Dourados – MS quinta, 24 de setembro de 2020
Dourados
33º max
17º min
Greve

Ato reúne 10 mil educadores e paralisa 90% das escolas em MS

11 Jun 2016 - 06h00
Educadores lotam rua na Capital em protesto. - Crédito: Foto: FatemsEducadores lotam rua na Capital em protesto. - Crédito: Foto: Fatems
A Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul (Fetems) reuniu mais de 10 mil trabalhadores, na Praça do Rádio, ontem, além de paralisar mais de 90% das escolas públicas de todo o Estado. A mobilização faz parte de um Dia Nacional de Luta em defesa dos direitos da classe trabalhadora de todo o país. Os trabalhadores de todo o MS, representando 79 municípios, com balões de dizeres da luta, faixas, camisetas e muita força de vontade, estiveram presentes neste dia histórico.


De acordo com o presidente da Fetems, Roberto Magno Botareli Cesar, os trabalhadores são contra o fim do piso salarial e da hora-atividade; contra a reforma da previdência e o fim da aposentadoria especial dos professores; contra a privatização das escolas públicas, através das Organizações Sociais e da militarização; contra a retirada da obrigatoriedade dos recursos da Educação Pública (18% da União e 25% dos Estados e Municípios) da Constituição Federal; contra a alteração do regime de partilha na exploração do Pré-sal que destinaria recursos para a educação e saúde. Também contra a entrega de nossas riquezas naturais, como o petróleo, para o capital estrangeiro e contra a Lei da Mordaça que está sendo debatida em todo o território nacional e foi vetada na Rede Municipal de Ensino de Campo Grande. A legislação tem como intuito proibir o debate em sala de aula questões de religião, sexualidade e política.


Segundo Lurdes Ferreira da Costa, professora desde 2010, a reivindicação dos direitos ameaçados foi o que a levou para a rua nesta sexta-feira. "Não podemos permitir que nos tirem conquistas de anos, histórias, sem fazermos nada, por isso aderi a greve e estou na rua com muito orgulho", afirma.


Outras categorias somaram na luta pelos direitos trabalhistas, em Campo Grande, como sindicatos filiados a Central Única dos Trabalhadores, a Central dos Trabalhadores do Brasil e Movimento dos Trabalhares que lutam pela terra.

Deixe seu Comentário