Dourados – MS quinta, 05 de agosto de 2021
Dourados
26º max
14º min
Mundo

Rebeldes pedem à Otan intensificação de ataques aéreos na Líbia

13 Abr 2011 - 16h35
Rebeldes líbios fazem juntos as orações de meio-dia próximo ao portão de entrada da cidade de Ajdabiya - Crédito: Foto: Marwan Naamani / AFPRebeldes líbios fazem juntos as orações de meio-dia próximo ao portão de entrada da cidade de Ajdabiya - Crédito: Foto: Marwan Naamani / AFP
O representante de Relações Exteriores do Conselho Nacional de Transição (CNT, rebeldes líbios), Ali al-Issawi, pediu à Otan que intensifique os ataques aéreos contra as forças do coronel Kadhafi, na primeira reunião do Grupo de Contato sobre a Líbia, que acontece em Doha.

\"Precisamos de mais proteção para os civis\", declarou Issawi, que participa em Doha na reunião do Grupo de Contato sobre a Líbia. \"Queremos mais bombardeios aéreos contra os tanques e os lugares de onde se disparam os mísseis\", explicou.

Reunido em Doha, o grupo também pede a renúncia de Muamar Kadhafi como único meio para alcançar uma solução para a crise líbia, segundo o texto de um comunicado.

O grupo insiste na \"necessidade de que (o coronel) Kadhafi renuncie ao poder\" para favorecer uma solução à crise política na Líbia, indica o texto de um comunicado lido ante os jornalistas pelo primeiro-ministro e chefe da diplomacia do Qatar, xeque Hamad Ben Jasem Ben Jabr Al Thani.

A primeira reunião do Grupo de Contato sobre a Líbia teve início nesta quarta-feira (13) em Doha sob a presidência conjunta de Grã-Bretanha e Qatar e na presença do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon.

A reunião tenta encontrar uma solução política para a crise líbia quatro semanas depois do início de uma intervenção militar multinacional sob mandato da ONU para proteger a população civil.

#####Ajuda humanitária
O secretário-geral da ONU afirmou que 3,6 milhões de pessoas podem necessitar de ajuda humanitária na Líbia.

É fundamental que falemos com uma só voz\", declarou Ban Ki-moon em um momento de divergências entre os aliados ocidentais sobre a estratégia a ser adotada.

Ban pediu à comunidade internacional união sobre a questão líbia.

Ao comentar a situação humanitária no país, que tem seis milhões de habitantes, o secretário-geral da ONU afirmou que \"na pior das hipóteses, até 3,6 milhões de pessoas podem precisar de ajuda humanitária\".

O pedido de união foi feito em um momento de debate. A Itália, por exemplo, defende o fornecimento de armas aos rebeldes líbios.

\"Devemos fornecer todos os meios possíveis para a defesa deles\", declarou Maurizio Massari, porta-voz do ministério das Relações Exteriores italiano, antes de destacar que a resolução 1973 da ONU que autorizou o uso da força contra o coronel Muamar Kadhafi \"não proíbe prover armas aos rebeldes\".

\"O tema do fornecimento de armas aos rebeldes é claramente um tema de discussão, para que possam defender-se\", completou Massari.

Mas o porta-voz destacou que uma decisão sobre o assunto não deve ser tomada em Doha.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mundo

OMS afirma que China deve fornecer dados sobre origens da covid-19

15/07/2021 17:00
Mundo

Suspeitos de assassinato do presidente do Haiti são mortos a tiros

08/07/2021 11:00
Mundo

Covid-19: anticorpos podem durar até 12 meses após infecção

08/07/2021 10:00
Presidente do Haiti é assassinado em casa durante a noite, diz premiê
Mundo

Presidente do Haiti é assassinado em casa durante a noite, diz premiê

07/07/2021 07:30
Presidente do Haiti é assassinado em casa durante a noite, diz premiê
Mundo

Onda de calor recorde nos EUA e Canadá mata 45 no Estado do Oregon

01/07/2021 17:30
Últimas Notícias