Dourados – MS domingo, 23 de fevereiro de 2020
Dourados
31º max
16º min
Mundo

Sem estudo nem emprego, beduínas do Negev lutam para 'existir' em Israel

11 Fev 2011 - 17h35
Faiza Abu Muhareb tece tapete em tear feito de lata - Crédito: Foto: Raphaela Moura/GlobonewsFaiza Abu Muhareb tece tapete em tear feito de lata - Crédito: Foto: Raphaela Moura/Globonews
Elas geralmente deixam a escola logo nos primeiros anos, se casam cedo, têm muitos filhos e não trabalham. Moram em um dos lugares mais pobres de Israel, em vilarejos muitas vezes não reconhecidos pelo Estado, e alvo de demolições. As beduínas do Negev, região desértica do sul de Israel, estão entre os grupos mais marginalizados do país. Mas, em um lugar onde 80% das mulheres são analfabetas e 90% estão desempregadas, um grupo tenta mudar essa situação.

No vilarejo de Lakiya, desde 1991, as mulheres podem aprender a ler e escrever em árabe e hebraico. Também podem aprender a tecer e receber pelo trabalho que fazem em casa, já que a maioria tem muitos filhos para criar. O projeto responsável pela mudança se chama Lakiya Weaving e hoje exporta para o mundo inteiro os tapetes confeccionados pelas beduínas.

\"Anos atrás, as mulheres tinham um papel mais ativo na sociedade, pois mudavam de casa e trabalhavam na terra. Hoje, temos uma casa fixa e a renda não vem só da terra\", explica a beduína Hala Abu-Shareb, assessora de imprensa do grupo. \"Atualmente, atendemos 70 mulheres que levam o tear para casa, porque têm filhos para cuidar. Muitos maridos ainda não gostam que elas saiam e que trabalhem.\"

Faiza Abu Muhareb tem 60 anos e está há dois no grupo. Ela conta que aprender a tecer foi uma das melhores coisas que aconteceram em sua vida. \"Eu conheci mais mulheres, vejo pessoas do mundo todo vindo aqui e esqueço os problemas de casa. É um descanso\". Uma de suas filhas (ela tem 14 ao todo) também faz parte do projeto.

Jornal
Além dos cursos de alfabetização e tapeçaria, a organização montou um jornal escrito por beduínas. O objetivo, explica Hala, é discutir a questão feminina e dar espaço para mostrar a mulher beduína longe de estereótipos e preconceitos.

Os beduínos são árabes originalmente nômades que vivem no deserto. Segundo a Administração de Terras de Israel, é uma população de 155 mil pessoas, das quais 60% viivem em propriedades legalizadas - o resto mora em terras consideradas ilegais pelo Estado israelense, que afirma estar construindo 13 novos vilarejos legais. A taxa de crescimento da população beduína é uma das maiores do mundo, dobrando de tamanho a cada 15 anos.

(G1)

Deixe seu Comentário

Leia Também

Completa amanhã, 75 anos da histórica tomada de Monte Castello
2ª Guerra Mundial

Completa amanhã, 75 anos da histórica tomada de Monte Castello

20/02/2020 17:00
Completa amanhã, 75 anos da histórica tomada de Monte Castello
Novo Coronavírus: Brasil apresenta ações para enfrentamento da doença
Saúde

Novo Coronavírus: Brasil apresenta ações para enfrentamento da doença

20/02/2020 12:00
Novo Coronavírus: Brasil apresenta ações para enfrentamento da doença
Com apoio da ONU no Brasil, Gâmbia entra em nova fase do programa de alimentação escolar
Sociedade

Com apoio da ONU no Brasil, Gâmbia entra em nova fase do programa de alimentação escolar

20/02/2020 11:30
Com apoio da ONU no Brasil, Gâmbia entra em nova fase do programa de alimentação escolar
Campanha

Embaixadores da Juventude debatem em Lisboa combate à violência contra mulher

19/02/2020 15:45
Recopa Sul-Americana: Flamengo e Independiente Del Valle jogam hoje
Esporte

Recopa Sul-Americana: Flamengo e Independiente Del Valle jogam hoje

19/02/2020 14:45
Recopa Sul-Americana: Flamengo e Independiente Del Valle jogam hoje
Últimas Notícias