Dourados – MS segunda, 24 de fevereiro de 2020
Dourados
31º max
20º min
Mundo

Em meio a rumores de renúncia no Egito, Mubarak irá falar nesta noite

10 Fev 2011 - 23h35
Manifestantes anti-Mubarak oram na Praã Tahrir, no Cairo, nesta quinta-feira - Crédito: Foto: ReutersManifestantes anti-Mubarak oram na Praã Tahrir, no Cairo, nesta quinta-feira - Crédito: Foto: Reuters
O presidente do Egiro, Hosni Mubarak, vai falar à nação, de seu palácio no Cairo, na noite desta quinta-feira (10), disse a TV estatal. Ele falaria às 21 locais (17h de Brasília), segundo a Sky News.

O discurso ocorrerá em meio a vários relatos de que o contestado Mubarak iria renunciar, depois de 17 dias de fortes protestos de rua contra seu regime, que já dura 30 anos no país.

A TV estatal mostrou imagens de Mubarak reunido com seu vice-presidente, Omar Suleiman. Mas não estava claro se a transmissão era ao vivo.

O alto comando das Forças Armadas estava reunido, também segundo imagens mostradas pela TV estatal. De acordo com a rede Al Jazeera, é apenas a terceira vez na história que isso ocorre -as anteriores foram em 1967 e em 1973.

O Exército anunciou em um comunicado que começou a tomar medidas necessárias \"para proteger a nação e para apoiar as legítimas demandas do povo\".

Dezenas de milhares de manifestantes continuavam reunidos nesta quinta na Praça ahrir, que se tornou um símbolo dos protestos, exigindo a saída de Mubarak.

O ambiente é agitado e alegre entre os manifestantes depois do anúncio de que o exército nacional está tomando medidas para apoiar \"as legítimas demandas do povo\".

Cada vez mais gente chegava à praça depois do anúncio.

A oposição disse temer que um golpe militar esteja sendo tramado no país.

Mais cedo, o premiê do Egito, Ahmed Shafiq, disse à rede britânica BBC que Mubarak poderia renunciar e que a situação no país seria esclarecida em breve.

Mais tarde, na TV estatal, o recém-nomeado Shafiq disse que nada havia mudado no governo.

\"Nenhuma decisão foi tomada. Tudo está normal\", disse. \"Tudo ainda está nas mãos do presidente.

Hosam Badrawi, secretário-geral do partido governista, disse também à BBC que Mubarak poderia \"responder aos pedidos do povo\" por sua saída imediata. Ele disse que a saída, transmitindo o poder para o vice, seria \"a coisa certa a fazer\".

Sem citar fontes, a americana CNN afirmou que Mubarak poderia transferir seu poder de chefe militar ao Exército.

A também americana NBC afirmou que o presidente deve renunciar ainda na noite desta quinta-feira. O Egito está quatro horas à frente do horário brasileiro de verão no fuso horário.

Uma fonte do ministério egípcio, que não se identificou, disse à agência Reuters que Mubarak \"muito provavelmente\" deve renunciar.

A CIA, principal agência de inteligência dos EUA, também trabalha com este cenário. Leon Panetta, chefe da agência, disse em audiência no Congresso dos EUA que a saída imediata seria significativa para uma \"transição ordeira\". Panetta disse não ter confirmação da renúncia, mas apenas \"relatos\".

Mubarak teria viajado para Sharm el-Sheikh, resort às margens do Mar Vermelho onde tem residência, com seu chefe de gabinete, segundo a TV Al Arabiya. Ainda não houve confirmação oficial dessa informação.

O jornal britânico \"Guardian\" e a rede \"Al Jazeera\" disseram que o discurso que será televisionado nesta noite já teria sido gravado.

Mubarak, segundo os mesmos relatos, já teria saído de Sharm El-Sheikh.

O presidente mantém o poder e não irá renunciar, disse à Reuters o ministro da Informação do Egito. \"O presidente ainda está no poder e não está renunciando\", disse Anas el-Fekky. \"O presidente não está renunciando e tudo o que ouviram são rumores da mídia.\"

Um membro da Irmandade Muçulmana disse temer que o Exército do Egito esteja tramando um golpe militar. \"Parece um golpe militar... Estou preocupado e ansioso. O problema não é com o presidente, é com o regime.\", disse Essam al-Erian à Reuters.

Apesar da crescente pressão interna e internacional contra o regime, Mubarak anunciou que só sairá do poder em setembro, para quando estão marcadas eleições. Ele disse temer que o país virasse um \"caos\" no caso de sua saída antecipada.

Uma negociação com a oposição começou no domingo (6), com o recém nomeado vice-presidente Omar Suleiman representando o governo.

Mas as concessões do regime, feitas a conta-gotas desde então, foram recebidas com ceticismo pelos diversos grupos envolvidos -incluindo a poderosa Irmandade Muçulmana-, e as conversas pouco avançam.

Os protestos deixaram pelo menos 300 mortos e 5.000 feridos no país, segundo levantamento das Nações Unidas. Ativistas denunciaram nesta quinta que o Exército teria cometido abusos contra ativistas presos.
(G1)

Deixe seu Comentário

Leia Também

Coronavírus: Circuito mundial de natação paralímpica é cancelado na Itália
Esportes

Coronavírus: Circuito mundial de natação paralímpica é cancelado na Itália

24/02/2020 16:15
Coronavírus: Circuito mundial de natação paralímpica é cancelado na Itália
Conselho de Direitos Humanos da ONU: Brasil participa da 43ª sessão
Direitos Humanos

Conselho de Direitos Humanos da ONU: Brasil participa da 43ª sessão

24/02/2020 09:45
Conselho de Direitos Humanos da ONU: Brasil participa da 43ª sessão
Completa amanhã, 75 anos da histórica tomada de Monte Castello
2ª Guerra Mundial

Completa amanhã, 75 anos da histórica tomada de Monte Castello

20/02/2020 17:00
Completa amanhã, 75 anos da histórica tomada de Monte Castello
Novo Coronavírus: Brasil apresenta ações para enfrentamento da doença
Saúde

Novo Coronavírus: Brasil apresenta ações para enfrentamento da doença

20/02/2020 12:00
Novo Coronavírus: Brasil apresenta ações para enfrentamento da doença
Com apoio da ONU no Brasil, Gâmbia entra em nova fase do programa de alimentação escolar
Sociedade

Com apoio da ONU no Brasil, Gâmbia entra em nova fase do programa de alimentação escolar

20/02/2020 11:30
Com apoio da ONU no Brasil, Gâmbia entra em nova fase do programa de alimentação escolar
Últimas Notícias