Dourados – MS terça, 20 de fevereiro de 2024
24º
Cassems
IBGE

Setor cultural tem mais emprego informal que o conjunto da economia

Pesquisa mostra, no entanto, que salários são maiores

01 Dez 2023 - 12h30Por Bruno de Freitas Moura, Agência Brasil - Rio de Janeiro
Setor cultural tem mais emprego informal que o conjunto da economia - Crédito: Tânia Rêgo/Agência Brasil Crédito: Tânia Rêgo/Agência Brasil

O setor cultural no país tem proporção maior de empregos informais, se comparado ao total das atividades econômicas. No entanto, é composto por trabalhadores mais qualificados e paga maiores salários. A constatação está na pesquisa Sistema de Informações e Indicadores Culturais, divulgada nesta sexta-feira (1º) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O levantamento faz uma radiografia de empresas e ocupações ligadas ao ramo cultural, como companhias de teatro, cinema, casas de espetáculos, museus, editoras, empresas de design e de comunicação.

Entram no campo de análise profissões que vão desde percussionista até o porteiro que trabalha em um museu, passando por uma bibliotecária, por exemplo. 

De acordo com o estudo, em 2022 o setor cultural ocupava 5,4 milhões de pessoas no país. Isso representa 5,6% do total de ocupados em todas as atividades econômicas. Esse patamar é muito próximo do registrado em 2019, período pré-pandemia. No ano seguinte, 2020, o isolamento social e os lockdowns levaram o número de ocupados para 4,8 milhões. 

Qualificação e informalidade

Dos trabalhadores do setor cultural, 30,6% tinham ensino superior completo. Esse nível de escolaridade fica acima da média do total das atividades, 22,6%. Apesar de mais qualificados, esses profissionais lidavam com maior nível de informalidade. Enquanto no total da economia a taxa de informalidade era de 40,9%, na área cultural alcançava 43,2%. 

Outra característica é a grande participação de trabalhadores por conta própria, 42,1%, acima dos 26,1% do total da economia.

"Ter mais conta própria é um indicativo de mais informalidade porque, de maneira geral, normalmente está mais ligada à não contribuição previdenciária", explica o pesquisador Leonardo Athias. 

Brasília (DF) 30/11/2023   Setor cultural tem mais emprego informal que conjunto da economia
Arte Agência BrasilSetor cultural tem mais emprego informal que conjunto da economia - Arte Agência Brasil

 

Remuneração

A pesquisa identificou que ter maior proporção de informalidade não significou menores salários para o setor cultural. Pelo contrário. Enquanto no país o rendimento médio ficou em R$ 2.582, entre os trabalhadores dos setores relacionados à cultura a cifra era de R$ 2.815. 

A desigualdade entre os salários de homens e mulheres na economia como um todo se reproduz também no universo cultural. Elas receberam, em média, R$ 2.510, enquanto eles, R$ 3.087, uma diferença de 23%. 

Menos inflação

O IBGE também analisou o peso e comportamento dos gastos com atividades, produtos e serviços culturais no bolso das famílias brasileiras. Para isso, foi criado o Índice de Preços da Cultura (IPCult). 

Em 2020, esses gastos - que incluem custos tradicionais, como entrada de cinema, até consumos mais modernos, como assinatura de streaming – representavam 9,1% do peso da inflação oficial do país (IPCA). No ano passado, a participação caiu para 8,4%. 

Observando como cada índice se comportou, os gastos com cultura subiram menos que a inflação geral. Nos últimos dois anos, o IPCA acumulado de 12 meses teve média de 6,8%. Já o IPCult, 3,2%.

Gastos públicos

O ano de 2022 foi o que mais teve gastos públicos no setor cultural. Em valores correntes foram R$ 13,6 bilhões, uma expansão de aproximadamente 73% ante os R$ 7,9 bilhões de 2012.

Observando por esfera administrativa, percebe-se a redução de gastos federais em 33,3%, passando de R$ 1,8 bilhão para R$ 1,2 bilhão. Já estados e municípios tiveram aumentos. Governos estaduais saltaram de R$ 2,4 bilhões para R$ 4,3 bilhões (+77%); e prefeituras, de R$ 3,6 bilhões para R$ 8 bilhões (+125%). 

“Estudos mostram, no Brasil e fora, que o gasto no setor é multiplicador. Se você mexe na cultura, isso gera renda e emprego na sequência”, analisa Leonardo Athias.  

Acesso à cultura

Ao mapear a presença de equipamentos culturais pelo país, o IBGE retrata a desigualdade de acesso. O levantamento identificou que 31,4% da população moram em municípios onde não existe museu e 30,6%, onde não há teatros. A situação mais crítica é o cinema,-  42,5% da população vivem em cidades sem salas de exibição.

O IBGE também calculou a proporção de cidades que não têm teatros, museus e cinemas nos próprios territórios e precisam de deslocamentos superiores a uma hora para alcançar esses equipamentos culturais.

A Região Norte é a mais desfavorecida - 70% dos municípios estão a mais de uma hora de um museu. No Centro-Oeste são 28,5% e no Nordeste, 15,4%. Todas essas regiões estão acima da média nacional, 14,9%.

No Sudeste, 5,3% das cidades estão nessa situação. No Sul, apenas 1,3%, ou seja, praticamente todas as cidades estão a menos de uma hora de um museu.

O Norte (65,1%), o Centro-Oeste (39,8) e o Nordeste (19,7%) também são as regiões mais desfavorecidas quando se leva em conta a proporção de municípios que precisam de mais de uma hora de deslocamento para se chegar em um teatro. 

"Onde está a maior riqueza no Brasil, onde está o maior número de pessoas é na costa, onde há densidade demográfica. É onde a gente vê mais equipamentos e menores deslocamentos", diz o pesquisador do IBGE. 

O levantamento não faz a relação per capita das regiões, ou seja, quantos equipamentos existem para cada habitante.  

"A Região Norte tem menos população que as outras regiões, por exemplo, mas a gente está falando sob a ótica do acesso, do direito à cultura", observa. 

Brasília (DF) 30/11/2023   Setor cultural tem mais emprego informal que conjunto da economia
Arte Agência Brasil

Distância entre municípios e equipamentos culturais mostra desigualdade regional -  Arte Agência Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mapa abre mais dois novos mercados na Austrália e Costa Rica
Comércio Exterior

Mapa abre mais dois novos mercados na Austrália e Costa Rica

20/02/2024 15:00
Mapa abre mais dois novos mercados na Austrália e Costa Rica
Receita alerta microempreendedor sobre erro na declaração anual
Economia

Receita alerta microempreendedor sobre erro na declaração anual

20/02/2024 12:45
Receita alerta microempreendedor sobre erro na declaração anual
Projeto institui homenagem às mulheres empreendedoras integrantes da BPW em MS
ALEMS

Projeto institui homenagem às mulheres empreendedoras integrantes da BPW em MS

20/02/2024 07:15
Projeto institui homenagem às mulheres empreendedoras integrantes da BPW em MS
Emprego no setor privado atinge maior patamar da série histórica em MS
Economia

Emprego no setor privado atinge maior patamar da série histórica em MS

19/02/2024 22:15
Emprego no setor privado atinge maior patamar da série histórica em MS
Mais de 85% dos ex-alunos de cursos técnicos do Senai estão empregados em Mato Grosso do Sul
Economia

Mais de 85% dos ex-alunos de cursos técnicos do Senai estão empregados em Mato Grosso do Sul

19/02/2024 21:30
Mais de 85% dos ex-alunos de cursos técnicos do Senai estão empregados em Mato Grosso do Sul
Últimas Notícias