Dourados – MS sábado, 08 de agosto de 2020
Dourados
32º max
15º min
Segurança e Saúde JBS
Mundo

Após romper com trabalhismo, Ehud Barak ganha ministérios em Israel

18 Jan 2011 - 15h10
O ministro da Defesa de Israel, Ehud Barak - Crédito: Foto: APO ministro da Defesa de Israel, Ehud Barak - Crédito: Foto: AP
O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, recompensou nesta terça-feira (18) o seu ministro da Defesa, Ehud Barak, por ter rompido com o Partido Trabalhista, dando quatro ministérios ao grupo de cinco dissidentes.

Barak e quatro aliados deixaram na segunda-feira o Partido Trabalhista, de centro-esquerda, que foi a principal agremiação política de Israel durante décadas, mas nos últimos anos se viu reduzido a membro minoritário na coalizão centro-direitista comandada por Netanyahu.

A deserção eliminou a possibilidade de que um rival esquerdista sucedesse Barak como líder trabalhista e retirasse o partido inteiro da coalizão, o que poderia derrubar o governo.

Os trabalhistas --que ficaram com apenas oito representantes no Parlamento-- reagiram à saída de Barak apresentando a demissão de seus três ministros restantes. Mas Netanyahu, com a ajuda de seu aliado, continua controlando 66 das 120 cadeiras do Knesset (Parlamento).

Pelo acordo selado na terça-feira, Barak manteve seu cargo na Defesa, e outro dissidente que já estava no ministério permaneceu. Além disso, Netanyahu deu dois ministérios deixados pelos trabalhistas para membros da nova facção de Barak, chamada Atzmaut (Independência). O quinto dissidente recebeu a presidência de uma comissão parlamentar.

\"Temos um acordo\", disse uma porta-voz do partido direitista Likud, de Netanyahu, em comunicado a jornalistas.

Agora, Barak controla apenas um ministério a menos do que o trabalhismo possuía antes da cisão, apesar de comandar uma bancada parlamentar que tem menos de metade do tamanho.

A saída de Barak agrava ainda mais a crise no partido que governou Israel ininterruptamente desde sua fundação até 1977, e em vários outros períodos desde então. Mas o apoio popular ao trabalhismo caiu fortemente na última década, refletindo o fracasso no processo de paz com os palestinos, promovido na década de 1990 sob a liderança dos líderes Yitzhak Rabin e Shimon Peres.

Barak foi o último primeiro-ministro trabalhista, entre 1999 e 2001. Caiu por não ter conseguido concluir a paz com os palestinos, e sua decisão de aderir à coalizão de Netanyahu, em 2009, frustrou muitos trabalhistas \"históricos\".

Vários analistas criticaram a nova manobra de Barak na imprensa. Ari Shavit, do \"Haaretz\", disse que foi um \"gesto feio\"\' Ofer Shelah, no \"Maariv\", descreveu o ministro como um \"homem de destruição\", que \'esmagou o que restava de confiança no processo de paz e destruiu o Partido Trabalhista.

(G1.com)

Deixe seu Comentário

Leia Também

Cepal diz que comércio internacional da América Latina cairá 23%
Economia

Cepal diz que comércio internacional da América Latina cairá 23%

07/08/2020 08:00
Cepal diz que comércio internacional da América Latina cairá 23%
Diretor do Instituto Butantan defende confiabilidade de vacina chinesa
CoronaVac

Diretor do Instituto Butantan defende confiabilidade de vacina chinesa

06/08/2020 14:29
Diretor do Instituto Butantan defende confiabilidade de vacina chinesa
Dólar opera em alta após novo corte na taxa de juros
Economia

Dólar opera em alta após novo corte na taxa de juros

06/08/2020 12:30
Dólar opera em alta após novo corte na taxa de juros
Efeitos da pandemia serão sentidos por décadas, diz chefe da OMS
Pandemia

Efeitos da pandemia serão sentidos por décadas, diz chefe da OMS

06/08/2020 07:12
Efeitos da pandemia serão sentidos por décadas, diz chefe da OMS
Demissão

Latam vai demitir 2,7 mil tripulantes

05/08/2020 18:02
Últimas Notícias