Dourados – MS quinta, 13 de maio de 2021
Dourados
26º max
14º min
Economia

Energia fica até 18% mais cara em Mato Grosso do Sul

06 Abr 2011 - 00h19Por Temporal
Consumidor vão sentir no bolso mais um aumento na tarifa de energia a partir deste mês - Crédito: Foto: Hédio fazan/PROGRESSOConsumidor vão sentir no bolso mais um aumento na tarifa de energia a partir deste mês - Crédito: Foto: Hédio fazan/PROGRESSO
Marli Lange
######Progresso


DOURADOS – A partir do dia 8 de abril o consumidor sul-mato-grossense vai pagar mais caro pela taxa de energia elétrica. O reajuste foi publicado ontem pela Agência Nacional e Energia Elétrica (Aneel). O efeito médio a ser sentido pelo consumidor será de 17,49%.

O consumidor de baixa tensão, que são as residenciais, terão um índice aplicado nas contas de luz de 18,57% e os consumidores de alta tensão, que são as industrias, o índice será de 14,82%.

A Assessoria de Imprensa da Enersul explicou que na realidade o aumento real na tarifa foi de 12,33%, no entanto, o consumidor vai sentir o impacto médio de 17,49%. Isso porque, segundo a Enersul, este ano a empresa deixa de descontar os valores do ressarcimento por cobrança irregular depois de revisão tarifária de 2003.

A direção da concessionária lembra que três índices foram levados em consideração para chegar a esse percentual. O primeiro é de reajuste econômico calculado pelo IGP-M e o fator X, além de outros custos empregado na atividade de distribuição, como a compra de energia e os inúmeros impostos.


Dentre as dez empresas de energia elétrica que terão reajuste no mês de abril, a Enersul foi a que apresentou o maior pleito.



O índice de reajuste de cada empresa é calculado pela Superintendência de Regulação Econômica, a partir da planilha apresentada pelas concessionárias. Depois, tudo é submetido à aprovação da diretoria colegiada da Agência Nacional de Energia Elétrica, durante reunião pública.
#####QUESTIONAMENTOS
O novo aumento da tarifa de energia elétrica foi motivo de alguns debates no mês de março pelo Conselho de Consumidores da Enersul (Concen) e a Federação das Industrias de Mato Grosso do Sul (Feims).

O presidente da entidade, Sérgio Longen, disse que Fiems sempre lutou contra o alto custo da energia elétrica em Mato Grosso do Sul e, portanto, não poderia concordar com o índice pleiteado pela Enersul, que na ocasião era de 19,35%, em média.

Para a Fiems, o setor produtivo e a população já sofrem enormes pressões com “tarifaços”, como o do IPTU, por exemplo. “O impacto desse índice solicitado pela Enersul no bolso dos consumidores vai ser muito grande”, alertou na ocasião, destacando que a “Fiems já articula parcerias com a Assembléia Legislativa e bancada federal do Estado para estabelecer uma tarifa que seja economicamente viável”, pontuou Longen em reunião realizada dia 14 do mês passado.

Foi destacado na reunião que o percentual de aumento da tarifa de energia seria superior ao do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), que no acumulado nos últimos 12 meses está em 6,01%.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Atividade econômica cresce 2,3% no primeiro trimestre, diz BC
Economia

Atividade econômica cresce 2,3% no primeiro trimestre, diz BC

há 3 horas atrás
Atividade econômica cresce 2,3% no primeiro trimestre, diz BC
Mesmo com pandemia, mercado de veículos usados é aquecido e alegação de venda cresce 16% no Estado
Economia

Mesmo com pandemia, mercado de veículos usados é aquecido e alegação de venda cresce 16% no Estado

há 4 horas atrás
Mesmo com pandemia, mercado de veículos usados é aquecido e alegação de venda cresce 16% no Estado
Economia

Vendas no varejo caem 0,6% em março, terceiro resultado negativo em 4 meses

há 5 horas atrás
Economia

Produção de grãos cresce 5,7% e chega a 271,7 milhões de toneladas

há 23 horas atrás
IBGE prevê safra recorde de 264,5 milhões de toneladas para 2021
Economia

IBGE prevê safra recorde de 264,5 milhões de toneladas para 2021

12/05/2021 15:00
IBGE prevê safra recorde de 264,5 milhões de toneladas para 2021
Últimas Notícias