Dourados – MS terça, 25 de junho de 2024
23º
Meu Detran
Paz e segurança

ONU condena ataques israelenses em Rafah

Agência da ONU para refugiados palestinos, Unrwa denunciou ataques israelenses em Rafah que resultaram em mortes de mulheres e crianças

27 Mai 2024 - 19h45Por ONU News
A população de Gaza continua a ser deslocada à força. Desde o início da ofensiva militar em Rafah, em 6 de maio, mais de 630.000 pessoas foram forçadas a fugir da área - Crédito:  Unrwa A população de Gaza continua a ser deslocada à força. Desde o início da ofensiva militar em Rafah, em 6 de maio, mais de 630.000 pessoas foram forçadas a fugir da área - Crédito: Unrwa

A agência da ONU para refugiados palestinos, Unrwa, afirmou em suas redes sociais que as informações vindas de Rafah, cidade ao sul da Faixa de Gaza, sobre novos ataques a famílias que buscam abrigo “são horríveis”.

A reação da agência foi publicada após relatos de um ataque militar israelense a um acampamento em Tal as-Sultan, no noroeste de Rafah, juntamente com outros abrigos ao norte em Jabalia, Nuseirat e Cidade de Gaza. 

Unrwa perdeu dezenas de funcionários entre outubro e dezembro em GazaUnrwa perdeu dezenas de funcionários entre outubro e dezembro em Gaza - Foto: © UNICEF/Eyad El Baba

 

Responsabilização

Imagens não confirmadas divulgadas online mostraram abrigos totalmente queimados e corpos carbonizados no local do ataque. Segundo a Unrwa, há relatos de mortes em massa, incluindo crianças e mulheres entre os mortos. “Gaza é o inferno na terra. As imagens da noite passada são mais uma prova disso", adicionou a agência. 

O coordenador especial da ONU para o Processo de Paz no Oriente Médio, Tor Wennesland, condenou os ataques aéreos, ressaltando a necessidade de uma investigação "completa e transparente".  

Ele mencionou a alegação das Forças de Defesa de Israel de que haviam atingido uma instalação do Hamas e matado dois militantes seniores nos ataques. Wennesland acrescentou que estava "profundamente preocupado" com a morte de mulheres e crianças em uma área onde as pessoas haviam buscado abrigo.

Em comunicado, ele ainda destacou que todas as partes envolvidas no conflito devem se abster de ações que dificultam o fim da violência e comprometem ainda mais a situação já frágil no local e na região em geral.

Ele reiterou o apelo do secretário-geral da ONU, António Guterres, por um cessar-fogo imediato e pela libertação incondicional de todos os reféns. Wennesland acrescentou que as Nações Unidas continuam firmes em seu compromisso de apoiar todos os esforços destinados a acabar com os combates, reduzir as tensões e promover a paz.

Direitos Humanos

O chefe de direitos humanos da ONU, Volker Turk, expressou horror com a morte de civis em Gaza após ataques aéreos israelenses atingirem um campo para deslocados em Rafah, causando explosões e incêndios. 

As forças israelenses afirmaram que o alvo eram oficiais do Hamas, reconhecendo danos a civis. Turk criticou os ataques em áreas densamente povoadas e pediu mudanças nas políticas. 

Ele exortou Israel a cessar a ofensiva, conforme ordem da Corte Internacional de Justiça, e chamou por um cessar-fogo. Türk também condenou o lançamento de mísseis por grupos palestinos e pediu a liberação incondicional de todos os reféns.

Um veículo da ONU passa pelas ruínas da Cidade de GazaUm veículo da ONU passa pelas ruínas da Cidade de Gaza - Foto: ©

 

Atrocidade monstruosa

Fazendo eco a esses comentários e à condenação internacional generalizada do ataque, o relator especial da ONU sobre o direito à moradia, Balakrishnan Rajagopal, pediu uma "ação global concertada" para interromper a guerra, dias depois que o tribunal superior da ONU pediu o fim da operação militar de Israel em Rafah, que está se expandindo.

