Dourados – MS segunda, 17 de junho de 2024
21º
Paz e segurança

Crise na Ucrânia piora com ataques de drones e bombas planadoras contra civis

Uso do tipo de dispositivos em Kharkiv destruiu 80% da infraestrutura de energia, forçando 14 mil pessoas a fugir; ONU lamenta os ataques e ressalta a importância do direito humanitário

17 Mai 2024 - 20h15Por ONU News
Um adulto e duas crianças passam por um bloco de apartamentos destruído em Borodianka, na Ucrânia - Crédito:  UNICEF/Aleksey Filippov Um adulto e duas crianças passam por um bloco de apartamentos destruído em Borodianka, na Ucrânia - Crédito: UNICEF/Aleksey Filippov

O uso de bombas planadoras pela Rússia em Kharkiv, segunda maior cidade da Ucrânia, já danificou 80% da infraestrutura de energia e forçou 14 mil pessoas a deixarem a área na última semana. 

Nesta quinta-feira, a coordenadora humanitária da ONU no país, Denise Brown, lamentou os recentes ataques em Kharkiv e na cidade de Kherson, ao sul. Ela reforçou que o direito internacional humanitário deve ser respeitado e que civis não devem ser alvos.

Capacidade Humanitária

Segundo os trabalhadores humanitários da ONU, ataques diários das forças armadas russas danificaram dezenas de cidades e vilarejos no sul e no leste do país, além de áreas centrais como Dnipro, bombardeada novamente na madrugada desta sexta-feira. 

Em entrevista à ONU News, a representante na Ucrânia da Organização Internacional para Migrações, OIM, Leila Saleiravesh, explicou que equipamentos militares como drones e bombas planadoras estão sendo usados em áreas densamente povoadas. 

Ela explica que essas bombas são relativamente baratas, podem voar até 80 km e causar grandes danos.  

Escola em Kharkiv, Ucrânia, destruída por bombardeio (fevereiro de 2024)Escola em Kharkiv, Ucrânia, destruída por bombardeio (fevereiro de 2024) - Foto: Unicef/Oleksii Filippov

 

Segundo Saleiravesh, os ataques reduziram a capacidade dos funcionários humanitários de alcançar comunidades vulneráveis que não podem ou não querem deixar suas casas. 

O sistema de saúde das áreas sob ataque enfrenta dificuldades significativas para atender pacientes. 

A instabilidade do serviço de eletricidade prejudica o tratamento de pessoas que precisam de ventiladores, causa problemas na manutenção correta de vacinas e dificulta a esterilização de instrumentos.

Intensificação dos Ataques 

Na última semana, a diretora da Divisão de Financiamento e Parcerias do Escritório para a Coordenação de Assuntos Humanitários, Lisa Doughten, falou ao Conselho de Segurança sobre intensos ataques de Moscou à infraestrutura civil da Ucrânia.

Ela destacou os danos às instalações de energia, comprometendo o abastecimento de água em certas áreas e interrompendo o acesso à eletricidade para milhões de civis e apontou que a entrega de assistência humanitária fica ainda mais perigosa.

O Escritório da ONU para Assuntos Humanitários registrou mais de 700 baixas civis em toda a Ucrânia em abril, incluindo 129 mortes, um aumento significativo em relação a março. 

Conflito na Ucrânia já provocou 29.731 vítimas civisConflito na Ucrânia já provocou 29.731 vítimas civis - Foto: © UNICEF/Aleksey Filippov

 

Desde 22 de março, houve cinco ondas de ataques à infraestrutura energética do país, particularmente nas regiões de Kharkiv e Dnipro, causando apagões intermitentes e afetando milhões em todo o país. Além disso, ataques a portos estão ameaçando a capacidade de exportar grãos em um momento de crescente insegurança alimentar.

Esforços Humanitários 

Doughten adicionou que apesar do aumento das hostilidades e dos riscos relacionados, “a ONU e seus parceiros humanitários estão fazendo tudo o que podem para alcançar pessoas que precisam de apoio”. 

Do início de janeiro até o final de março, 3,6 milhões de pessoas em todo o país receberam algum tipo de assistência. Até agora este ano, 12 comboios interagências entregaram suprimentos vitais a 20 mil pessoas em áreas de linha de frente. 

No entanto, alcançar civis nas áreas de Donetsk, Luhansk, Kherson e Zaporizhzhia, atualmente sob ocupação de Moscou, continua sendo um desafio. O Ocha insta todas as partes a facilitarem o rápido e desimpedido alívio humanitário para os 1,5 milhão de pessoas que necessitam de assistência vital.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Nações Unidas promovem mais ação pela recuperação de terras degradadas
Clima e meio ambiente

Nações Unidas promovem mais ação pela recuperação de terras degradadas

17/06/2024 19:45
Nações Unidas promovem mais ação pela recuperação de terras degradadas
Mundo

Ajude a Caravana da Saúde a atender refugiados de guerra no Malawi

17/06/2024 17:15
Brasil não assina declaração de cúpula de Paz na Suíça, neste domingo
Paz e segurança

Brasil não assina declaração de cúpula de Paz na Suíça, neste domingo

16/06/2024 15:30
Brasil não assina declaração de cúpula de Paz na Suíça, neste domingo
Portugal indica que deficiência não será barreira na busca de oportunidades
Direitos humanos

Portugal indica que deficiência não será barreira na busca de oportunidades

15/06/2024 20:00
Portugal indica que deficiência não será barreira na busca de oportunidades
Empresa brasileira apresenta projetos de inclusão em conferência da ONU
Direitos humanos

Empresa brasileira apresenta projetos de inclusão em conferência da ONU

14/06/2024 22:15
Empresa brasileira apresenta projetos de inclusão em conferência da ONU
Últimas Notícias