Dourados – MS quarta, 14 de abril de 2021
Dourados
34º max
22º min
Influx - Campanha 2021
Mundo

Igreja tenta reaver R$ 2,5 milhões de caução para restaurações no RS

31 Mar 2011 - 17h15
Interior da Igreja Nossa Senhora da Conceição - Crédito: Foto:
Divulgação/Arquivo/Arquidiocese de Porto AlegreInterior da Igreja Nossa Senhora da Conceição - Crédito: Foto: Divulgação/Arquivo/Arquidiocese de Porto Alegre
O embróglio sobre a negociação do investimento de R$ 12 milhões para o restauro de três prédios da Arquidiocese de Porto Alegre acabou sob investigação policial, mas o inquérito teve de ser \"travado\" por conta da imunidade consular de um dos envolvidos. A tratativa envolve a cúpula da Igreja Católica do Rio Grande do Sul e o Consulado de Portugal no estado. Por essa razão, o processo será encaminhado pela Polícia Civil, ainda nesta semana, para o Ministério das Relações Exteriores.

Segundo o delegado Paulo César Jardim, responsável pelo inquérito \"travado\", a igreja católica registrou um Boletim de Ocorrência, em 11 de março, pedindo providências para tentar reaver R$ 2,5 milhões que tinham sido depositados em dezembro de 2010 e janeiro deste ano, como caução, na conta de Adelino D\'Assunção Nobre de Melo Vera Cruz Pinto, vice-cônsul de Portugal no Rio Grande Sul.

De acordo com o padre Celso Leandro Padilha, o valor fora pedido como caução para a liberação de R$ 12 milhões, que seriam investidos por uma Organização Não-Governamental européia na restauração de três edificações religiosas no estado. Elas foram levantadas pela colônia portuguesa no século XIX.

\"Fizemos um projeto de restauro e apresentamos para o consulado [Português] para que avaliassem a possibilidade de investir nesse trabalho e fortalecer o elo cultural entre os dois países. São obras que foram construídas com referências arquitetônicas portuguesas. Depois dos depósitos, o investimento para as obras não veio e a caução não foi devolvida.\"

As obras que Padilha citou são a Igreja Nossa Senhora da Conceição e o prédio da Cúria Metropolitana, ambas em Porto Alegre, e da Igreja Bom Jesus, em Triunfo (RS).

O delegado disse que ouviu o depoimento de do padre Luís Inácio Ledur, da Igreja Nossa Senhora da Conceição e de outras testemunhas sobre o caso. O processo, segundo Jardim, tem 80 páginas. \"Um inquérito policial tem o objetivo de descobrir duas coisas. A primeira dela é a materialidade dos fatos. A segunda é a autoria deles. Conseguimos configurar o crime de estelionato e tudo nos leva a um autor. Apesar disso, concluí o inquérito policial sem indiciamento por conta de um dos envolvidos [Cruz Pinto] ter imunidade consular, o que me impede de ouví-lo.\"

De acordo com informações passadas pela Arquidiocese de Porto Alegre à polícia, uma comitiva religiosa viajou para Portugal, em dezembro de 2010, para conhecer a ONG que faria o investimento no restauro dos prédios religiosos gaúchos.

Segundo o padre Padilha, há uma promessa de que o vice-cônsul devolva o valor da caução para a Arquidiocese de Porto Alegre em 11 de abril.

#####Outro lado
De acordo com o advogado Amadeu de Almeida Weinmann, que defende o vice-cônsul, seu cliente nega participação nas negociações para investimento nas obras dos prédios religiosos. \"A Cúria fez um mal negócio. O vice-cônsul, que era amigo íntimo do padre Ledur, tanto que moraram juntos, intermediou o negócio, indo até Lisboa. Lá, eles escolheram uma das ONGs apresentadas e ficaram durante uma semana negociando com a diretora da organização.\"

Ainda segundo Weinmann, o seu cliente apenas tentou ajudar a igreja católica. \"Para a igreja não pagar Imposto de Renda, meu cliente foi ingênuo, bobo mesmo. Para mandar esse dinheiro para a ONG, como caução, o dinheiro foi para o nome dele e dele para a ONG.\"

O advogado do vice-cônsul disse ainda que Cruz Pinto estaria disposto a conversar com o delegado Jardim sobre o caso, mas não falou sobre como isso seria feito e nem a data. \"Ele está disposto a falar com a polícia sobre o caso, mas está difícil conseguirmos falar com o delegado, que foi meu aluno na faculdade. Houve uma representação e o delegado, pressionado pela \'madre igreja\', fez o inquérito. O delegado não ouviu parte alguma. O Adelino [vice-cônsul] está disposto e faz questão de apresentar sua versão para o delegado.\"

O Ministério das Relações Exteriores (MRE) informou que o Itamaraty é meramente o intermediário entre a Justiça do Brasil e o estado estrangeiro no decorrer de um processo. Sobre a imunidade consular, apenas o estado português pode abrir mão do direito concedido ao vice-cônsul e que esta decisão não pode ser tomada pelos integrantes da diplomacia do país.(G!)

Deixe seu Comentário

Leia Também

Internacional

Ilha do Caribe estremece com maior explosão vulcânica de sua história

13/04/2021 11:15
“A Terra é azul”: há 60 anos, o homem chegava à órbita do planeta
Histórico

“A Terra é azul”: há 60 anos, o homem chegava à órbita do planeta

12/04/2021 15:52
“A Terra é azul”: há 60 anos, o homem chegava à órbita do planeta
China quer trabalhar com o Brasil para promover parceria estratégica
MUNDO

China quer trabalhar com o Brasil para promover parceria estratégica

11/04/2021 14:02
China quer trabalhar com o Brasil para promover parceria estratégica
Príncipe Philip morre aos 99 anos, no Castelo de Windsor
Família real

Príncipe Philip morre aos 99 anos, no Castelo de Windsor

09/04/2021 09:04
Príncipe Philip morre aos 99 anos, no Castelo de Windsor
Quase 60% dos focos de incêndios no Pantanal têm ligação agrícola
Pantanal

Quase 60% dos focos de incêndios no Pantanal têm ligação agrícola

07/04/2021 16:00
Quase 60% dos focos de incêndios no Pantanal têm ligação agrícola
Últimas Notícias