Para ele, atacar mulheres e crianças em abrigos é “uma atrocidade monstruosa”, acrescentando que uma ação global conjunta é necessária para impedir as ações de Israel. Rajagopal é um especialista independente em direitos humanos que não é membro da equipe da ONU. 

Ninguém está seguro

A Unrwa também expressou preocupação com a segurança dos colegas em Gaza com os quais o contato foi perdido após o ataque em Rafah. A agência informou que não possuem uma linha de comunicação estabelecida com nossos colegas no local. 

Reforçando que não há local seguro na Faixa de Gaza, a Unrwa afirmou que não pode confirmar a localização dos funcionários, o que gera preocupação com o bem-estar da equipe e de todas as pessoas deslocadas que se abrigam nessa área. 

Além da ameaça mortal de violência, os trabalhadores humanitários da ONU insistiram que a fome ainda é um perigo diário para a população de Gaza.

Atrasos na entrega de ajuda continuam

O alerta sobre o risco de fome ocorre em meio a uma interrupção quase total das entregas de comboios de ajuda desde que os militares israelenses tomaram a passagem de Rafah do Egito para Gaza no início deste mês, em resposta a um ataque na passagem de Kerem Shalom em 5 de maio, que resultou na morte de quatro soldados da Força de Defesa Israelense.

De acordo com o monitoramento da ONU, nenhum caminhão de ajuda chegou ao enclave desde o último domingo. O Escritório da ONU para Assuntos Humanitários também confirmou sérios desafios para receber e entregar ajuda em Gaza, citando atrasos frequentes, verificações arbitrárias e restrições de acesso pelas autoridades israelenses.

Pressões das missões de socorro 

Entre 1º e 23 de maio, 31 missões de ajuda humanitária tiveram o acesso negado e 40 foram impedidas, inclusive por "atrasos extensos, detenção de trabalhadores humanitários, disparos de advertência e forçamento do cancelamento de missões oficialmente aprovadas", segundo o Ocha.

O Programa Mundial de Alimentos, PMA, também alertou que a operação humanitária está “perto do colapso”, destacando a fala do chefe da ONU. Segundo o PMA, se os suprimentos alimentares e humanitários não começarem a entrar em Gaza em quantidades maciças, o desespero e a fome se espalharão”.

Em comunicado no domingo, o secretário-geral reiterou seu apelo por um cessar-fogo imediato e pela libertação imediata e incondicional de todos os reféns para acabar com o sofrimento dos civis.

Guterres acrescentou que ficou "consternado" com a falta de implementação das recentes ordens da Corte Internacional de Justiça em relação à situação em Gaza. “As decisões da Corte são obrigatórias", destacou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Nações Unidas indicam cinco princípios globais para a integridade da informação
Assuntos da ONU

Nações Unidas indicam cinco princípios globais para a integridade da informação

24/06/2024 22:45
Nações Unidas indicam cinco princípios globais para a integridade da informação
OMS revela que 3,7 bilhões de pessoas estão mais protegidas contra gordura trans
Saúde

OMS revela que 3,7 bilhões de pessoas estão mais protegidas contra gordura trans

24/06/2024 21:45
OMS revela que 3,7 bilhões de pessoas estão mais protegidas contra gordura trans
Chefe da principal agência da ONU em Gaza alerta para "geração perdida"
Paz e segurança

Chefe da principal agência da ONU em Gaza alerta para "geração perdida"

24/06/2024 20:45
Chefe da principal agência da ONU em Gaza alerta para "geração perdida"
ONU celebra Dia Internacional das Mulheres na Diplomacia
Assuntos da ONU

ONU celebra Dia Internacional das Mulheres na Diplomacia

24/06/2024 19:45
ONU celebra Dia Internacional das Mulheres na Diplomacia
Crianças migrantes criam espaços públicos inclusivos no Brasil
Migrantes e refugiados

Crianças migrantes criam espaços públicos inclusivos no Brasil

23/06/2024 19:30
Crianças migrantes criam espaços públicos inclusivos no Brasil
Últimas Notícias