Dourados – MS sexta, 18 de setembro de 2020
Dourados
33º max
19º min
INTERNACIONAL

Questões sociais e políticas fazem da França alvo de atentados

15 Jul 2016 - 10h35
Em janeiro do ano passado, mais de um milhão de pessoas e 40 chefes de estado, participaram da Marcha contra o Terror, após o atentado ao jornal Charlie Hebdo. No final do mesmo ano, outro ataque na capital francesa matou mais de 130 mortos. - Crédito: foto: EPA/Agência Lusa/Direitos ReservadosEm janeiro do ano passado, mais de um milhão de pessoas e 40 chefes de estado, participaram da Marcha contra o Terror, após o atentado ao jornal Charlie Hebdo. No final do mesmo ano, outro ataque na capital francesa matou mais de 130 mortos. - Crédito: foto: EPA/Agência Lusa/Direitos Reservados
A França vem sendo, claramente, alvo preferencial de ataques nos últimos meses. Para a portuguesa Mónica Ferro, professora do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa, há duas razões principais para isso.

A primeira é o empenho militar francês no combate ao Estado Islâmico (EI) na Síria, Iraque e Líbia. "Embora até o presente momento ainda não saibamos se foi um atentado reivindicado pelo EI, pois ainda não há reivindicação, sabemos que alguns grupos ligados ao EI já se congratularam nas redes sociais por este atentado", afirmou à Agência Brasil.

A segunda razão, de acordo com a professora, é que a França tem grandes comunidades de jovens que estão "desenraizados" e que são mais facilmente cooptados por grupos terroristas. "Os atentados em Bruxelas e em Paris foram cometidos por europeus, jovens que vivem na Europa, e que foram radicalizados no continente europeu", afirma.

Para o português Felipe Pathé Duarte, professor universitário e membro do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo (OSCOT), o problema é social e político. "No caso específico da Europa, [são] jovens com 20 e poucos anos e com problemas sociais e políticos que vão beber dessa ideologia [jihadismo]. É um problema social e político", afirma o professor.

Para Duarte, é um engano relacionar terrorismo à questão religiosa. "Estamos falando de uma ideologia reacionária, violenta, enquadrada por questões religiosas, sem dúvida, mas é uma ideologia política, que procura tomar o poder. Não é salvar almas, é tomar o poder. Mas [os jihadistas] falam utilizando uma retórica religiosa".

Data nacional

Para Mónica, o ataque da noite de ontem (14), em Nice, no dia quando se comemora a Queda da Bastilha, foi simbólico. "É o dia nacional, dia no qual a França afirma liberdade, igualdade e fraternidade. É um ataque ao coração dos valores da nossa civilização, da forma como nós nos organizamos em sociedade. E a França é fonte inspiradora desses direitos e isso faz deles um alvo muito importante".

Felipe Pathé Duarte é autor do livro Jihadismo Global: das palavras aos actos e afirma que um dos grandes desafios atuais é acompanhar e monitorar o movimento de radicais que potencialmente poderão vir a ser violentos.

Repercussão

Quanto à dramaticidade e impacto dos ataques a locais públicos, como foi o caso do atentando de ontem, Duarte explica que a repercussão é amplificada pelo caráter aleatório da ação. "Quando há uma carnificina, qualquer pessoa pode ser eliminada desde que esteja passando no local, isso automaticamente aumenta o sentimento de insegurança", diz.

Em relação aos ataques realizados em aeroportos, como foi o caso de Istambul, no fim do mês passado, Duarte explica que estes locais são os chamados soft targets, onde a segurança efetiva é extremamente complexa por serem pontos de intenso fluxo de pessoas.

"Nos soft targets, a fluidez de pessoas é permanente. O fluxo é enorme e é impossível monitorar todas as pessoas. Se nós quisermos escrutinar individualmente todas essas pessoas, o fluxo diminui. Então, a essência daquela plataforma, que é o fluxo permanente de pessoas, é posta em questão em nome da segurança", argumenta o professor Duarte.

Segundo o especialista, há a insegurança e o sentimento de insegurança. E os dois nem sempre caminham juntos. Desta forma, a presença policial é fundamental, por ser um fator dissuasório e por aumentar o sentimento de segurança das pessoas. No entanto, o policiamento não pode ser excessivo a ponto de violar direitos, liberdades e garantias individuais.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Athletico-PR ganha do Jorge Wilstermann de virada
Libertadores

Athletico-PR ganha do Jorge Wilstermann de virada

16/09/2020 12:01
Athletico-PR ganha do Jorge Wilstermann de virada
Libertadores retorna nesta terça, em meio à insatisfação de clubes
Futebol

Libertadores retorna nesta terça, em meio à insatisfação de clubes

14/09/2020 18:02
Libertadores retorna nesta terça, em meio à insatisfação de clubes
Testes com vacina de Oxford recomeçam hoje no Brasil
Covid-19

Testes com vacina de Oxford recomeçam hoje no Brasil

14/09/2020 11:32
Testes com vacina de Oxford recomeçam hoje no Brasil
Dólar opera em queda nesta sexta-feira
Economia

Dólar opera em queda nesta sexta-feira

11/09/2020 12:16
Dólar opera em queda nesta sexta-feira
SBT fecha acordo com Conmebol e vai transmitir a Copa Libertadores da América
Futebol

SBT fecha acordo com Conmebol e vai transmitir a Copa Libertadores da América

10/09/2020 19:08
SBT fecha acordo com Conmebol e vai transmitir a Copa Libertadores da América
Últimas Notícias