Cultura

Governo publica decreto que regulamenta a Lei Rouanet

27/07/2021 15:00
Com rezas e vacinas, Aldeia vê chegada e "Araporã"
IMPRESSO

Com rezas e vacinas, Aldeia vê chegada e "Araporã"

25/07/2021 11:00
Com rezas e vacinas, Aldeia vê chegada e "Araporã"
Cultura

Governador autoriza lançamento do FIC e Cultura de MS ganha mais R$ 8 milhões

23/07/2021 14:30
Luz no fim do palco Vacinação anima mercado da música
IMPRESSO

Luz no fim do palco Vacinação anima mercado da música

19/07/2021 13:00
Luz no fim do palco Vacinação anima mercado da música
Últimas Notícias