Dourados – MS terça, 03 de agosto de 2021
Dourados
28º max
11º min
Mundo

Oposição do Iêmen rejeita negociar e dá duas semanas para Saleh sair

14 Abr 2011 - 16h35
Militar patrulha a cidade iemenita de Taez durante protestos nesta quinta-feira - Crédito: Foto: APMilitar patrulha a cidade iemenita de Taez durante protestos nesta quinta-feira - Crédito: Foto: AP
A oposição do Iêmen rejeitou nesta quinta-feira (14) uma oferta para participar de negociações mediadas por países do Golfo Pérsico na Arábia Saudita sobre uma transferência do poder no Iêmen, e definiu um prazo de duas semanas para a renúncia do presidente Ali Abdullah Saleh.

A oposição disse que a oferta de mediação dos países árabes do Golfo, que teria incluía discussões em Riad já no próximo sábado, não foi suficientemente clara quanto à rapidez de uma transição proposta, mesmo depois de um pedido de esclarecimento ter sido enviado a embaixadores dos países do Golfo.

\"Reiteramos nossa ênfase sobre a necessidade de acelerar o processo de renúncia de Saleh para o prazo de duas semanas. Por essa razão não iremos a Riad\", disse o líder oposicionista Mohammed al-Mutawakkil.

Chanceleres de países do Golfo, buscando reduzir a ameaça que a instabilidade no Iêmen pode representar para a região, tinham convidado Saleh e seus adversários para conversações sobre uma transferência de poder, visando encerrar um impass
e político que corre o risco de degenerar em violência.

Os aliados sauditas e ocidentais do Iêmen temem que um impasse prolongado no país, onde Saleh vem enfrentando dois meses de protestos exigindo sua saída, possa desencadear choques entre unidades militares rivais e provocar uma situação de caos que beneficiaria uma ala da rede terrorista da al-Qaeda que atua no país pobre e montanhoso.

Saleh aceitou as negociações mediadas pelos países do Golfo, mas a oposição vem oscilando em sua posição. Num primeiro momento, rejeitou a oferta, citando a falta de um cronograma para a transição e dizendo que a proposta parecia oferecer imunidade judicial a Saleh.

O presidente, que já perdeu o controle de várias províncias, avisou que, se ele for forçado a se afastar antes de ter organizado eleições parlamentares e presidenciais para os próximos 12 meses, o país pode mergulhar em guerra civil e se fragmentar.

Desde o final de janeiro, mais de 16 manifestantes morreram em choques com as forças de segurança. Teme-se que a violência pos
ssa se intensificar no país, metade de cujos 23 milhões de habitantes possuem armas

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mundo

OMS afirma que China deve fornecer dados sobre origens da covid-19

15/07/2021 17:00
Mundo

Suspeitos de assassinato do presidente do Haiti são mortos a tiros

08/07/2021 11:00
Mundo

Covid-19: anticorpos podem durar até 12 meses após infecção

08/07/2021 10:00
Presidente do Haiti é assassinado em casa durante a noite, diz premiê
Mundo

Presidente do Haiti é assassinado em casa durante a noite, diz premiê

07/07/2021 07:30
Presidente do Haiti é assassinado em casa durante a noite, diz premiê
Mundo

Onda de calor recorde nos EUA e Canadá mata 45 no Estado do Oregon

01/07/2021 17:30
Últimas Notícias