Dourados – MS quarta, 25 de novembro de 2020
Dourados
35º max
21º min
Imaculada-Desk
Imaculada-Mobile
Mundo

Rebeldes pedem à Otan intensificação de ataques aéreos na Líbia

13 Abr 2011 - 16h35
Rebeldes líbios fazem juntos as orações de meio-dia próximo ao portão de entrada da cidade de Ajdabiya - Crédito: Foto: Marwan Naamani / AFPRebeldes líbios fazem juntos as orações de meio-dia próximo ao portão de entrada da cidade de Ajdabiya - Crédito: Foto: Marwan Naamani / AFP
O representante de Relações Exteriores do Conselho Nacional de Transição (CNT, rebeldes líbios), Ali al-Issawi, pediu à Otan que intensifique os ataques aéreos contra as forças do coronel Kadhafi, na primeira reunião do Grupo de Contato sobre a Líbia, que acontece em Doha.

\"Precisamos de mais proteção para os civis\", declarou Issawi, que participa em Doha na reunião do Grupo de Contato sobre a Líbia. \"Queremos mais bombardeios aéreos contra os tanques e os lugares de onde se disparam os mísseis\", explicou.

Reunido em Doha, o grupo também pede a renúncia de Muamar Kadhafi como único meio para alcançar uma solução para a crise líbia, segundo o texto de um comunicado.

O grupo insiste na \"necessidade de que (o coronel) Kadhafi renuncie ao poder\" para favorecer uma solução à crise política na Líbia, indica o texto de um comunicado lido ante os jornalistas pelo primeiro-ministro e chefe da diplomacia do Qatar, xeque Hamad Ben Jasem Ben Jabr Al Thani.

A primeira reunião do Grupo de Contato sobre a Líbia teve início nesta quarta-feira (13) em Doha sob a presidência conjunta de Grã-Bretanha e Qatar e na presença do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon.

A reunião tenta encontrar uma solução política para a crise líbia quatro semanas depois do início de uma intervenção militar multinacional sob mandato da ONU para proteger a população civil.

#####Ajuda humanitária
O secretário-geral da ONU afirmou que 3,6 milhões de pessoas podem necessitar de ajuda humanitária na Líbia.

É fundamental que falemos com uma só voz\", declarou Ban Ki-moon em um momento de divergências entre os aliados ocidentais sobre a estratégia a ser adotada.

Ban pediu à comunidade internacional união sobre a questão líbia.

Ao comentar a situação humanitária no país, que tem seis milhões de habitantes, o secretário-geral da ONU afirmou que \"na pior das hipóteses, até 3,6 milhões de pessoas podem precisar de ajuda humanitária\".

O pedido de união foi feito em um momento de debate. A Itália, por exemplo, defende o fornecimento de armas aos rebeldes líbios.

\"Devemos fornecer todos os meios possíveis para a defesa deles\", declarou Maurizio Massari, porta-voz do ministério das Relações Exteriores italiano, antes de destacar que a resolução 1973 da ONU que autorizou o uso da força contra o coronel Muamar Kadhafi \"não proíbe prover armas aos rebeldes\".

\"O tema do fornecimento de armas aos rebeldes é claramente um tema de discussão, para que possam defender-se\", completou Massari.

Mas o porta-voz destacou que uma decisão sobre o assunto não deve ser tomada em Doha.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Joe Biden garante votos para ser eleito presidente dos Estados Unidos
Mundo

Joe Biden garante votos para ser eleito presidente dos Estados Unidos

07/11/2020 16:04
Joe Biden garante votos para ser eleito presidente dos Estados Unidos
PF pede bloqueio de R$ 130 milhões em criptoativos depositados nos EUA
Mundo

PF pede bloqueio de R$ 130 milhões em criptoativos depositados nos EUA

06/11/2020 09:37
PF pede bloqueio de R$ 130 milhões em criptoativos depositados nos EUA
Halloween: a curiosa origem do Dia das Bruxas
Dia das Bruxas

Halloween: a curiosa origem do Dia das Bruxas

31/10/2020 14:05
Halloween: a curiosa origem do Dia das Bruxas
Mundo

Brasil e outros 31 países assinam declaração sobre saúde da mulher

23/10/2020 15:09
Brasil e banco americano assinam acordo de US$ 1 bi em investimentos
Mundo

Brasil e banco americano assinam acordo de US$ 1 bi em investimentos

20/10/2020 14:51
Brasil e banco americano assinam acordo de US$ 1 bi em investimentos
Últimas Notícias