Dourados – MS sábado, 18 de setembro de 2021
Dourados
38º max
22º min
Mundo

Portugal vai pedir ajuda financeira à União Europeia, anuncia Sócrates

06 Abr 2011 - 23h35
José Sócrates, em foto de arquivo
 - Crédito: Foto: Jean-Christophe Verhaegen/AFPJosé Sócrates, em foto de arquivo - Crédito: Foto: Jean-Christophe Verhaegen/AFP
O governo português \"decidiu hoje mesmo dirigir um pedido de assistência financeira à Comissão Europeia\", anunciou na noite desta quarta-feira (6), hora local, o primeiro-ministro demissionário, José Sócrates, durante pronunciamento transmitido pela televisão.

Segundo Sócrates, o pedido de ajuda se tornou inevitável frente às \"ameaças ao financiamento do país\". O primeiro-ministro não informou as condições do pedido.

Mais cedo, o ministro de Finanças de Portugal, Fernando Teixeira dos Santos, afirmara que o governo do país precisa recorrer aos mecanismos de financiamento da União Europeia (UE), diante das atuais condições do mercado de dívida.

\"O país foi irresponsavelmente empurrado para uma situação muito difícil nos mercados financeiros\", disse Teixeira, segundo o \"Jornal de Negócios\", declaração confirmada pelo ministério. \"Perante esta difícil situação, que podia ter sido evitada, entendo que é necessário recorrer aos mecanismos de financiamento disponíveis no quadro europeu em termos adequados à atual situação política\", acrescentou.

#####Dívidas
Portugal precisa resgatar cerca de 4,2 bilhões de euros em bônus em abril e mais 4,9 bilhões de euros em meados de junho. Embora pareça que o governo possui os fundos necessários para o primeiro pagamento, existem dúvidas sobre a capacidade de honrar o segundo pagamento.

Hoje, Portugal pagou um preço alto para vender o volume máximo pretendido de 1 bilhão de euros em dívida de curto prazo em um leilão. Para vender a tranche (parcela) de papéis com vencimento em seis meses, o governo precisou oferecer ao investidor um rendimento médio de 5,117%, em comparação com 2,984% no leilão anterior, realizado em 2 de março. Já a tranche de papéis para 12 meses pagou um rendimento médio de 5,902%, em comparação com 4,331% em 16 de março.

O prêmio cobrado pelo mercado para comprar os papéis do governo já estava em patamares altos desde que o primeiro-ministro entregou seu pedido de renúncia ao presidente de Portugal. O valor voltou a disparar com o rebaixamento da nota de classificação de risco de Portugal pela Moody\'s ontem. Ao mesmo tempo, os bancos alertaram o banco central de Portugal de que não poderão financiar o governo indefinidamente, caso o rating (classificação de risco) do país continue caindo.

Os bancos têm comprado uma grande quantidade de títulos do governo para usá-los como garantia na tomada de empréstimo junto ao Banco Central Europeu (BCE) e, assim, financiar suas operações. Eles temem que, com o rebaixamento, os títulos do governo de Portugal possam deixar de ser elegíveis como garantias na tomada dos empréstimos.

Em março, após o parlamento rejeitar o plano de austeridade fiscal, o primeiro-ministro José Sócrates renunciou ao cargo. Novas eleições foram convocadas para 5 de junho. Até lá, a administração de Sócrates permanece como governo interino.

Com informações da Agência Estado e da France Presse (G1)

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mundo

Mulheres afegãs protestam contra uso da burca

15/09/2021 17:00
Mundo

Pentágono: novo míssil norte-coreano ameaça comunidade internacional

13/09/2021 13:00
Mundo

Afeganistão: talibãs autorizam saída de 200 estrangeiros

09/09/2021 11:00
Mundo

Brasil concederá visto humanitário a afegãos

04/09/2021 17:00
Portugal reabre para brasileiros e exige só exame PCR ou antígeno
Internacional

Portugal reabre para brasileiros e exige só exame PCR ou antígeno

01/09/2021 15:15
Portugal reabre para brasileiros e exige só exame PCR ou antígeno
Últimas Notícias