Dourados – MS sábado, 20 de julho de 2024
22º
ODS

Riscos climáticos devem afetar biomassa de peixes em nível global

Relatório da FAO mostra declínios de mais de 10% até meados do século para várias regiões

10 Jul 2024 - 20h45Por ONU News
Projeto de Intercomparação de Modelos de Ecossistemas Marinhos e Pesca é uma rede internacional - Crédito:  FAO/Abdelhak Senna Projeto de Intercomparação de Modelos de Ecossistemas Marinhos e Pesca é uma rede internacional - Crédito: FAO/Abdelhak Senna

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO, alerta sobre o impacto de riscos climáticos para a contagem de peixes que podem ser explorados em todos os oceanos do mundo.

Nesta quarta-feira, a agência localizada em Roma publicou o relatório “Riscos de mudanças climáticas para ecossistemas marinhos e pescarias: Projeções até 2100 do Projeto de Intercomparação de Modelos de Ecossistemas Marinhos e Pesca”.

Cenários de emissões

O estudo revela que até o final do século, sob o cenário de altas emissões prevendo um aquecimento global na faixa entre 3 °C e 4 °C, a queda agrava para 30% ou mais em 48 países e territórios.

Em contraste, sob o cenário de baixas emissões prevendo uma alta global na faixa de 1,5 °C a 2 °C, as mudanças se consolidam entre nenhuma alteração e uma redução de 10% ou menos em 178 países e territórios até o final do século.

Análise envolveu pesquisadores atuando com a agência para entender os impactos de longo prazo das mudanças climáticas nos ecossistemas marinhos e nas pescasAnálise envolveu pesquisadores atuando com a agência para entender os impactos de longo prazo das mudanças climáticas nos ecossistemas marinhos e nas pescas - Foto: © Pnuma/Fergus Kennedy

 

Na Europa, Portugal está entre os países que terão um dos maiores declínios de biomassa de peixes.

No Brasil, as disparidades nos níveis de peixes em áreas como norte e sul podem vir a ser equilibradas e contrabalançar os declínios.

Angola

A África concentra mais de 40% das embarcações não motorizadas do mundo e o emprego na indústria pesqueira tem crescido de forma constante. A expectativa é que em toda a região seja observada uma queda na biomassa de peixes exploráveis, exceto no norte do continente e em torno de algumas ilhas do sudeste e sudoeste.

Entre as razões para o problema estão a taxa de crescimento populacional nas   áreas mais povoadas e a alta dependência das comunidades costeiras de mercados domésticos, o que se traduz em riscos potenciais para a segurança alimentar.

Em cenário de baixas emissões, as perdas para muitos países e territórios ao redor do continente serão reduzidas. Mas Angola destaca-se pelas antevisões até o final do século apontando para perdas em torno de 39% sob o cenário de altas emissões.

FAO espera que produção global na aquicultura e pesca tenha atingido um novo recorde FAO espera que produção global na aquicultura e pesca tenha atingido um novo recorde - Foto: FAO

 

Ainda em cenário de altas emissões, as projeções globais de biomassa de peixes exploráveis mostram declínios de mais de 10% até meados do século para muitas regiões do mundo.

Impactos de longo prazo das mudanças climáticas nos ecossistemas

As quedas mais acentuadas serão observadas em grandes produtores de peixes e pioram no final do século sob o cenário de altas emissões. Um dos exemplos é a percentagem de 37,3% projetada para as Zonas Econômicas Exclusivas do Peru e 30,9% para o caso da China. Mas as previsões se estabilizam sob baixas emissões.

A FAO destaca que a análise envolveu pesquisadores atuando com a agência para entender os impactos de longo prazo das mudanças climáticas nos ecossistemas marinhos e nas pescas por meio de modelos numéricos de última geração.

O Projeto de Intercomparação de Modelos de Ecossistemas Marinhos e Pesca é uma rede internacional lançada na 36ª. Sessão do Comitê de Pesca, que acontece nesta semana na sede da agência.

O documento é publicado na sequência do relatório Estado Mundial da Pesca e Aquicultura, Sofia, no qual a FAO antecipa que a produção global nesses setores atinja um novo recorde de 223,2 milhões de toneladas em 2022.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ONU pede fim de leis que criminalizam pessoas Lgbtq+
Saúde

ONU pede fim de leis que criminalizam pessoas Lgbtq+

19/07/2024 22:30
ONU pede fim de leis que criminalizam pessoas Lgbtq+
Casa-Museu em Portugal exibe acervo do diplomata Aristides de Sousa Mendes
Assuntos da ONU

Casa-Museu em Portugal exibe acervo do diplomata Aristides de Sousa Mendes

19/07/2024 21:30
Casa-Museu em Portugal exibe acervo do diplomata Aristides de Sousa Mendes
Corte Internacional de Justiça afirma que ocupação de territórios por Israel é ilegal
Legislação e prevenção de crimes

Corte Internacional de Justiça afirma que ocupação de territórios por Israel é ilegal

19/07/2024 20:30
Corte Internacional de Justiça afirma que ocupação de territórios por Israel é ilegal
OMS identifica vírus da poliomielite em seis locais de Gaza
Saúde

OMS identifica vírus da poliomielite em seis locais de Gaza

19/07/2024 19:30
OMS identifica vírus da poliomielite em seis locais de Gaza
Moçambique tem pela frente desafio de reduzir pobreza multidimensional em 20%
ODS

Moçambique tem pela frente desafio de reduzir pobreza multidimensional em 20%

18/07/2024 22:45
Moçambique tem pela frente desafio de reduzir pobreza multidimensional em 20%
Últimas Notícias