Dourados – MS quinta, 03 de dezembro de 2020
Dourados
29º max
22º min
Imaculada-Desk
Imaculada-Mobile
Economia

Cesta básica sobe 0,77% em janeiro

07 Fev 2011 - 19h34
O preço do tomate apresentou alta de 22,50% em janeiro em Campo Grande - Crédito: Foto: Edemir RodriguesO preço do tomate apresentou alta de 22,50% em janeiro em Campo Grande - Crédito: Foto: Edemir Rodrigues
Campo Grande – O custo da Cesta Básica Alimentar Individual em janeiro em Campo Grande registrou um acréscimo de 0,77% em relação ao mês anterior, apresentando a importância de R$ 240,78. Em dezembro/2010 esse valor foi de R$ 238,93. Os dados são do estudo mensal elaborado pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente, do Planejamento, da Ciência e Tecnologia (Semac), para avaliar o poder de compra do salário mínimo na aquisição de alimentos necessários à manutenção de um indivíduo-padrão.

As variações acumuladas registraram percentuais positivos: 16,93% nos últimos 12 meses, e 11,82% nos últimos seis meses.

No mês de janeiro a pesquisa assinalou que dos 15 produtos que compõem a Cesta Básica Alimentar, seis registraram alta: tomate 22,50%; alface 11,19%; laranja 7,52%; banana 2,19%; óleo 1,71% e açúcar 1,18%. Os produtos que acusaram queda de preço: feijão 19,59%; carne 4,38%; margarina 2,59%; sal 2,50%; macarrão 1,20%; leite 0,55% e batata 0,53%. Pão e arroz mantiveram os preços inalterados.

Os excessos das chuvas ocorridas no primeiro mês do ano prejudicaram as plantações, com perdas nas safras do tomate (22,50%), alface (11,19%) e banana (2,19%) ocasionando escassez dos produtos aumentando os preços.

#####Reduções

O estudo aponta que, com a boa safra do feijão, aumentou o volume ofertado no mercado interno ocasionando queda de preço de 19,59%.
Houve variação negativa também no custo da carne. As pastagens aumentaram no período devido às chuvas, o que favorece o boi gordo. Essa condição pressionou para a ocorrência de menores preços no período, equivalente 4,38%.

#####Semestral

Na avaliação do acumulado dos últimos seis meses, os produtos que apresentaram maiores altas foram o açúcar, o óleo de soja, a laranja, a banana, a carne e o tomate. Batata e leite foram produtos que se destacaram em queda.

#####Renda do trabalhador

A pesquisa leva em conta que, em janeiro, o salário mínimo passou de R$ 510,00 para R$ 540,00, um aumento de 5,88%. Quanto à renda mensal, o levantamento constatou no mês em questão que o trabalhador que recebe um salário mínimo de R$ 540,00 comprometeu 44,59% do seu salário para aquisição da Cesta Alimentar; no mês anterior, esse comprometimento representava 46,85%.

O estudo mostra que, para adquirir a Cesta, o trabalhador precisou despender 98 horas e seis minutos da sua jornada mensal de 220 horas; no levantamento anterior, em dezembro/2010, eram necessárias 103 horas e quatro minutos.

#####Cesta Básica Familiar

A Semac também pesquisou o custo da Cesta Básica Familiar, que registrou em janeiro a importância de R$ 1.052,09, uma variação positiva de 1,17% em relação ao levantamento anterior, quando o custo chegou a R$ 1.039,94. Quanto à variação acumulada nos últimos 12 meses, registrou alta de 8,40%; e nos últimos seis meses, 7,46%.

Entre os 44 produtos pesquisados que compõem a Cesta Familiar, 24 apresentaram alta, 13 apresentaram queda de preço, e sete produtos mantiveram seu preço inalterado.


A pesquisa leva em conta a Cesta Básica recomendada para uma família com cinco indivíduos, e composta por um painel fixo de produtos, que deve preencher as necessidades para higiene, limpeza e alimentação. São pesquisados 32 produtos de alimentação, cinco produtos de higiene pessoal e sete de limpeza doméstica, selecionados através de hábitos de consumo.

No grupo Alimentação, a pesquisa constatou a alta de 1,25% com os principais produtos em alta: tomate 22,40%; cenoura 17,72%; alface 11,17%; laranja 7,58%; mandioca 4,96%; cebola 4,65%; couve 3,58%; banana 2,17%; manteiga 2,03% e mamão 1,98%. Os produtos em queda foram: feijão 19,62%; carne 4,38%; margarina 2,67%; café 1,33%; macarrão 1,19%; leite 0,55%; batata 0,53%; e sal 0,51% Os produtos que não registraram alteração de preços foram: pão francês, pão doce, arroz, alho e queijo.

A safra da cenoura foi prejudicada com menor produtividade devido às chuvas ocorridas no período com menor abastecimento no mercado interno, aumentando seu preço 17,72%. Com o aumento do consumo da laranja devido ao calor e uma safra com menor oferta da fruta combinado com a dificuldade de transporte e colheita por causa das chuvas, o preço foi elevado em 7,58%.

Alguns estabelecimentos pesquisados no período colocaram os produtos em promoção, o que diminuiu o preço. Foram os casos da margarina (-2,67%) e do café (1,33%).

O grupo Higiene Pessoal registrou uma variação negativa de 2,50%. Os produtos que colaboraram para esta queda foram: lâmina de barbear (7,30%), absorvente (1,59%) e dentifrício (1,52%). O produto que registrou alta foi o papel higiênico, com 0,97%. Sabonete manteve seu preço inalterado.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Orçamento municipal 2021 será de R$ 1.164 bilhão
PARA DOURADOS

Orçamento municipal 2021 será de R$ 1.164 bilhão

03/12/2020 08:29
Orçamento municipal 2021 será de R$ 1.164 bilhão
Venda de veículos automotores aumenta 0,45% de outubro para novembro
economia

Venda de veículos automotores aumenta 0,45% de outubro para novembro

02/12/2020 17:03
Venda de veículos automotores aumenta 0,45% de outubro para novembro
Maia diz que há votos para aprovar reforma tributária neste ano, mesmo sem apoio do governo
economia

Maia diz que há votos para aprovar reforma tributária neste ano, mesmo sem apoio do governo

02/12/2020 15:08
Maia diz que há votos para aprovar reforma tributária neste ano, mesmo sem apoio do governo
Serviços avançam e comércio recua na participação no PIB desde 1947
economia

Serviços avançam e comércio recua na participação no PIB desde 1947

02/12/2020 13:41
Serviços avançam e comércio recua na participação no PIB desde 1947
Reinaldo Azambuja pede criação do FCO do Pantanal
EM BRASÍLIA

Reinaldo Azambuja pede criação do FCO do Pantanal

02/12/2020 10:48
Reinaldo Azambuja pede criação do FCO do Pantanal
Últimas Notícias