Dourados – MS sábado, 24 de julho de 2021
Dourados
32º max
16º min
Mundo

Juiz que tentou transferir Beira-Mar pede desligamento do cargo no RN

23 Mar 2011 - 17h15
Juiz queria Beira-Mar em outra unidade prisional e
não em Mossoró - Crédito: Foto: Reprodução/TV GloboJuiz queria Beira-Mar em outra unidade prisional e não em Mossoró - Crédito: Foto: Reprodução/TV Globo
O juiz Mário Jambo, corregedor da Penintenciária Federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte, pediu desligamento do cargo em carta enviada ao presidente do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, em Pernambuco. O pedido de afastamento ocorre após uma desembargadora do TRF decidir que o traficante Luiz Fernando da Costa, o “Fernandinho Beira-Mar”, deve permanecer na unidade de Mossoró por ser o presídio federal mais seguro do país para abrigar o criminoso.

Jambo queria Beira-Mar fora da unidade desde feveiro, quando o traficante foi transferido da Penitenciária Federal de Catanduvas, no Paraná, onde até então cumpria pena.

O juiz havia determinado, em decisão em primeira instância, que o traficante fosse transferido de de Mossoró em até 30 dias, alegando que problemas estruturais no presídio atrapalhavam a segurança. A Advocacia Geral da União (AGU) recorreu e, na última sexta-feira, a desembargadora Nilcéa Maria Barbosa Maggi deu o veredicto: Beira-Mar fica em Mossoró.

Segundo a assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte, na carta em que pediu desligamento do cargo, Jambo alegou \"questões pessoais\" para o afastamento. O TRF da 5ª região informou que o presidente do Tribunal, Luiz Alberto Gurgel de Faria, ainda não decidiu quem irá subsituir Jambo na corregedoria do presídio.

#####\"Questão de segurança\"

O G1 teve acesso à íntegra da decisão da desembargadora Nilcéa Maggi que determinou que Beira-Mar deve ficar em Mossoró. No texto, ela diz que “o presídio de Mossoró é o mais seguro (dentre as unidades federais) para abrigar” os seis criminosos “pois é o mais afastado das fronteiras” e \"por existirem ameaças concretas da investida de criminosos vindos do Paraguai com o objetivo de resgatar\" os presos. Segundo ela, “os defeitos na construção do presídio não representam qualquer falha de segurança”.

Conforme relatório da AGU, a transferência dos detidos do Paraná para Mossoró custou R$ 75 mil aos cofres públicos, mais as diárias de 20 agentes de escolta. Segundo a desembargadora, só a remoção dos presos já representa um risco e um gasto desnecessário.

A desembargadora entendeu também não ser atribuição do juiz Mario Jambo determinar em qual unidade Beira-Mar deve ficar, e sim do Depen. Na sua decisão, Nilcéa Maggi afirma que os problemas estruturais no presídio de Mossoró encontram-se na “vivência Charlie” que está desocupada, e não nas dependências onde estão os presos, a “vivência Alfa”. Esta ala, a única ocupada, tem capacidade para 52 detentos, mas possui atualmente 36, conforme o Depen. (G1)

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mundo

OMS afirma que China deve fornecer dados sobre origens da covid-19

15/07/2021 17:00
Mundo

Suspeitos de assassinato do presidente do Haiti são mortos a tiros

08/07/2021 11:00
Mundo

Covid-19: anticorpos podem durar até 12 meses após infecção

08/07/2021 10:00
Presidente do Haiti é assassinado em casa durante a noite, diz premiê
Mundo

Presidente do Haiti é assassinado em casa durante a noite, diz premiê

07/07/2021 07:30
Presidente do Haiti é assassinado em casa durante a noite, diz premiê
Mundo

Onda de calor recorde nos EUA e Canadá mata 45 no Estado do Oregon

01/07/2021 17:30
Últimas Notícias