Dourados – MS quinta, 28 de outubro de 2021
Dourados
32º max
21º min
Ranking Valor Econômico
Mundo

Arábia Saudita abandona mediação na crise libanesa

19 Jan 2011 - 20h05
Ministro saudita das relações exteriores, Saud al-Faisal, na abertura do fórum econômico da Liga Árabe, no Egito. - Crédito: Foto: ReutersMinistro saudita das relações exteriores, Saud al-Faisal, na abertura do fórum econômico da Liga Árabe, no Egito. - Crédito: Foto: Reuters
A Arábia Saudita abandonou hoje seus esforços de mediação junto com a Síria na crise política do Líbano.

O país saudita, que apoia o primeiro-ministro em exercício Saad Hariri, e o governo sírio, que apoia o campo do Hezbollah xiita, tentavam há meses acalmar a tensão neste país dividido em torno do tribunal da ONU encarregado de julgar os autores do assassinato em 2005 do ex-primeiro-ministro sunita Rafic Hariri.

A Arábia Saudita considera que a situação no Líbano é perigosa e abandonou os esforços de mediação conjunta com a Síria na crise política libanesa, anunciou o chanceler saudita Saud al-Faisal.

Em uma entrevista ao canal Al-Arabiya, o ministro das Relações Exteriores saudita também advertiu que existe o risco de \"divisão\" do país.

O chanceler explicou que o rei Abdullah manteve contato direto com o presidente sírio Bachar al-Assad \"para chegar a uma solução global do problema libanês, mas isto não teve resultados\".

\"Assim, o monarca se retirou dos esforços de mediação\", disse.

O príncipe Saud considera que a situação no Líbano é \"perigosa\" depois da apresentação do documento de acusação ao Tribunal Especial para o Líbano (TEL) sobre o assassinato do ex-premier Rafic Hariri.

#####Hezbollah e o tribunal especial da ONU

Na semana passada, dez ministros do partido político Hezbollah e mais um aliado abandonaram o governo de coalisão libanês liderado pelo então premiê Saad al-Hariri, filho do primeiro-ministro assassinado em 2005, Rafik al-Hariri.

Com a debandada, o país entrou em colapso, e desde então, buscam-se soluções para a formação de um novo governo.

O Hezbollah exige que Hariri desqualifique os resultados das investigações do Tribunal Especial da ONU sobre a morte de seu pai, em 2005, por receito de que as acusações recaiam sobre membros do partido.

Líderes da legenda alegam que \'as investigações e o próprio tribunal atendem apenas aos interesses dos EUA e de Israel\', e não aos do povo do Líbano. Mas Hariri persistiu não somente em apoiar, mas em financiar as investigações, irritando a oposição local.

Analistas de diversas partes têm dito que a possibilidade do Hezbollah assumir o poder no Líbano é real e viável. Hipótese esta que causa aflição no Oriente Médio, pela possibilidade de uma nova guerra civil no país, e principalmente nos EUA e em Israel, que temem um possível governo com o apoio irrestrito do Irã, hoje grande inimigo das duas potências na região.

Os resultados do tribunal, apesar de já terem sido apurados, estão sendo mantidos em sigilo.

(g1.com)

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mundo

OMS: covid pode ter matado 80 mil a 180 mil profissionais de saúde

22/10/2021 14:30
ONU alerta sobre riscos de extração de combustíveis fósseis até 2030
Mundo

ONU alerta sobre riscos de extração de combustíveis fósseis até 2030

20/10/2021 12:00
ONU alerta sobre riscos de extração de combustíveis fósseis até 2030
Mundo

Papa abre caminho à beatificação de João Paulo I

13/10/2021 16:00
Transição energética é "demasiado lenta", alerta agência
Mundo

Transição energética é "demasiado lenta", alerta agência

13/10/2021 09:00
Transição energética é "demasiado lenta", alerta agência
Jornalistas da Filipinas e Rússia recebem Nobel da Paz
Mundo

Jornalistas da Filipinas e Rússia recebem Nobel da Paz

08/10/2021 13:00
Jornalistas da Filipinas e Rússia recebem Nobel da Paz
Últimas Notícias