Dourados – MS quarta, 28 de julho de 2021
Dourados
17º max
min
Mundo

Para diplomacia brasileira, caso Battisti está 'encerrado'

10 Jun 2011 - 16h35
Cesare Battisti, ao ser solto na madrugada de
quinta, dia 9 - Crédito: Foto: AFPCesare Battisti, ao ser solto na madrugada de quinta, dia 9 - Crédito: Foto: AFP
O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, não quis se manifestar nesta sexta-feira (10) sobre o fato de o governo italiano ter convocado o embaixador da Itália no Brasil, Gherardo La Francesca, para prestar esclarecimentos sobre a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) brasileiro de negar a extradição do ex-ativista Cesare Battisti.

Questionado sobre o assunto, Patriota afirmou que não comentaria. \"Para nós, o caso está encerrado\", disse após cerimônia do 146º aniversário da Batalha Naval do Riachuelo, em Brasília, evento do qual o ministro participou ao lado da presidente Dilma Rousseff.

A Itália pede a extradição de Battisti por quatro supostos assassinatos e cumplicidade em assassinato. A medida de convocar o embaixador foi tomada para \"aprofundar, conjuntamente com as autoridades competentes, os aspectos técnicos e jurídicos relacionados com a aplicação de acordos bilaterais existentes, visando a iniciativas e recursos ante as instâncias judiciais internacionais\", disse o comunicado no site da chancelaria.

A Itália manifestou na véspera indignação e revolta com a decisão do Brasil que não extraditar o ativista e anunciou que pode apresentar um recurso à Corte Internacional de Justiça de Haia.

O primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, expressou \"grande desgosto\" com a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) a favor da libertação de Battisti.

\"Não se leva em consideração a expectativa legítima de que se faça justiça, em particular para as famílias das vítimas de Battisti\", lamentou Berlusconi em um comunicado oficial.

O presidente da Itália, Giorgio Napolitano, também condenou a decisão do Brasil e anunciou que apoiará qualquer recurso de Roma para tentar reverter a situação.

A decisão do STF \"prejudica gravemente\" os acordos assinados entre Itália e Brasil, afirmou Napolitano em um comunicado.

A Itália exigia a extradição de Battisti para que cumprisse a condenação à prisão perpétua no país, por suposta participação em quatro assassinatos cometidos na década de 70, nos chamados \"anos de chumbo\", quando era integrante de um grupo armado de ultraesquerda.

O \'caso Battisti\' se arrastava nos tribunais brasileiros desde que o italiano foi detido no Rio de Janeiro em março de 2007.Battisti passou a maior parte dos últimos quatro anos na penitenciária da Papuda, a 25 km do centro de Brasília, de onde foi libertado na madrugada desta quinta-feira.

Battisti é reclamado pela Itália depois de ter sido condenado em 1993, à revelia, à prisão perpétua por quatro assassinatos e cumplicidade de assassinato, crimes dos quais se declara inocente.

A batalha da Itália para que Battisti cumpra a condenação não acaba com a decisão do STF, já que o país espera levar o caso ao órgão judicial da ONU, por considerar que foram violados os acordos entre os dois países.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mundo

OMS afirma que China deve fornecer dados sobre origens da covid-19

15/07/2021 17:00
Mundo

Suspeitos de assassinato do presidente do Haiti são mortos a tiros

08/07/2021 11:00
Mundo

Covid-19: anticorpos podem durar até 12 meses após infecção

08/07/2021 10:00
Presidente do Haiti é assassinado em casa durante a noite, diz premiê
Mundo

Presidente do Haiti é assassinado em casa durante a noite, diz premiê

07/07/2021 07:30
Presidente do Haiti é assassinado em casa durante a noite, diz premiê
Mundo

Onda de calor recorde nos EUA e Canadá mata 45 no Estado do Oregon

01/07/2021 17:30
Últimas Notícias