Dourados – MS segunda, 26 de julho de 2021
Dourados
34º max
17º min
Economia

Longen critica o aumento da Selic

20 Jan 2011 - 23h55
foto: div. - foto: div. -
Campo Grande - Como previu anteontem (19) o presidente da Fiems, Sérgio Longen, o Copom (Comitê de Política Monetária) definiu o aumento da taxa básica de juros em 0,5 ponto percentual, elevando a Selic para 11,25%, o que evidencia a manutenção da política de juros pelo BC (Banco Central) no governo da presidente Dilma Rousseff, ou seja, conter a inflação via aumento da taxa de juros e restrições aos créditos como forma de restringir o consumo.

Na primeira reunião do Copom sob o mandato da presidente Dilma Rousseff e com o BC sob o comando de Alexandre Tombini, a Selic subiu de 10,75% para 11,25% em decisão foi unânime. Dessa forma a taxa tem sua primeira elevação após três reuniões seguidas (1º de setembro, 20 de outubro e 8 de dezembro do ano passado) em que o Copom decidiu mantê-la com a Selic atingindo também seu maior nível desde abril de 2009, já que última alta havia sido em julho de 2010, quando ela passou de 10,25% para 10,75%.

#####Custo Brasil

Para o presidente da Fiems, a preocupação da indústria nacional neste momento é com o custo Brasil, formado por elevadas taxas de juros, variação cambial negativa e altíssima carga tributária. “Somado aos problemas de logística e a falta de marcos regulatórios, estes são os grandes entraves para os investimentos, o que acaba interferindo negativamente na competitividade industrial”, analisou.

Segundo o dirigente empresarial, é passada a hora dos governos fazerem a lição de casa e reduzirem os gastos públicos para que os diversos setores da economia consigam se manter competitivos no atual mundo globalizado. “Os produtos importados chegam ao Brasil com preços baixos e quase sem concorrência com a indústria nacional. E os preços do mercado internacional são mais competitivos exatamente em decorrência do elevado custo Brasil, que ainda tem a sobrecarga dos impostos dos salários dos trabalhadores”, argumentou.

Sérgio Longen reitera ainda que os governos, sejam municipais, estaduais ou federal, continuam usando a ferramenta do aumento de impostos como forma de cobrir os gastos públicos, penalizando a produção. “Nós, empresários, estamos sempre adequando nossos gastos com a receita. Ninguém pode gastar mais do que arrecada. Como os Governos gastam muito o aumento dos impostos e a criação de novas taxas são sempre a única saída que encontram”, lamentou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Caixa paga hoje auxílio emergencial a nascidos em julho
Auxílio

Caixa paga hoje auxílio emergencial a nascidos em julho

24/07/2021 11:00
Caixa paga hoje auxílio emergencial a nascidos em julho
IBGE: indústrias empregavam 7,6 milhões de pessoas em 2019
Economia

IBGE: indústrias empregavam 7,6 milhões de pessoas em 2019

21/07/2021 13:00
IBGE: indústrias empregavam 7,6 milhões de pessoas em 2019
Economia

BNDES quer mais R$ 100 milhões para financiar combate à covid-19

20/07/2021 15:00
Dourados

Pesquisa aponta cenário otimista ao mês dos Pais este ano em comparação a 2020

17/07/2021 11:00
Economia

Inflação medida pelo IGP-10 cai para 0,18% em julho, diz FGV

16/07/2021 13:00
Últimas Notícias